Coreia do Norte - pt.LinkFang.org

Coreia do Norte


(Redirecionado de Coréia_do_Norte)



조선민주주의인민공화국
(Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk)[1]

República Popular Democrática da Coreia
Bandeira Emblema
Lema: 강성대국
(transliteração: "Gangseongdaegug")
("Poderosa e próspera nação")
Hino nacional: 애국가
(transliteração: Aegukka)
("A Canção Patriótica")
Gentílico: norte-coreano


Localização da Coreia do Norte (em verde escuro) no globo mundial
Capital Pyongyang
Cidade mais populosa Pyongyang
Língua oficial Coreano
Governo República popular totalitária socialista (juche)
 - Chefe de Estado Kim Jong-un2
 - Presidente da Suprema Assembleia Popular Choe Ryong-hae
 - Premier Kim Jae-ryong
Independência do Japão 
 - Declarada (dia V-J) 15 de agosto de 1945 
 - Reconhecida 9 de setembro de 1945 
Área  
 - Total 120.540 km² (96.º)
 - Água (%) 0,1
 Fronteira Coreia do Sul
China
Rússia
População  
 - Estimativa para 2016 25 368 620[2] hab. (48.º)
 - Densidade 198,3 hab./km² (41.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 40 bilhões*[3] 
 - Per capita US$ 1 800[3] 
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 12,4 bilhões*[3] 
 - Per capita US$ 506[3] 
IDH (2014) 0,564  – médio [4]
Gini (2008) 0,31
Moeda Won norte-coreano (KPW)
Fuso horário (UTC+9:00[5])
Clima Dwa (Köppen)
Cód. Internet .kp
Cód. telef. +850


1 Falecido em 1994, foi nomeado Presidente Eterno em 1998.
2 Kim Jong-un acumula quatro cargos: Primeiro-Secretário do Partido dos Trabalhadores, Presidente da Comissão de Defesa Nacional, Comandante Supremo do Exército Popular da Coreia, e Presidente da Comissão Central Militar; governa sob o título de Líder Supremo.
3 Kim Yong-nam é o "chefe de Estado de assuntos externos".

Coreia do Norte, oficialmente República Popular Democrática da Coreia (hangul: 조선민주주의인민공화국; hanja: 朝鮮民主主義人民共和國; transl. Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk), é um país no leste da Ásia que constitui a parte norte da península coreana, com Pyongyang como capital e maior cidade do país. Ao norte e noroeste, o país é limitado pela China e pela Rússia ao longo dos rios Amnok (conhecido como o Yalu em chinês) e Tumen;[6] é limitado ao sul pela Coreia do Sul, através da Zona Desmilitarizada Coreana (ZDC), que separa os dois países. No entanto, o Norte, como o seu homólogo do Sul, afirma ser o governo legítimo de toda a península coreana e de suas ilhas adjacentes.[7] Tanto a Coreia do Norte quanto a Coreia do Sul se tornaram membros das Nações Unidas em 1991.[8]

Em 1910, a Coreia foi anexada pelo Império do Japão. Em 1945, após a rendição japonesa no final da Segunda Guerra Mundial, a Coreia foi dividida em duas zonas, com o norte ocupado pela União Soviética e o sul ocupado pelos Estados Unidos. Negociações sobre a reunificação fracassaram e, em 1948, governos separados foram formados: a socialista República Popular Democrática da Coreia, no norte, e a capitalista República da Coreia, no sul. Uma invasão iniciada pelo Norte levou à Guerra da Coreia (1950-1953). O Acordo de Armistício Coreano provocou um cessar-fogo, mas nenhum tratado de paz jamais foi assinado.[9]

A Coreia do Norte oficialmente se descreve como um Estado socialista autossuficiente e formalmente realiza eleições.[10] Vários analistas, no entanto, classificam o governo do país como uma ditadura stalinista totalitária,[11][12][13] particularmente por conta do intenso culto de personalidade em torno de Kim Il-sung e sua família. O Partido dos Trabalhadores da Coreia (PTC), liderado por um membro da família governante,[14] detém o poder e lidera a Frente Democrática para a Reunificação da Pátria, da qual todos os oficiais políticos são obrigados a ser membros.[15] Juche, a ideologia de autossuficiência nacional, foi introduzida na constituição em 1972. Os meios de produção são de propriedade do Estado através de empresas estatais e fazendas coletivizadas. A maioria dos serviços, como saúde, educação, habitação e produção de alimentos, também é subsidiada ou financiada pelo Estado. O país segue a política Songun, ou "militares em primeiro lugar",[16] com um total de 9.495.000 de pessoas entre soldados ativos, na reserva e paramilitares. Seu exército ativo, de 1,21 milhão de homens, é o quarto maior do mundo, depois da China, dos Estados Unidos e da Índia.[17] O país também possui armas nucleares.[18][19]

Várias organizações internacionais avaliam que graves violações de direitos humanos na Coreia do Norte são comuns e tão severas que não têm paralelo no mundo contemporâneo.[20][21][22] De 1994 a 1998, a Coreia do Norte sofreu uma crise de fome que resultou na morte de milhares de pessoas (entre 240.000 e 420.000 norte-coreanos), sendo que a população continua a sofrer de desnutrição. O governo norte-coreano nega veementemente a maioria das alegações, acusando organizações internacionais de fabricar abusos de direitos humanos como parte de uma campanha difamatória com a intenção secreta de derrubar o regime, embora admitam que há questões de direitos humanos relacionadas às condições de vida que o governo está tentando corrigir.[23][24][25][26]

Índice

Etimologia


O nome Coreia deriva de Goryeo (também escrito Koryŏ). O nome Goryeo foi usado pela primeira vez pelo antigo reino de Goguryeo (Koguryŏ), que foi uma das grandes potências do leste asiático durante seu período de existência,[27][28][29] governando a maior parte da Península Coreana, Manchúria, partes do Extremo Oriente Russo[30] e da Mongólia Interior,[31] sob a liderança de Gwanggaeto, O Grande.[32] No século X, o reino de Goryeo sucedeu o de Goguryeo, e assim herdou seu nome,[33] que foi pronunciado por comerciantes visitantes da Pérsia como "Coreia".[34] A grafia moderna da Coreia surgiu pela primeira vez no final do século XVII nos escritos de viagem de Hendrick Hamel, da Companhia Holandesa das Índias Orientais.[35]

Após a divisão do país em Coreia do Norte e do Coreia do Sul, os dois lados usaram termos diferentes para se referir à Coreia: Chosun ou Joseon (조선) no Norte, e Hanguk (한국) no Sul.[36][37] Em 1948, a Coreia do Norte adotou como nome oficial República Popular Democrática da Coreia (DPRK; em coreano: 조선민주주의인민공화국, Chosŏn Minjujuŭi Inmin Konghwaguk; ouça).[38] Em todo o mundo, como o governo controla a parte norte da península, o país geralmente é chamado de Coreia do Norte para distingui-lo da Coreia do Sul, que é oficialmente denominada República da Coreia. Ambos os governos se consideram o governo legítimo de toda a Coreia.[39][40] Por este motivo, a população não gosta que estrangeiros chamem o país de Coreia do Norte, preferindo seu nome oficial, pois este representaria o controle "verdadeiro e legítimo" das lideranças do país sobre a Coreia.[41]

História


Antes da divisão

Artefatos da era do Paleolítico que foram descobertos indicam que a ocupação de humanos na Península Corena começou há cerca de meio milhão de anos.[42] De acordo com o relato mítico, o reino de Gojoseon, o primeiro Estado coreano, foi fundado no norte da Coreia e no sul da Manchúria em 2333 a.C..[43] Gojoseon tinha Pyongyang como sua capital e a data de sua fundação (3 de outubro) é comemorada na Coreia do Norte como o Dia da Fundação Nacional. Em 108 d.C., após invasão dos chineses, o reino de Gojoseon foi dividido em quatro territórios. Os povos trocaram um amplo intercâmbio cultural, fazendo com que a cultura chinesa influenciasse fortemente os coreanos.[44]

O domínio direto dos chineses se tornou enfraquecido e a península foi eventualmente dividida em três reinos, Baekje, Silla e Koguryo, um período conhecido como Três Reinos da Coreia.[45] Os reinos viveram em constante conflito entre si até 676, quando Silla unificou com sucesso a maior parte do território coreano, com exceção do reino de Balhae.[46][47] O Reino de Silla, governado por uma monarquia absoluta,[48] era próspero,[49] e sua capital Seorabeol (atualmente Gyeongju, na Coreia do Sul) era a quarta maior cidade do mundo na época, além de influente centro asiático.[50]

Em 918, o general Wang Geon fundou o reino de Goryeo, substituindo a dinastia Silla.[51] O período Goryeo foi a "era de ouro do budismo" na Coreia, sendo sua religião nacional e um importante ponto de unificação.[52] O comércio prosperou,[53] com comerciantes vindos do Oriente Médio,[54] e sua principal capital Kaesong (hoje parte da Coreia do Norte) era um centro de comércio e indústria.[55] Foi ainda um período de grandes conquistas na arte e cultura coreana, como por exemplo a Tripitaca Coreana.[56] Goryeo sofreu constantes invasões e ocupações pelo Império Mongol e,[57] em 1392, uma rebelião iniciada pelo general Yi Seong-gye culminou com o fim da dinastia, que foi substituída pela dinastia Joseon.[58]

