Batalha de Demétrias - pt.LinkFang.org

Batalha de Demétrias


Batalha de Demétrias
Guerras bizantino-latinas

Mapa do Império Bizantino e dos Estados vizinhos em 1265.
Data 1272/1273 ou 1274/1275
Local Demétrias (moderna Vólos, Grécia)
Desfecho Vitória bizantina
Beligerantes
Império Bizantino Barões latinos do Negroponte e Creta
Comandantes
Aleixo Ducas Filantropeno
João Paleólogo
Filipe Sanudo
Guilherme II de Verona
Forças
50-80 navios 30-62 navios
Baixas
Pesadas Muito pesadas

A Batalha de Demétrias foi uma batalha naval em Demétrias na Grécia no começo da década de 1270 entre uma frota bizantina e as forças reunidas dos barões latinos da Eubeia (Negroponte) e Creta. A batalha foi acirrada, e inicialmente em favor dos latinos, mas a chegada oportuna de reforços bizantinos alterou o quadro, resultado em uma esmagadora vitória bizantina.

Índice

Antecedentes


No recalco da Quarta Cruzada e a dissolução do Império Bizantino em 1204, o mar Egeu, uma vez o coração da marinha bizantina, foi dominado por uma mistura de principados latinos, protegidos pela força naval da República de Veneza. Seguindo a recaptura de Constantinopla e a restauração do Império Bizantino em 1261, um das principais prioridades do imperador Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1282) foi a defesa de sua capital de um ataque veneziano. Consequentemente, ele buscou uma aliança com a principal antagonista de Veneza, a República de Gênova, enquanto ele começou a construir sua própria marinha.[1]

Com a ajuda de sua frota recém construída, em 1263 Paleólogo enviou uma expedição na Moreia, contra o Principado de Acaia. À beira da vitória, as forças terrestres bizantinas foram surpreendidas e derrotadas, enquanto uma frota bizantino-genovesa foi severamente derrotada por uma frota veneziana numericamente inferior na Batalha de Settepozzi.[2][3] Isso levou ao abandono da aliança genovesa com Miguel, que iniciou uma aproximação com Veneza, levando a um tratado em 1267.[4] Com a neutralização de Veneza, a principal ameaça aos interesses imperiais no egeu eram os corsários lombardos baseados em Negroponte. A ilha foi repetidamente atacada pela frota bizantina sob Aleixo Ducas Filantropeno, mas ganhos permanentes não foram alcançados. Apenas de 1273, com a ajuda do renegado latino Licário, as forças bizantinas fizeram avanços, capturando um números de fortalezas na ilha.[5][6]

No começo da década de 1270 (a data exata é incerta, mas recentes estudiosos especulam 1272/1273 ou 1274/1275),[a] Miguel VIII Paleólogo lançou uma campanha principal contra João I Ducas, governante da Tessália. Era para ser dirigida por seu próprio irmão, o déspota João Paleólogo. Para evitar qualquer ajuda que pudesse vir dos principados latinos, ele também enviou uma frota de 73 navios, liderada por Filantropeno, para perseguir suas costas.[7] O exército bizantino, contudo, foi derrotado na Batalha de Neopatras com a ajuda das tropas do Ducado de Atenas. Com esta notícia, os senhores latinos tomaram coragem, e resolveram atacar a marinha bizantina que estava ancorada no porto de Demétrias.[8][6]

Batalha


Os números das frotas opostas são incertos. Para os bizantinos, Nicéforo Gregoras escreve "mais de 50" navios, enquanto o italiano Marino Sanudo menciona 80 navios imperiais. A frota conjunta latina, composta de navios lombardos e venezianos do Negroponte e Creta, é variadamente dada como 30 (Gregoras) para 62 (Sanudo). De qualquer forma, todas as fontes confirmam que a frota latina era numericamente inferior em cerca de um terço.[9] De acordo com sua trégua com os bizantinos, os venezianos do Negroponte se mantiveram numa posição oficialmente neutra, embora alguns deles juntaram-se a frota latina como individuais.[10]

A frota latina pegou os bizantinos de surpresa, e o ataque inicial deles foi tão violento que eles fizerem bom progresso. Seus navios, em que torres de madeira haviam sido erguidas e com a vantagem tática, muitos marinheiros e soldados bizantinos foram mortos ou afogados.[8] Apenas quando a vitória parecia alcançar os latinos, no entanto, reforços chegaram liderados pelo déspota João Paleólogo. Enquanto se afastava de Neopatras, o déspota estudou a batalha iminente. Reunindo quais queres homens que poderia, ele navegou em uma noite 40 milhas e chegou em Demétrias quando a frota bizantina estava começando a vacilar.[10]

