Anatta


A Wikipédia possui o
Portal do budismo


Anatta (em páli. Lê-se /anat-tá/.) ou anatman (em sânscrito) é um dos conceitos básicos da doutrina budista. Significa, literalmente, "não eu". Diz respeito à inexistência de um "eu" permanente e imutável nos elementos que compõe o universo, ou seja, descreve a insubstancialidade de todos os fenômenos do universo.[1]

Índice

Descrição


De acordo com o budismo, todas as coisas componentes ou condicionadas são impermanentes e estão em constante "estado de fluxo". Segue-se, daí, a ideia de "não eu" (anatta), que nega a existência de uma essência pessoal imutável e independente - em oposição à doutrina hinduísta de atman.

Os budistas afirmam que a noção de um "eu" permanente é uma das principais causas do sofrimento humano (ver Dukkha) e que, compreendendo a noção de anatta ou não eu, podemos ir além de nossos desejos e sofrimentos egoístas. Na linguagem cotidiana, fala-se em "alma", "eu" ou "self". Nos meios budistas, porém, existe o entendimento de que nós somos interdependentes e mutáveis, em vez de personalidades independentes e imutáveis. Dessa maneira, para o budista, não há alma, espírito ou qualquer "eu" intrínseco ao Ser que migra de um corpo a outro após o evento morte.

Segundo a concepção budista, na morte, corpo e mente se desintegram, mas, se a mente desfeita contém quaisquer resíduos cármicos (caso de não haver se iluminado), ela causa uma continuidade de consciência que reverbera em uma mente nascente de outro ser. Portanto, o ensinamento budista é que seres renascidos não são completamente distintos nem completamente iguais a seus antecessores.

Essa noção contrasta com o conceito hinduísta de atman, que seria o ser que reencarna, representando a mais elevada centelha divina em cada ser humano. O pensamento budista nega essa ideia. Tanto o budismo quanto o hinduísmo concluem que há continuidade entre vidas. No entanto, suas doutrinas sobre o que continua de uma vida para outra divergem: no hinduísmo, há um "eu" transcendente (atman); no outro, há apenas tendências e processos mentais que renascem.

Referências


  1. Darmapada: a doutrina budista em versos. Tradução de Fernando Cacciatore de Garcia. Porto Alegre, RS. L&PM Editores. 2010. p. 23.

Ver também


Ligações externas











Categorias: Conceitos filosóficos budistas




Data da informação: 16.12.2020 06:53:23 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.