Joseon foi a última dinastia da Coreia, governando até 1897.[59] O regime adotou o neoconfucionismo como a ideologia de Estado e o budismo foi desencorajado, com seus seguidores ocasionalmente enfrentando perseguições.[60][61] Durante o final do século XVI e início do XVII, a dinastia foi severamente enfraquecida por invasões dos vizinhos Japão e Qing, levando a uma política cada vez mais dura de isolamento, pela qual o país se tornou conhecido como o "Reino eremita".[62][63][64] No final do século XIX, conflitos internos e pressão internacional levaram à queda de Joseon, que deu lugar ao Império Coreano. Naquele momento, era uma das sociedades mais antigas e etnicamente e culturalmente homogêneas. O império adotou reformas que "abriram suas portas", o que contudo não foi capaz de impedir que o Japão o anexasse em 1910, tornando-se uma colônia japonesa.[65][66]

O Império Coreano permaneceu sob o domínio japonês até o final da Segunda Guerra Mundial em 1945. A maioria da população era composta por camponeses voltados para a agricultura de subsistência.[67] O Japão desenvolveu minas, represas hidroelétricas, siderúrgicas e fábricas no norte da Coreia e na vizinha Manchúria.[68] A classe trabalhadora industrial expandiu-se rapidamente e muitos foram trabalhar na Manchúria.[69] Consequentemente, 65% da indústria pesada estava localizada no norte, mas, devido ao seu terreno acidentado, apenas 37% de sua agricultura.[70] Um movimento de guerrilha surgiu no interior montanhoso e na Manchúria, assediando as autoridades imperiais japonesas. Um dos líderes de guerrilha mais proeminentes foi o comunista Kim Il-sung.[71]

No decorrer da guerra, o Japão recorreu aos recursos da Coreia, alistando à força cerca de 725 mil coreanos, que atuaram tanto como mão de obra no Japão como em seus territórios ocupados.[72] Ao final da guerra, aproximadamente um terço da força de trabalho industrial do Japão era formada por coreanos. Com as condições de trabalho próximas à escravidão,[73] aproximadamente 400 mil dos 5,4 milhões de trabalhadores coreanos morreram. Também houve o envio de 670 mil coreanos para o Japão, e cerca de 60 mil deles morreram.[74] Nos bombardeamentos atômicos, perpetrados pelos Estados Unidos em Hiroshima e Nagasaki, entre 40 e 50 mil coreanos foram instantaneamente mortos.[75][76] Outras milhares serviram como "Mulheres de conforto", sendo forçadas à prostituição e à escravidão sexual nos bordéis militares japoneses.[77]

Depois da divisão

Ver artigo principal: História da Coreia do Norte

Divisão e Guerra da Coreia

Após a rendição do Japão em 1945, o domínio japonês sobre a Coreia chegou ao fim. As negociações para uma reunificação da Coreia fracassaram e a península foi dividida em duas regiões seguindo o paralelo 38 N, com a metade norte sendo ocupada pela União Soviética e a metade sul pelos Estados Unidos.[78][79] As Nações Unidas propuseram a realização de eleições, mas os soldados soviéticos impediram a entrada de observadores eleitorais.[80][81] A Coreia do Sul realizou suas próprias eleições e em seguida foi reconhecida pela ONU como o "único governo legal na Coreia".[82] No Norte, os soviéticos governaram interinamente a região e posteriormente ajudaram Kim Il-sung a se estabelecer como o líder;[83][84] a República Popular Democrática da Coreia foi proclamada em 9 de setembro de 1948.[85]

Com a divisão, ambos os países tentaram controlar toda a península sob seus respectivos governos, o que levou a uma escalada de conflitos na fronteira.[86][87] As forças soviéticas se retiraram do norte em 1948, e a maioria das forças norte-americanas estacionadas no sul fizeram o mesmo em 1949.[88] Os soviéticos e norte-coreanos suspeitavam que os sulistas planejavam invadir a Coreia do Norte, e o embaixador soviético Terentii Shtykov, simpático à ideia de Kim de reunificar a Coreia sob um governo comunista, conseguiu convencer Joseph Stalin a apoiar uma rápida guerra contra a Coreia do Sul.[89][90][91] Em 25 de junho de 1950, os militares norte-coreanos invadiram o Sul, dando início à Guerra da Coreia.[92]

A Coreia do Norte rapidamente dominou a maior parte do sul, controlando 95% da península em agosto de 1945,[93] mas uma força das Nações Unidas, liderada pelos norte-americanos, interveio para defender o sul e conseguiu avançar para o norte.[94] A União Soviética e a China decidiram apoiar a Coreia do Norte, enviando efetivos militares e provisões para as tropas. Em julho de 1953, um armistício foi firmado e a península divida ao longo da Zona Desmilitarizada da Coreia, muito próxima à linha da demarcação original.[95] Nenhum tratado de paz foi firmado, e tecnicamente os dois países continuaram em guerra.[96] Estimou-se que aproximadamente 3 milhões de civis morreram, com a Coreia do Norte sendo o país mais devastado: entre 12-15% de sua população (na época c. de 10 milhões) morreu e quase todos os seus edifícios importantes foram destruídos.[97][98] Uma zona desmilitarizada (DMZ) fortemente protegida ainda divide a península, e um sentimento anticomunista e anti-Coreia do Norte permanece na Coreia do Sul. Os Estados Unidos mantêm uma forte presença militar no sul, representada pelo governo norte-coreano como uma força de ocupação imperialista.[99]

Pós-guerra

No pós-guerra, a relativa paz entre as Coreias foi interrompida por conflitos na fronteira, sequestros e tentativas de assassinato. A Coreia do Norte não obteve êxito em suas tentativas de assassinar os presidentes sul-coreanos, como no ataque à Casa Azul em 1968 e no atentado de Rangum em 1983.[100][101] Por quase duas décadas, os dois Estados não buscaram negociar entre si. Na década de 1970, comunicações secretas começaram a ser trocadas, culminando em uma declaração conjunta em 1972 que estabeleceu princípios de trabalho em prol de uma reunificação pacífica.[102] As negociações fracassaram em 1973 pois a Coreia do Sul declarou sua preferência de que os dois países deveriam apresentar candidaturas separadas para organizações internacionais.[103]

Internamente, Kim estabeleceu um Estado comunista com uma economia planificada por um regime totalitário.[104][105] Kim foi responsável por violações generalizadas de direitos humanos, punindo dissidentes através de execuções públicas e desaparecimentos forçados.[106] Em 1956, conseguiu impedir que a União Soviética e a China o depusessem em favor de um governo mais moderado.[107] Os norte-coreanos permanecerem estreitamente alinhados com a China e a URSS, e a ruptura sino-soviética permitiu que Kim jogasse com as potências.[108] Também tentou ganhar influência no Movimento Não Alinhado[109] e, buscando se diferenciar da URSS e da China, desenvolveu a ideologia Juche, que se concentrou no nacionalismo coreano, autodeterminação e aplicação dos ideais marxistas-leninistas no contexto norte-coreano.[110][111]

A recuperação da guerra foi rápida — em 1957, a produção industrial atingiu os níveis de 1949, pré-conflito. Em 1959, as relações com o Japão haviam melhorado um pouco e a Coreia do Norte começou a permitir a repatriação de cidadãos japoneses no país. No mesmo ano, a Coreia do Norte reavaliou o Won norte-coreano, que detinha um valor maior do que o seu homólogo sul-coreano. Até a década de 1960, o crescimento econômico era superior ao da Coreia do Sul, e o PIB per capita da Coreia do Norte era igual ao de seu vizinho do sul em 1976.[112] No entanto, na década de 1980 a economia começou a estagnar; em 1987 a economia iniciou seu longo declínio e quase entrou em colapso após a dissolução da União Soviética em 1991, quando a ajuda financeira soviética foi subitamente interrompida.[113]

Em 1992, a saúde de Kim Il-sung começou a se deteriorar e seu filho Kim Jong-il passou lentamente a assumir várias funções governamentais. Kim Il-sung morreu de ataque cardíaco em 1994 e Kim Jong-il se tornou o líder supremo;[114][115] o país é a única dinastia comunista do mundo.[116] Kim Jong-il instituiu a política Songun para priorizar os esforços destinados a área militar em detrimento de todas as outras.[117] Ainda em 1994 os norte-coreanos se comprometeram a interromper o desenvolvimento de armas nucleares em acordo negociado pelo presidente norte-americano Bill Clinton.[118] Em meados da década de 1990, as enchentes exacerbaram a crise econômica, danificando severamente as plantações e a infraestrutura e levando à fome generalizada que o governo se mostrou incapaz de reduzir, resultando na morte de 250.000 a 3 milhões de pessoas.[119][120] O governo acabou aceitando a ajuda alimentar da ONU e de outros países, incluindo os EUA.[121][122] No final do século, a Coreia do Sul adotou a Política do Sol e as duas nações começaram a se aproximar publicamente.[123]