Sua chegada aumentou o moral dos bizantinos, e os homens de Paleólogo, transportados a bordo dos navios por pequenos barcos, começaram a repor as vítimas e viraram a maré. A batalha continuou o dia todo, mas ao cair da noite, todos os navios latinos haviam sido capturados. As vítimas latinas foram altas, e incluíram o triarca de Negroponte Guilherme II de Verona. Muitos outros nobres foram capturados, incluindo o veneziano Filipe Sanudo, que foi provavelmente o comandante geral da frota.[10]

Resultado


A vitória de Demétrias fez percorrer um longo caminho para mitigar o desastre de Neopatras para os bizantinos.Também marcou o começo de uma sustentada ofensiva através do Egeu: por 1278, Licário tinha dominado toda a Eubeia, exceto sua capital Cálcis, e por 1280, como mega-duque da marinha bizantina, ele tinha retomado a maior parte das ilhas egeias para o império. Suas conquistas, no entanto, não iriam durar muito depois de seu desaparecimento da história em ca. 1280. Na Eubeia, o principal ganho e feudo pessoal de Licário, os fortes bizantinos foram retomados pelos lombardos gradualmente, até eles serem inteiramente recuperados por 1296.[11][12][13]

Notas


[a] ^ A data da Batalha de Neopatras e, portanto, também da subsequente Batalha de Demétrias, é disputada entre os estudiosos. Historiadores mais antigos seguiram o estudioso jesuíta do século XVII Pierre Poussines, que colocou o evento em 1271.[14] A. Failler re-datou os eventos para 1272/1273,[15] uma data também adotada por outros autores como Alice-Mary Talbot no Oxford Dictionary of Byzantium.[16] Deno J. Geanakoplos colocou a campanha na Tessália após o Concílio de Lyon, no final de 1274 ou começo de 1275,[17] e sua datação tem sido adotada por um número de recentes estudiosos como Donald Nicol e John Van Antwerp Fine.[18][19]

Referências


  1. Geanakoplos 1959, p. 125-127.
  2. Geanakoplos 1959, p. 153–154; 158–159.
  3. Nicol 1993, p. 47.
  4. Geanakoplos 1959, p. 154, 161–164, 214–215.
  5. Geanakoplos 1959, p. 235–237.
  6. a b Fine 1994, p. 190.
  7. Geanakoplos 1959, p. 282.
  8. a b Geanakoplos 1959, p. 283-284.
  9. Geanakoplos 1959, p. 283.
  10. a b c Geanakoplos 1959, p. 284.
  11. Geanakoplos 1959, p. 284–285, 295–298.
  12. Fine 1994, p. 190–191, 243–244.
  13. Nicol 1993, p. 59-60.
  14. Setton 1976, p. 423.
  15. Failler 1981, p. 189-192.
  16. Kazhdan 1991, p. 1044.
  17. Geanakoplos 1959, p. 279; 282.
  18. Fine 1994, p. 188.
  19. Setton 2006, p. 257.

Bibliografia


  • Failler, A. (1981). Chronologie et composition dans l'Histoire de Georges Pachymérès. [S.l.: s.n.] 
  • Fine, John Van Antwerp (1994). The Late Medieval Balkans: A Critical Survey from the Late Twelfth Century to the Ottoman Conquest. [S.l.]: Michigan University Press. ISBN 0-472-08260-4 
  • Geanakoplos, Deno John (1959). Emperor Michael Palaeologus and the West, 1258–1282: A Study in Byzantine-Latin Relations. Cambridge: Harvard University Press 
  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8 
  • Nicol, Donald MacGillivray (1993). The Last Centuries of Byzantium, 1261–1453. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-43991-4 
  • Setton, Kenneth Meyer (1976). The Papacy and the Levant, 1204–1571: Volume I. The Thirteenth and Fourteenth Centuries. [S.l.]: The American Philosophical Society. ISBN 0-87169-114-0 
  • Setton, Kenneth Meyer; Robert Lee Wolff; Harry W. Hazard (2006). A History of the Crusades, Volume II: The Later Crusades, 1189–1311. [S.l.]: Wisconsin University Press. ISBN 0-299-04844-6 









Categorias: Século XIII no Império Bizantino | Batalhas navais envolvendo o Império Bizantino | Batalhas das guerras bizantino-latinas | Batalhas do século XIII | Mar Egeu na Idade Média | Conflitos em 1272 | Conflitos em 1273 | Conflitos em 1274 | Conflitos em 1275




Data da informação: 17.12.2020 10:17:48 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.