Século XXI

O ambiente internacional mudou com a eleição de George W. Bush como presidente dos EUA em 2000. Rejeitando a Política do Sol e o acordo mediado por Clinton, seu governo tratou a Coreia do Norte como um Estado vilão e classificou seu regime como parte de um "eixo do mal" e um "posto avançado da tirania".[124][125] De modo a evitar que tivesse o mesmo fim que o do Iraque, o regime redobrou seus esforços para adquirir armas nucleares.[126][127][128] Em 2006, os norte-coreanos realizaram seu primeiro teste nuclear;[129] em resposta, o Conselho de Segurança da ONU adotou de forma unânime uma resolução que impôs uma série de sanções comerciais e econômicas contra o país.[130]

Em 2007, a Coreia do Norte chegou a um acordo com outros países para encerrar suas atividades nucleares, obtendo em troca ajuda econômica e energética.[131] Porém, o governo fez o segundo teste nuclear em 2009.[132] Em 2010, as tensões entre as Coreias aumentaram após o Naufrágio do Cheonan, causado, de acordo com acusação da Coreia do Sul, pelos norte-coreanos.[133][134] Em 2013, a inteligência norte-americana reportou, com "confiança moderada", que a Coreia do Norte poderia ter alcançado tecnologia suficiente para armar mísseis com ogivas nucleares.[135]

Kim Jong-il faleceu em 2011 e seu filho Kim Jong-Un assumiu o cargo de líder supremo.[136][137] Apesar da condenação internacional, Kim Jong-Un continuou o desenvolvimento do arsenal nuclear, possivelmente incluindo uma bomba de hidrogênio e um míssil capaz de atingir os EUA.[138] Também empreendeu uma campanha contra dissidentes, recorrendo a execuções — inclusive do próprio tio Jang Song-thaek.[139] Em 2014, um relatório endossado pela Assembleia Geral da ONU acusou o governo de cometer crimes contra a humanidade.[140] Ao longo de 2017, após o início do governo de Donald Trump nos EUA, as tensões aumentaram e houve uma retórica maior entre os dois países.[141] A hostilidade diminuiu substancialmente em 2018, dando lugar a uma détente,[142] e cúpulas históricas ocorreram entre Kim Jong-un, o presidente sul-coreano Moon Jae-in e Trump, mas as nações não chegaram a um acordo.[143][144]

Geografia


Ver artigo principal: Geografia da Coreia do Norte

A Coreia do Norte ocupa a porção norte da Península Coreana, situado entre as latitudes 37° e 43°N e as longitudes 124° e 130°E.[145] O país abrange uma área de 120 540 quilômetros quadrados (km²), sendo 130 km² de água.[146] Ao norte, faz fronteira com a China e a Rússia ao longo dos rios Yalu e Tumen e, a sul, com a Coreia do Sul ao longo da Zona Desmilitarizada da Coreia.[147][148] A oeste, há o Mar Amarelo e, a leste, é banhada pelo Mar do Japão.[149] Sua fronteira terrestre mais extensa é com a China (1352 km), seguida por Coreia do Sul (237 km) e Rússia (18 km).[150]

Cerca de 80% do território é composto por montanhas e planaltos, separados por vales profundos e estreitos.[151] A grande maioria da população vive em planaltos e planícies;[151] na maior parte, as planícies são pequenas. As mais extensas são as de Pyongyang e Chaeryong, cada uma cobrindo uma área de cerca de 200 mi.[152] Todas as montanhas da península com elevações de 2 000 metros ou mais estão localizadas na Coreia do Norte.[151] O ponto mais alto é a Montanha Baekdu, uma montanha vulcânica com uma altitude de 2 744 metros acima do nível do mar.[153]

O rio mais longo é o Yalu, chamado de Amnok em coreano. O Yalu possui 790,1 kms de comprimento, dos quais 675,9 km são navegáveis. O Tumen é o segundo maior rio, com 521,4 kms de comprimento.[154] Os lagos tendem a ser pequenos devido à falta de atividade glacial e à estabilidade da crosta terrestre na região. Ademais, ao contrário de seus vizinhos China e Japão, a Coreia do Norte experiencia poucos terremotos severos.[151]

Topografia e clima

Alguns europeus que visitaram recentemente a Coreia do Norte observaram que o país parecia "um mar em uma tempestade pesada" por causa das muitas serras sucessivas que cruzam a península.[155] Cerca de 80% da Coreia do Norte é composta por montanhas e planaltos, separados por vales profundos e estreitos, com todas as montanhas da península com elevações superiores a 2 000 m. As planícies costeiras são largas no oeste e descontínuas no leste. A grande maioria da população vive em planaltos ou planícies.

O ponto mais elevado da Coreia do Norte é a Montanha Baekdu, uma montanha vulcânica próxima à fronteira com a China, um planalto de lava basáltica de elevações entre 1 400 e 2 000 metros acima do nível do mar.[155] A Serra Hamgyong, localizada no extremo nordeste da península, possui muitos picos altos, incluindo Gwanmosan com aproximadamente 1 756 m (5 761 pés). Outras serras maiores incluem as Montanhas Rangrim, localizadas na parte centro-norte da Coreia do Norte, que percorrem uma direção norte-sul, fazendo comunicação entre as partes leste e oeste do país; e a Serra Kangnam, que faz seu curso ao longo da fronteira China-Coreia do Norte. Geumgangsan, frequentemente escrita Mt Kumgang, ou Montanha Diamantina, (aproximadamente 1 638 m) nos montes Taebaek, se estende pela Coreia do Sul, é famosa pela sua beleza cênica.[155]

Na maior parte, as planícies são pequenas. As mais extensas são as planícies de Pyongyang e Chaeryong, cada uma cobrindo uma área de cerca de 500 km². Pelo motivo de as montanhas da costa oeste se desgastarem abruptamente em direção ao mar, as planícies são menores no leste do que na parte oeste. Ao contrário do vizinho Japão ou o norte da RPChina, a Coreia do Norte tem pouca experiência com graves terremotos.

A Coreia do Norte possui um clima continental com quatro estações bem distintas.[156] Longos invernos trazem uma temperatura baixa e condições meteorológicas claras intercaladas entre tempestades de neve como resultado dos invernos do norte e noroeste, soprados da Sibéria. A nevasca média é de 37 dias durante o inverno. É provável que o tempo seja particularmente rigoroso ao norte, onde há regiões montanhosas. O verão tende a ser curto, quente, úmido e chuvoso por causa das monções de inverso do sul e sudeste que trazem ar úmido do Oceano Pacífico. Tufões afetam a península em uma média de pelo menos uma vez a cada verão.[156] Primavera e outono são estações transicionais marcadas por temperaturas amenas e trazem um clima mais agradável. Os perigos naturais incluem secas ao final da primavera, muitas vezes seguidas por graves inundações.

Demografia


Ver artigo principal: Demografia da Coreia do Norte

A população da Coreia do Norte, de cerca de 25 milhões de habitantes, é uma das populações mais homogêneas étnica e linguisticamente do mundo, com um número muito pequeno de chineses, japoneses, vietnamitas, sul-coreanos, e uma minoria de europeus expatriados.

De acordo com o CIA World Factbook, a expectativa de vida da Coreia do Norte era de 63,8 anos em 2009, um valor quase equivalente ao do Paquistão e Myanmar e pouco menor que a da Rússia.[157] A mortalidade infantil situa-se em um nível elevado, de 51,34, a qual é 2,5 vezes maior do que a da República Popular da China, 5 vezes a da Rússia e 12 vezes a da Coreia do Sul.[158] De acordo com a lista "The State of the world's Children 2003" da UNICEF, a Coreia do Norte aparece na 73ª posição (com o primeiro lugar tendo o maior nível de mortalidade), entre a Guatemala (72ª) e Tuvalu (74º).[158][159] A taxa de fecundidade da Coreia do Norte é relativamente baixa e situa-se em 1,96 em 2009, comparável à dos Estados Unidos e da França.[160]

Idioma

Ver artigo principal: Língua coreana

O idioma oficial do país e o mais falado pelos norte-coreanos é o coreano, cuja classificação ainda é objeto de debate; alguns autores afirmam que ela pertence à família altaica, enquanto outros afirmam que é uma língua isolada.[161] O coreano tem o seu próprio alfabeto, o hangul, que foi inventado ao redor do século XV.[162] Ainda que por seu aspecto pareça ser um alfabeto pictográfico, na realidade é um alfabeto organizado em blocos silábicos. Cada um destes blocos consiste em pelo menos dois dos 24 caracteres (jamo): pelo menos uma das quatorze consoantes e uma das dez vogais. Os alfabetos hanja (chinês) e o latino são usados dentro de alguns textos em coreano, uma prática mais usual no sul do que no norte.[163]

Ainda que também seja o idioma nacional da vizinha Coreia do Sul, o coreano falado na Coreia do Norte difere dos falado pelos sul-coreanos em alguns aspectos como a pronúncia, a ortografia, a gramática e o vocabulário.[164]

Religião

Ambas as Coreias compartilham uma herança budista e confucionista e uma recente aparição do movimento cristão. A constituição da Coreia do Norte declara que a liberdade de religião é permitida.[165] De acordo com os padrões de religião,[166] a maioria da população norte-coreana pode ser caracterizada como irreligiosa. No entanto, existe ainda uma influência cultural de religiões tradicionais como do budismo e confucionismo na vida espiritual da Coreia do Norte.[167][168][169]

Entretanto, o grupo budista norte-coreano é restritamente controlado pelo estado e, declaradamente, maior que outros grupos religiosos; particularmente os cristãos, que são perseguidos pelas autoridades.[170][171] O governo oferece apoio financiamento aos budistas para promover a religião, pois o budismo desempenha um papel fundamental na cultura tradicional coreana.[172]

De acordo com o Human Rights Watch, atividades de liberdade religiosa não existem mais na Coreia do Norte, enquanto o governo patrocina grupos religiosos apenas para criar uma ilusão de liberdade religiosa.[173] Conforme a Religious Intelligence, a situação norte-coreana é a seguinte:[174] irreligião: 15 460 000 adeptos (64,31% da população, uma vasta maioria dos quais são adeptos à filosofia Juche); xamanismo coreano: 3 846 000 adeptos (16% da população); chondoismo: 3 245 000 adeptos (13,5% da população); budismo: 1 082 000 adeptos (4,5% da população); cristianismo: 406 000 adeptos (1,69% da população).

Pyongyang era o centro da atividade cristã na Coreia antes da Guerra da Coreia. Hoje em dia, existem quatro igrejas sancionadas pelo Estado, na qual os defensores da liberdade religiosa dizem ser "igrejas de fachada", servindo apenas para criar uma falsa imagem da situação.[175][176] Estatísticas oficiais do governo reportam que existem 10 000 protestantes e 4 000 católicos romanos na Coreia do Norte.[177]

De acordo com um ranking publicado pela Missão Portas Abertas, uma organização que apoia cristãos perseguidos, a Coreia do Norte é atualmente (2020) o país com as mais severas perseguições dos cristãos no mundo. [178] Grupos de direitos humanos, como a Anistia Internacional, também se manifestaram sobre perseguições religiosas na Coreia do Norte.[179]

Cidades mais populosas

Governo e política


Ver artigo principal: Política da Coreia do Norte

Ideologia do regime

Ver artigo principal: Juche

A Coreia do Norte se descreve como um Estado Juche (autossuficiente),[181] mas é descrita por alguns analistas como uma monarquia absolutista de facto[182][183][184] ou uma "ditadura hereditária"[185] com um acentuado culto de personalidade organizado em torno de Kim Il-sung (o fundador do país e seu único presidente), seu falecido filho, Kim Jong-il, e seu neto, Kim Jong-un, atual Líder Supremo do país. A Coreia do Norte usa um sistema de governo que também utiliza um sistema de departamentalização dos ministérios. Há também académicos que rejeitam a noção de que a Coreia do Norte seja um Estado socialista que defende o comunismo, ao alegar que a liderança norte-coreana usa o comunismo como uma justificativa para a sua forma de governar.[186][187] Entretanto nas reuniões anuais do partido governamental PTC, é enfatizado pelos diversos oradores incluindo Kim Jong-un a sua ideologia socialista,[188] e a intenção de firmemente defender a sua ideologia, sistema social e todos os outros tesouros socialistas ganhos à custa de sangue.[189]

Pesquisas mais recentes com base em documentos internos do país e que não são parte da propaganda institucional para o público estrangeiro, popularizadas em 2009 por Brian R. Myers e seu livro The Cleanest Race e mais tarde apoiadas por outros acadêmicos,[190][191] caracterizam a ideologia norte-coreana como sendo um nacionalismo racista e fortemente influenciado pela perspectiva racialista do Império do Japão antes do final da Segunda Guerra Mundial.[192][193]

Myers desconsidera a ideia de que a ideologia juche seja a proeminente dentro do país, pelo menos quanto à sua exaltação pública como projetada para enganar estrangeiros.[194] Myers observa que a recente constituição da Coreia do Norte, de 2009, omite qualquer menção ao comunismo,[195] citando somente diversas vezes ser socialista.[196]

Lideranças

Após a morte de Kim Il-sung, em 1994, ele não foi substituído, mas sim recebeu a designação de "Presidente Eterno da República" e foi sepultado no vasto Palácio Kumsusan do Sol, no centro de Pyongyang.[197]

Embora o mandato do presidente seja simbolicamente cumprido pelo falecido Kim Il-sung,[198][199][200] o Líder Supremo até sua morte em dezembro de 2011 foi Kim Jong-il, que foi secretário-geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia e Presidente da Comissão de Defesa Nacional da Coreia do Norte. A legislatura da Coreia do Norte é a Assembleia Popular Suprema, atualmente liderada pelo presidente Kim Yong-nam. A outra figura importante do governo é o primeiro-ministro Choe Yong-rim.

A estrutura do governo é descrita na Constituição da Coreia do Norte, de 2009 e que oficialmente rejeita o comunismo como ideologia fundadora do país. O partido governante por lei é a Frente Democrática para a Reunificação da Pátria, uma coalizão do Partido dos Trabalhadores da Coreia e outros dois partidos menores, o Partido Social Democrático Coreano e o Partido Chongu Chondoista. Estes partidos nomeiam todos os candidatos aos cargos e mantêm todos os assentos na Assembleia Popular Suprema. Eles têm poder insignificante, visto que o líder detém o controle autocrático sobre os assuntos da nação.[201] Em junho de 2009, foi descoberto que o próximo líder do país seria Kim Jong-un, o mais novo dos três filhos de Kim Jong-il.[202] Isto foi confirmado em 19 de dezembro de 2011, após a morte de Kim Jong-il.[203]

Culto à personalidade

O governo norte-coreano exerce controle sobre muitos aspectos da cultura do país e esse controle é usado para perpetuar um culto de personalidade em torno de Kim Il-sung,[204] e, em menor medida, à Kim Jong-il e Kim Jong-un.[205] Enquanto visitou a Coreia do Norte em 1979, o jornalista Bradley Martin notou que quase toda música, arte e escultura que ele observou era para glorificar o "Grande Líder" Kim Il-sung, cujo culto de personalidade foi, então, ampliado a seu filho: o "Líder Querido" Kim Jong- il.[206] Bradley Martin também informou que há ainda a crença generalizada de que Kim Il-sung "criou o mundo" e de que Kim Jong-il poderia "controlar o tempo".[206]

Tais relatos são contestados pelo pesquisador da Coreia do Norte Brian R. Myers: "Poderes divinos nunca foram atribuídos a qualquer um dos dois Kims. Na verdade, o aparelho de propaganda em Pyongyang tem sido geralmente cuidadoso ao não fazer declarações que correm diretamente contra a experiência ou o senso comum dos cidadãos".[207] Ele explica ainda que a propaganda estatal pintava Kim Jong-il como alguém cujo conhecimento estava em assuntos militares e que a fome da década de 1990 foi parcialmente causada por desastres naturais fora do controle de Kim Jong-il.[208]

A música "Não há Pátria-Mãe Sem Você" (당신 이 없으면 조국 도 없다), cantada pelo Coro do Exército norte-coreano, foi criada especialmente para Kim Jong-il e é uma das músicas mais populares do país. Kim Il-sung ainda é oficialmente reverenciado como "Presidente Eterno" da nação. Vários monumentos e símbolos na Coreia do Norte foram nomeados para Kim Il-sung, incluindo a Universidade Kim Il-sung, o Estádio Kim Il-sung e a Praça Kim Il-sung. Desertores têm relatado que as escolas norte-coreanas deificam ambos os líderes, pai e filho.[209] Kim Il-sung rejeitava a noção de que ele tinha criado um culto em torno de si mesmo e acusava aqueles que sugeriam isso de "sectarismo".[206] Após a morte de Kim Il-Sung, os norte-coreanos foram prostrar e chorar para uma estátua de bronze do presidente falecido em um evento organizado; cenas semelhantes foram transmitidas pela televisão estatal depois da morte de Kim Jong-il.[210]

Analistas dizem que este culto à personalidade de Kim Jong-il foi herdado de seu pai, Kim Il-sung. Kim Jong-il foi muitas vezes o centro das atenções durante toda a vida comum na Coreia do Norte. Seu aniversário é um dos feriados públicos mais importantes no país. Em seu aniversário de 60 anos (com base em sua data oficial de nascimento), celebrações em massa ocorreram em todo o país.[211] O culto à personalidade de Kim Jong-il, embora significativo, não foi tão amplo como o do seu pai. Um ponto de vista é que o culto à Kim Jong-il era unicamente por respeito a Kim Il-sung ou por medo de punição por falta de homenagem.[212] A mídia e as fontes governamentais de fora da Coreia do Norte em geral, apoiam esta ponto de vista,[213][214][215][216][217] enquanto fontes do governo norte-coreano dizem que é na verdade uma adoração a um verdadeiro herói.[218]

B.R. Myers também argumenta que o culto à personalidade norte-coreano não é diferente da adoração à Adolf Hitler na Alemanha nazista.[219] Em 11 de junho de 2012 uma estudante norte-coreana de 14 anos de idade se afogou ao tentar salvar os retratos de Kim Il-sung e Kim Jong-il de uma enchente.[220]

Relações exteriores

Há muito tempo, a Coreia do Norte mantém estreitas relações com a República Popular da China e com a Rússia. A queda do comunismo na Europa Oriental em 1989, e a desintegração da União Soviética em 1991, resultaram em uma queda devastadora da ajuda da Rússia à Coreia do Norte, embora a República Popular da China continue a fornecer ajuda substancialmente. O país continua a ter fortes laços com seus aliados socialistas do Sudoeste da Ásia, como o Vietnã, Laos, e Camboja.[221] A Coreia do Norte começou a instalar uma barreira de concreto e arame farpado na sua fronteira ao norte, em reposta ao desejo chinês de reduzir os refugiados que fogem do governo norte-coreano. Anteriormente, a fronteira entre a China e a Coreia do Norte era fracamente patrulhada.[222]

Como resultado do programa de armamento nuclear norte-coreano, o Grupo dos Seis foi estabelecido para procurar uma solução pacífica para o mal-estar crescente entre os governos de ambas Coreias, a Federação Russa, a República Popular da China, o Japão, e os Estados Unidos. Em 17 de julho de 2007, inspetores das Nações Unidas verificaram o encerramento de cinco instalações nucleares norte-coreanas, segundo um acordo feito em fevereiro de 2007.[223] Em 4 de outubro de 2007, o presidente sul-coreano Roh Moo-Hyun e o líder norte-coreano Kim Jong-Il assinaram um acordo de paz, sobre a questão da paz permanente, conversações de alto nível, cooperação econômica, renovações ferroviárias, viagens áreas e rodoviárias, e uma seleção olímpica conjunta.

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul anteriormente designavam o Norte como um Estado patrocinador do terrorismo.[224] Em 1983, uma bomba matou membros do governo da Coreia do Sul e destruiu um avião comercial sul-coreano; estes ataques foram atribuídos à Coreia do Norte.[225] O país também admitiu a responsabilidade pelo sequestro de 13 cidadãos japoneses nas décadas de 1970 e 1980, cinco dos quais retornaram ao Japão em 2002.[226] Em 11 de outubro de 2008, os Estados Unidos removeram a Coreia do Norte de sua lista dos Estados patrocinadores do terrorismo.[227]

A maioria das embaixadas estrangeiras conectadas com laços diplomáticos à Coreia do Norte estão situadas em Pequim, ao invés de Pyongyang.[228]

Forças armadas

Kim Jong-un é o Comandante Supremo das Forças Armadas da Coreia do Norte, denominado oficialmente de Exército Popular da Coreia (kPa), e Presidente da Comissão de Defesa Nacional da Coreia do Norte. As Forças armadas norte-coreanas possuem quatro ramos: Força Terrestre, Força Naval, Força Aérea, e o Departamento de Segurança do Estado. De acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, a Coreia do Norte tem o quinto maior exército do mundo, com uma população de militares estimada em 1,21 milhão, com cerca de 20% dos homens situados na faixa de 17 a 54 anos de idade nas forças armadas regulares.[229] A Coreia do Norte tem a maior porcentagem de pessoas militares per capita da população inteira, com aproximadamente 1 soldado alistado para 25 cidadãos norte-coreanos.[230] A estratégia militar é designada para inserção de agentes e sabotagem atrás de linhas inimigas durante uma guerra,[17] com grande parte das forças da kPa estacionadas ao longo da altamente fortificada Zona Desmilitarizada da Coreia. O Exército Popular da Coreia opera uma grande quantidade de equipamentos, incluindo 4 060 tanques de guerra, 2 500 VBTPs, 17 900 peças de artilharia (incl. morteiros), 11 000 armas aéreas de defesa da Força Terrestre; pelo menos 915 navios da Marinha e 1 748 aviões da Força Aérea,[231] bem como cerca de 10 000 MANPADS e mísseis antitanques.[232] O equipamento é uma mistura de veículos da Segunda Guerra Mundial e pequenas armas, altamente proliferadas da tecnologia da Guerra Fria, e as mais modernas armas soviéticas. De acordo com a mídia oficial norte-coreana, os gastos militares para 2009 são 15,8% do Produto Interno Bruto.[233]

A Coreia do Norte possui programas de armas nucleares e de mísseis balísticos o que motivou o Conselho de Segurança das Nações Unidas a aprovarem as resoluções 1695 de julho de 2006, 1718 de outubro de 2006 e 1874 de junho de 2009, para verificações e precauções com a realização de testes nucleares e de mísseis. O país provavelmente tem material físsil para até 9 armas nucleares,[234] e tem a capacidade de implantar ogivas nucleares em mísseis balísticos de médio alcance.[235]

A Coreia do Norte também vende seus mísseis e equipamentos militares para o exterior. Em abril de 2009 as Nações Unidas chamaram a Corporação de Vendas de Minas da Coreia (aka KOMID) como o negociante primário de armas da Coreia do Norte e principal exportador de equipamentos relacionados a mísseis balísticos e armas convencionais. A ONU também chamou a Ryonbong coreana de ajudante das vendas militares norte-coreanas.

Em 6 de outubro de 2009, a Coreia do Norte anunciou que estava pronta para retomar o seu centro nuclear em Yongbyon, embora o alto-escalão do governo anunciassem que o país ainda mantém em aberto a possibilidade de desarmamento nuclear, porém apenas depois dos Estados Unidos concordarem em conduzir conversas diretas com a Coreia do Norte. A ausência de diálogo com os Estados Unidos foi dita ser o único obstáculo para Pyongyang retomar as reuniões do six-party talks. O governo norte-americano disse que estava preparado para discutir o assunto, mas que havia certas condições a serem cumpridas. Na época, Kim Jong-il disse que como resultado de conversas com a delegação chinesa, as relações hostis entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos devem ser transformadas em laços de paz através de negociações bilaterais.[236] Desde 2006, a Coreia do Norte já realizou cinco experiências nucleares. Todas esses testes foram amplamente repudiados pela comunidade internacional.[237]

Direitos humanos

Mapa dos campos de concentração de prisioneiros políticos (cor vermelha) e de prisioneiros comuns (cor azul) na Coreia do Norte.[238]

Múltiplas organizações internacionais de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional dos Estados Unidos e a Human Rights Watch em idioma inglês, acusam a Coreia do Norte de ter um dos piores registros de direitos humanos de qualquer nação.[239] Os norte-coreanos têm sido referidos como "algumas das pessoas mais brutalizadas do mundo" pela Human Rights Watch, devido às severas restrições às suas liberdades políticas e econômicas.[240] Desertores norte-coreanos, como Lee Soon-ok [241] e Shin Dong-hyuk,[242] testemunharam a existência de campos de concentração com uma estimativa de 150 000 a 200 000 presos (cerca de 0,85% da população), e reportaram torturas, fome, estupros, assassinatos, experimentos médicos desumanos, trabalhos, e abortos forçados.[243] Prisioneiros políticos condenados e suas famílias são enviados para estes campos, onde são proibidos de casar-se, cultivar seu próprio alimento, e é cortada a comunicação externa.[244]

O sistema alterou-se ligeiramente no final dos anos 1990, quando o crescimento vegetativo tornou-se muito baixo. Em muitos casos, onde a pena foi de facto, substituída por punições menos severas. O suborno tornou-se prevalente em todo o país. No entanto, muitos norte-coreanos, agora, ilegalmente, usam vestimentas de origem sul-coreana, ouvem à música deles, assistem suas fitas de vídeo e recebem suas transmissões.[245][246]

Em 18 de novembro de 2014, a ONU condenou as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte, dando um primeiro passo para julgar a Coreia por crimes contra a humanidade.[247] A resolução foi aprovada por 111 votos a favor e 19 contra.[248]

A pena capital é amplamente empregada na Coreia do Norte, inclusive para situações aparentemente corriqueiras, tais como: manifestações religiosas não autorizadas, distribuição de pornografia, manter contato com pessoas de fora do país ou até mesmo assistir a filmes sul-coreanos ou americanos. Muitas das execuções são públicas.[249][250][251]

Reunificação coreana

Ver artigo principal: Reunificação coreana

A política da Coreia do Norte focaliza buscar a reunificação com o Sul, sem que haja uma interferência externa, através de uma estrutura federal que mantenha a liderança de cada lado da península. Ambas Coreias do Norte e Sul assinaram a Declaração Conjunta Norte-Sul de 15 de junho na qual os dois lados fizeram promessas de procurar uma reunificação pacífica.[252] A República Federal Democrática da Coreia é um Estado proposto, mencionado primeiramente pelo presidente norte-coreano Kim Il Sung em 10 de outubro de 1980, propondo uma federação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul na qual os respectivos sistemas políticos inicialmente permaneceriam.[253]

Subdivisões


Ver artigo principal: Subdivisões da Coreia do Norte
Província Capital Território (km²) Habitantes
1 Pyongyang Pyongyang 3 194 3 255 388
2 Região Industrial de Kaesong -- 2 66 -- 2
3 Região Turística de Kumgang-san -- 2 50 -- 2
4 Região Administrativa Especial de Shinuiju -- 2 132 349 500
5 Chagang Kanggye 16 613 1 147 946
6 Pyongan Norte Sinuiju 12 377 2 400 595
7 Pyongan Sul Pyongsong 12 330 -- 2
8 Hwanghae Sul Haeju -- 2 -- 2
9 Hwanghae Norte Sariwŏn 18 970 -- 2
10 Kangwon Wŏnsan -- 2 -- 2
11 Hamgyong Sul Hamhung 18 970 -- 2
12 Hamgyong Norte Chongjin 21 091 1 205 000
13 Ryanggang 1 Hyesan 14 317 -- 2

1 Também grafado como "Yanggang"
2 Dados insuficientes

Economia


Ver artigo principal: Economia da Coreia do Norte

A Coreia do Norte tem uma economia industrializada, autárquica, e altamente centralizada. Dos cinco países socialistas do mundo, a Coreia do Norte é um dos apenas dois (junto a Cuba) com uma economia inteiramente planejada pelo governo, e própria do Estado.

A política de isolação da Coreia do Norte faz com que o comércio internacional seja muito restrito, dificultando um potencial significativo do crescimento da economia. No entanto, devido à sua localização estratégica no Leste da Ásia, conectada às quatro maiores economias da região e tendo uma mão de obra barata e jovem e qualificada, é esperado que a economia da Coreia do Norte cresça de 6 a 7% anualmente "como os certos incentivos e medidas de reforma".[254]

Até 1998, as Nações Unidas publicavam o IDH e o PIB per capita da Coreia do Norte, que se situava em um nível médio de desenvolvimento humano em 0,766 (na 75º posição) e o PIB per capita de US$ 4 058. A média salarial é de cerca de US$ 47 por mês.[255] Apesar dos problemas econômicos, a qualidade de vida está melhorando e os salários estão subindo constantemente.[256] Mercados privados de pequena escala, conhecidos como janmadang, existem em todo o país e fornecem à população comidas importadas e determinados commodities em troca de dinheiro, ajudando então a prevenir a grave fome.[257]

A economia da Coreia do Norte é completamente nacionalizada, o que significa que alimentos, habitação, saúde e educação são oferecidos pelo Estado gratuitamente.[260] A cobrança de impostos foi abolida desde 1º de abril de 1974.[261] A fim de aumentar a produtividade da agricultura e da indústria, desde os anos 1960, o governo norte-coreano introduziu inúmeros sistemas de gestão tais como o sistema de trabalho Taean.[262] No século XXI, o crescimento do PIB norte-coreano foi lento, porém constante, embora nos últimos anos, o crescimento gradualmente acelerou em 3,7% em 2008, o ritmo mais rápido em quase uma década, largamente devido a um forte crescimento de 8,2% no setor de agricultura.[263] Isto veio como uma surpresa, dado que a maioria das economias reportaram um crescimento menor, devido à crise global financeira de 2008–2009.

Com base em estimativas de 2002, o setor dominante da economia norte-coreana é a indústria (43,1%), seguida pela prestação de serviços (33,6%) e a agricultura (23,3%). Em 2004, foi estimado que a agricultura empregou 37% da força de trabalho, enquanto a indústria e a prestação de serviços empregaram os restantes 63%.[264] As maiores indústrias incluem produtos militares, construção de máquinas, energia elétrica, produção química, mineração, metalurgia, produção têxtil, processamento de alimentos e turismo.

Em 2005, a Coreia do Norte foi estimada pela FAO na 10ª colocação em produção de frutas frescas[265] e na 19ª na produção de maçãs.[266] O país tem importantes recursos naturais e é o 18º maior produtor de ferro e zinco do mundo, tendo a 22ª maior reserva de carvão do mundo. Também é o 15ª maior produtor de fluorita e o 12º maior produtor de cobre e sal na Ásia. Outras maiores reservas naturais em produção incluem: chumbo, tungstênio, grafita, magnesita, ouro, pirita e energia hidráulica.[264]

Comércio exterior

A China e a Coreia do Sul são os maiores doadores de alimentos da Coreia do Norte. Os Estados Unidos alegam que não doam alimentos devido à falta de supervisão.[267] Em 2005, a China e a Coreia do Sul combinaram fornecer 1 milhão de toneladas de alimentos, cada um contribuindo metade.[268] Para além da ajuda alimentar, a China fornece uma estimativa de 80 a 90% das importações de petróleo da Coreia do Norte a "preços amigáveis" que são nitidamente inferiores ao preço do mercado mundial.[269]

Em 19 de setembro de 2005, a Coreia do Norte prometeu ajuda combustível e vários outros incentivos não relacionados ao alimentício da Coreia do Sul, dos Estados Unidos, do Japão, da Rússia, e da República Popular da China em troca de abandonar o programa de armamento nuclear e regressar ao Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares. Fornecendo alimentos em troca de abandonar programas de armamentos foi, historicamente, evitado pelos Estados Unidos para não ser visto como um "usar comida como uma arma".[270] A ajuda humanitária dos vizinhos da Coreia do Norte foi cortada, por vezes, para provocar a Coreia do Norte a retomar negociações boiocotadas. Por exemplo, a Coreia do Sul teve a "consideração adiada" de 500 000 toneladas de arroz para o Norte em 2006, porém a ideia de fornecer alimentos como um claro incentivo (em oposição em retomar a "ajuda humanitária em geral") tem sido evitada.[271] Há também rompimentos da ajuda devido ao roubo generalizado de vagões usados pela China para entregar ajuda alimentar.[272]

Em julho de 2002, a Coreia do Norte começou a experimentar o capitalismo privado na Região Industrial de Kaesong.[273] Um pequeno número de outras áreas foram designadas como Regiões Administrativas Especiais, incluindo Sinŭiju junto com a fronteira China-Coreia do Norte. A China e a Coreia do Sul são os maiores parceiros comerciais da Coreia do Norte, sendo que o comércio com a China aumentou 15% a US$ 1,6 bilhões em 2005, e o comércio com a Coreia do Sul aumentou 50% a mais de 1 bilhão pela primeira vez em 2005.[270] É relatado que o número de telefones móveis em Pyongyang passou de apenas 3 000 em 2002 para aproximadamente 20 000 durante o ano de 2004.[274] Em junho de 2004, no entanto, os telefones móveis tornaram-se proibidos novamente.[275] Um pequeno número de elementos capitalistas estão gradualmente se espalhando da área experimental, incluindo cartazes de publicidades ao longo de certas estradas. Visitantes recentes reportaram que o comércio de fazendas cresceu em Kaesong e Pyongyang, bem como na fronteira China-Coreia do Norte, ignorando o sistema de racionamento de alimentos.

Cada vez mais investimentos externos foram criados desde 2002.[276]

Em um evento chamado "incidente Pong Su", em 2003, um navio de carga norte-coreano, supostamente tentando contrabandear heroína da Austrália foi apreendido por oficiais australianos, reforçando suspeitas da Austrália e dos Estados Unidos de que Pyongyang se envolve no tráfico internacional de drogas. O governo norte-coreano negou qualquer envolvimento.[277]

Classes sociais

Ver artigo principal: Songbun

De acordo com documentos norte-coreanos e testemunhos de refugiados, todos os norte-coreanos são classificados em grupos de acordo com Songbun, um sistema de status. Com base no histórico de comportamento político, social e econômico de sua família há três gerações, bem como comportamento por parentes dentro desse sistema, Songbun é supostamente usado para determinar se uma pessoa é leal ao governo, com responsabilidade, as oportunidades dadas, ou mesmo se recebe alimentação e assistência social adequada.[278]

Songbun afeta o acesso a oportunidades de educação e de emprego e, particularmente, se uma pessoa é elegível para participar do partido governante do país.[279][278] Existem três grupos principais e cerca de 50 sub-grupos. De acordo com Kim Il-sung, em 1958, a "classe principal" leal constituíam 25% da população norte-coreana, a "classe vacilante" 55%, e da "classe hostil" 20%.[280] O status mais elevado é concedido aos indivíduos descendentes de pessoas que participaram com Kim Il-sung na guerra contra a ocupação militar japonesa antes e durante a Segunda Guerra Mundial e para aqueles que eram trabalhadores de fábrica, operários ou camponeses a partir de 1950.[281]

Enquanto alguns analistas acreditam que o comércio privado recentemente debilitou o sistema Songbun, em certa medida, a maioria dos refugiados norte-coreanos dizem que continuam a ser uma presença marcante na vida cotidiana. No entanto, o governo norte-coreano afirma que todos os cidadãos são iguais e nega qualquer discriminação com base em antecedentes familiares.[282]

Turismo

Ver artigo principal: Turismo na Coreia do Norte

O turismo na Coreia do Norte é organizado pela estatal Organização de Turismo ("Ryohaengsa"). Cada grupo de viajantes bem como visitantes/turistas individuais são permanentemente acompanhados por um ou dois "guias", que normalmente falam o idioma materno e o idioma do turista. Enquanto o turismo tem aumentado ao longo dos últimos anos, turistas de países ocidentais continuam poucos. A maioria dos turistas vem da China, Rússia e Japão. Cidadãos russos da parte asiática preferem a Coreia do Norte como um destino turístico devido aos relativos baixos preços, falta de poluição e o clima mais quente. Para cidadãos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, é praticamente impossível obter um visto para a Coreia do Norte. Exceções a cidadãos estadunidenses são feitas para o Festival Arirang anualmente.

Na área envolta das montanhas Kŭmgangsan, a companhia Hyundai estabeleceu e opera uma área turística especial. Também é possível para sul-coreanos e norte-americanos viajar para esta área, porém apenas em grupos organizados na Coreia do Sul. Uma região administrativa especial conhecida como Região Turística de Kumgang-san existe para este propósito. Viagens para esta região foram temporariamente suspensas desde que uma mulher sul-coreana, que passeava em uma zona militar foi morta a tiros por guardas da fronteira no final de 2008.[283]

Infraestrutura


Educação

A educação na Coreia do Norte é controlada pelo governo e é obrigatória até o nível secundário. A educação norte-coreana é gratuita, e o Estado fornece aos estudantes não apenas instrução e facilidades educacionais, mas também uniformes e livros didáticos.[284] A heurística é altamente aplicada, a fim de desenvolver a independência e a criatividade dos alunos.[285] A educação obrigatória dura onze anos, e inclui um ano de pré-escola, quatro anos da educação primária e seis anos da educação secundária. O currículo escolar norte-coreano consiste em ambos assuntos acadêmicos e políticos.[286]

As escolas primárias são conhecidas como 'escolas do povo' e as crianças frequentam esta escola desde os seis até os nove anos de idade. Elas são, posteriormente, matriculadas em uma escola secundária regular ou uma escola secundária especial, dependendo de suas especialidades. Eles entram na escola secundária aos dez anos e deixam-na aos dezesseis.

O ensino superior não é obrigatório da Coreia do Norte. É composto de dois sistemas: ensino acadêmico e ensino superior. O sistema de ensino acadêmico inclui três tipos de instituições: universidades, escolas profissionais, e escolas técnicas. Escolas de pós-graduação para os níveis mestrado e doutorado são ligados às universidades, e servem a estudantes que quiserem continuar sua educação.[287] Duas universidades notáveis na RDPC são: a Universidade Kim Il-sung e a Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang, ambas na capital norte-coreana Pyongyang. A primeira, fundada em outubro de 1946, é uma instituição elitizada cuja inscrição de 16 000 estudantes, no início da década de 1990, ocupa, em palavras de um observador, o "regime do sistema educacional e social norte-coreano."[288]

A Coreia do Norte é um país altamente alfabetizado, com um índice de alfabetização de 99% (dados do governo de 1991).[264]

Transportes

Há uma mistura de trólebus construídos e importados e bondes em centros urbanos na Coreia do Norte. Frotas anteriores foram obtidas na Europa e na República Popular da China, porém o embargo comercial forçou a Coreia do Norte a construir seus próprios veículos. Há ferrovias na República Popular Democrática da Coreia operadas pelo Choson Cul Minzuzui Inmingonghoagug, sendo este o único operador ferroviário da Coreia do Norte. O país tem uma rede de 5 200 km de vias, com 4 500 km em bitolas padrões.[289] Há uma pequena ferrovia de bitolas estreitas em operação na península de Haeju.[289] A frota de transporte ferroviário consiste em uma mistura de locomotivas elétricas e a vapor. Carros são, em sua maioria, feitos na Coreia do Norte usando os modelos soviéticos. Há algumas locomotivas do Japão Imperial, dos Estados Unidos, e da Europa ainda em uso. Locomotivas de segunda mão chinesas também foram avistadas em serviço.

O transporte aquático nos principais rios e ao longo das costas desempenha um papel crescente no transporte de mercadorias e passageiros. Exceto pelos rios Yalu e Taedong, a maioria das vias navegáveis no país, que totalizam 2 253 km, são navegáveis apenas por barcos de pequeno porte. A navegação costeira é pesada no litoral leste, cujas águas mais profundas podem acomodar navios de maiores dimensões. Os maiores portos são em Nampho na costa oeste e Rajin, Chongjin, Wonsan, e Hamhung na costa leste.

A maior capacidade de carga do país na década de 1990 foi estimada de quase 35 milhões de toneladas por ano. No início dos anos 1990, a Coreia do Norte possuía uma frota mercante oceânica, em grande parte produzida internamente, de sessenta e oito barcos (de pelo menos 1 000 toneladas brutas registradas), totalizando 465 801 tons brutas registradas (709 442 toneladas métricas de porte bruto (TPB)), que inclui cinquenta e oito navios de carga e dois navios-tanque. Há um investimento contínuo na modernização e expansão das facilidades portuárias, desenvolvendo o transporte - particularmente no Rio Taedong - e aumentando a quota de transporte internacional por navios nacionais.

As conexões aéreas da Coreia do Norte são limitadas. Há voos regulares a partir do Aeroporto Internacional de Sunan – 24 km ao norte de Pyongyang – para Moscou, Khabarovsk, Pequim, Macau, Vladivostok, Banguecoque, Shenyang, Shenzhen e voos privilegiados de Sunan para Tóquio, bem como para os países da Europa Oriental, o Oriente Médio, e a África. Um acordo para dar início a um serviço de Pyongyang a Tóquio foi assinado em 1990. Voos internos são disponíveis entre Pyongyang, Hamhung, Wonsan, e Chongjin. Ao todo, os aviões civis operados pelo Air Koryo totalizaram 34 em 2008, os quais foram adquiridos pela União Soviética e a Rússia. De 1976 a 1978, quatro jatos Tu-154 foram adicionados à pequena frota de propulsores An-24s após adicionar 4 Ilyushin Il-62M de longo alcance, 3 aviões Ilyushin Il-76MD de grande porte e 2 Tupolev Tu-204-300 de longo alcance em 2008.

Um dos poucos jeitos de entrar na Coreia do Norte é sobre a Ponte da Amizade Sino-Coreia ou via Panmunjom, a antiga travessia do Rio Amnok e o último cruzamento da Zona Desmilitarizada. Automóveis privados na Coreia do Norte são uma visão rara, mas a partir de 2008 cerca de 70% das famílias utilizavam bicicletas, que também desempenham um papel cada vez mais importante no comércio privado em menor escala.[290]

Saúde

A assitência médica e os tratamentos médicos são gratuitos na Coreia do Norte.[291] O governo norte-coreano gasta 3% de seu produto interno bruto em saúde. Desde a década de 1950, a RDPC pôs grande ênfase à assistência médica, e entre 1955 e 1986, o número de hospitais cresceu de 285 para 2 401, e o número de clínicas também teve um aumento de 1 020 para 5 644.[292] Há hospitais ligados a fábricas e minas. Desde 1979, foi posta uma maior ênfase na medicina tradicional coreana, baseada no tratamento com ervas e acupuntura.

O sistema de saúde da Coreia do Norte tem tido um forte declínio desde os anos 1990, devido a desastres naturais, problemas econômicos, e escassez de alimentos e energia. Muitos hospitais e clínicas norte-coreanos sofrem, agora, com a falta dos equipamentos e medicamentos essenciais, água corrente e eletricidade.[293]

Quase 100% da população tem acesso à água e saneamento, mas a água não é completamente potável. Doenças infecciosas como a tuberculose, a malária, e a hepatite B são consideradas endêmicas no país.[294]

De acordo com estimativas de 2009, a expectativa de vida da Coreia do Norte era de 63,8 anos, quase equivalente à do Paquistão e Myanmar e pouco mais baixa que a da Rússia.[157]

Entre outros problemas de saúde, muitos cidadãos norte-coreanos sofrem as sequelas da desnutrição, causada pela fome e relativa ao fracasso do programa de distribuição. O World Food Program das Nações Unidas, em 1998, revelou que 60% das crianças do país sofriam de desnutrição, e 16% eram gravemente desnutridas.

Energia elétrica

O país sofre com a estagnação energética. Atualmente, mais de 70% da geração vem de termelétricas a carvão, de forma ineficiente e abaixo da demanda. Em ranking de produção nacional de energia feito pela Agência Internacional de Energia, o país amargava a 68ª posição em 2010.[295]

Mídia

A mídia da Coreia do Norte é uma das mais rigorosamente controladas do mundo. Como resultado, a informação é estritamente controlada tanto notícias internas, quanto externas. A constituição norte-coreana prevê liberdade de expressão e de imprensa; no entanto, o governo proíbe o exercício desses direitos em prática. Em seu relatório de 2008, a Repórteres sem Fronteiras classificou o ambiente da mídia na Coreia do Norte como 172 de 173, atrás apenas da Eritreia.[296]

Apenas notícias que favoreçam o regime são permitidas, enquanto notícias que cubram os problemas políticos e econômicos no país, ou que critiquem o regime, não são permitidas.[297] A mídia defende o culto à personalidade de Kim Jong-un, regularmente relatando suas atividades diárias. O principal fornecedor de notícias à mídia na RDPC é a Agência Central de Notícias da Coreia. A Coreia do Norte tem 12 principais jornais e 20 grandes revistas, todas de diferentes periodicidades e todas publicadas em Pyongyang.[298] Os jornais incluem: o Rodong Sinmun, o Joson Inmingun, o Minju Choson, e o Rodongja Sinmum. Não há jornais privados.[299]

Em novembro de 2014 a Sony Pictures anunciou o filme The Interview (A Entrevista), uma comédia com Seth Rogen (Aaron) e James Franco (Dave). O filme conta a história de um plano fictício da CIA (Central Intelligence Agency) para assassinar o ditador norte-coreano Kim Jong-un. O governo Norte Coreano afirmou que "o filme desonesto e reacionário fere a dignidade da liderança suprema da Coreia do Norte e provoca terrorismo", e por coincidência, logo depois a Sony Pictures sofreu um ataque cibernético. Por motivos de segurança a Sony Pictures então cancelou o lançamento do filme. O ato foi criticado por muitos, inclusive pelo presidente Barack Obama sob o argumento de que a liberdade de expressão estava sendo ameaçada. Em dezembro de 2014 o filme foi lançado em algumas salas de cinema e na internet - mesmo sob fortes críticas do governo norte-coreano. A agência noticiosa estatal da Coreia do Norte KCNA chegou mesmo a utilizar linguagem que pode ser interpretada como racista para se referir ao evento: "Obama é o principal culpado que forçou a Sony Pictures Entertainment a distribuir indiscriminadamente o filme. (...) Obama é sempre imprudente em palavras e atos, como um macaco numa floresta tropical."[300]

Cultura


Feriados[301]
Data Nome
1 de janeiro Ano-Novo
16 de fevereiro Aniversário de Kim Jong Il
15 de abril Aniversário de Kim Il-Sung
1 de maio Dia do Trabalho
8 de julho Morte de Kim Il-Sung
27 de julho Dia da vitória
15 de agosto Dia da libertação
9 de setembro Dia Nacional da Fundação
10 de outubro Fundação do Partido
27 de dezembro Dia da construção do socialismo
Ver artigo principal: Cultura da Coreia do Norte

A literatura e as artes da Coreia do Norte são controladas pelo Estado, sobretudo através do Departamento de Propaganda e Agitação ou Departamento de Cultura e Artes do Comitê Central do KWP.[302] A cultura coreana foi atacada durante governo japonês de 1910 a 1945. O Japão aplicava uma política assimilação cultural. Durante o governo japonês, os coreanos foram encorajados a estudar e falar japonês, adotar o sistema japonês de nomes de família e a religião xintoísta; foi proibido falar o escrever a língua coreana nas escolas, no trabalho, ou em praças públicas.[303] Além disso, o Japão alterou e destruiu vários monumentos coreanos incluindo o Palácio Gyeongbok e documentos que retratavam os japoneses em um ponto de vista negativo.

Em julho de 2004, o Complexo de Túmulos Koguryo tornou-se o primeiro local do país a ser incluindo na lista da UNESCO de Patrimônios Mundiais.[304] Em 26 fevereiro de 2008, a Orquestra Filarmônica de Nova Iorque tornou-se o primeiro grupo musical dos Estados Unidos a fazer uma performance na Coreia do Norte,[305] ainda que escolhidos a dedo os "convidados da audiência".[306] O concerto foi transmitido pela televisão nacional.[307]

Um evento popular na Coreia do Norte são os Mass Games. O maior e mais recente Mass Games foi chamado de "Arirang". Foi realizado em seis noites por semana durante dois meses, e envolveu cerca de 100 000 artistas. Participantes desde evento dos últimos anos alegam que os sentimentos antiocidentais têm sido atenuados, em comparação a performances anteriores. O Mass Games envolve artistas de dança, ginástica, e performances coreógráficas, que celebra a história da Coreia do Norte e a Revolução do Partido dos Trabalhadores. O Mass Games é feito em Pyongyang, em vários locais (que variam de acordo com a escala dos Jogos em um ano em particular) incluindo o Estádio Rungrado May Day, que é o maior estádio do mundo, com capacidade de 150 000 pessoas.[308]

Arquitetura

A arquitetura pré-moderna da Coreia pode ser dividida em dois estilos principais: aquela que é utilizada nas estruturas de palácios e templos e a utilizada nas casas comuns das pessoas (a qual apresenta variações locais). Os antigos arquitetos adotaram um sistema de suporte que se caracteriza por telhados de palha e pisos simples denominados ondol. As classes altas construíam casas altas com telhados feitos de telhas normais. Todavia há muitos sítios, como as aldeias folclóricas de Hahoe, Yangdong e Coreia, onde se conserva a arquitetura tradicional do país.[309][310]

A arquitetura tradicional coreana utiliza a técnica tradicional do Dancheong, caracterizada pela seleção de cores que era usada para cobrir as construções dos antigos reinos coreanos, nomeadamente as pinturas murais das antigas tumbas reais: o vermelho, azul, amarelo, branco e preto. Estas cores foram utilizadas por suas propriedades especiais ante os fenômenos naturais, como o vento, sol, chuva e calor.[311]

Literatura

Todas as editoras são de propriedade do governo ou do Partido dos Trabalhadores da Coreia, uma vez que são consideradas uma ferramenta importante de agitprop.[312] A Casa dos Editores do Partido dos Trabalhadores da Coreia é a mais relevante dentre estas e publica todas as obras de Kim Il-sung, entre os quais, materiais educacionais ideológicos e documentos de política partidária.[313] A disponibilidade de literatura estrangeira é limitada, com exceções para contos de fadas indianos, alemães, chineses e russos, contos de Shakespeare e algumas obras de Bertolt Brecht e Erich Kästner.[314]

As obras pessoais de Kim Il-sung são consideradas "obras-primas clássicas", enquanto as criadas sob sua instrução são rotuladas de "modelos da literatura Juche". Estes incluem The Fate of a Self-Defense Corps Man, The Song of Korea e Immortal History, uma série de romances históricos que descrevem o sofrimento dos coreanos sob ocupação japonesa.[315][316] Mais de quatro milhões de obras literárias foram publicadas entre a década de 1980 e o início da década de 2000, mas quase todas pertencem a uma estreita variedade de gêneros políticos, como "a primeira literatura revolucionária do exército".[317]

A ficção científica é considerada um gênero secundário porque se afasta um pouco dos padrões tradicionais de descrições detalhadas e metáforas do líder. Os cenários exóticos das histórias dão aos autores mais liberdade para descrever guerra cibernética, violência, abuso sexual e crime, ausentes em outros gêneros. Os trabalhos de ficção científica glorificam a tecnologia e promovem o conceito Juche de existência antropocêntrica através de representações de robótica, exploração espacial e imortalidade.[318]

Gastronomia

A cozinha coreana, hanguk yori (한국요리, 韓國料理), ou hansik (한식, 韓食), tem evoluído através de séculos de mudanças sociais e políticas.[319] Os ingredientes e pratos variam conforme a cultura de cada província. Existem muitos pratos regionais significativos que têm proliferado com diferentes variações em todo país. A cozinha da corte real coreana chegou a reunir todas as especialidades regionais únicas para a família real. Por muito tempo, o consumo de alimentos foi regulado por uma série de modos e costumes, tanto para os membros da família real, quanto para os camponeses coreanos.[319]

A cozinha coreana se baseia em grande parte em arroz, talharins, tofus, verduras, peixes e carnes.[319] A comida tradicional coreana se caracteriza pelo número de acompanhamentos, banchan (반찬), que são servidos junto com o arroz de grão curto fervido. Cada prato é acompanhado por numerosos banchan. Entre os pratos tradicionais mais consumidos estão o bulgogi, o bibimbap e o galbi.[320]

O chá é uma parte importante da gastronomia nacional, e a cerimônia do chá é uma das tradições mais arreigadas da população. Os chás do país são preparados com cereais, ervas medicinais, sementes e frutos.[321] As bebidas alcoólicas são feitas a partir dos cereais desde antes do século IV. Entre os principais licores sul-coreanos, encontram-se o takju (não refinado), o cheongju (medicinal) e o soju (licor destilado). O takju é a base para a fabricação de outras bebidas regionais, aumentando ou diminuindo o tempo de fermentação.[322]

Esportes

A primeira participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Verão ocorreu em 1972, realizado na cidade alemã de Munique, na Alemanha Ociental, conquistando cinco medalhas, entre elas, uma de ouro. Quatro anos depois, em Montreal, o país conseguiu uma medalha de ouro e uma de prata no boxe, e obteve cinco medalhas no boxe, luta livre, e no levantamento de peso em Moscou. Em 1984, o país integrou o bloco do leste nos Jogos de Los Angeles, e quatro anos depois, também boicotou os de 1988 em Seul, devido à indisponibilidade da Coreia do Sul em ser sede do evento junto com a Coreia do Norte. Apesar da maioria dos países socialistas terem boicotado os Jogos em 1984, apenas Cuba se solidarizou no boicote de 1988.[323] A Coreia do Norte retornou aos Jogos em 1992, em Barcelona, conquistando inéditas nove medalhas, sendo quatro delas de ouro.[324]

Nos Jogos de Sydney em 2000 e Atenas em 2004, a Coreia do Norte e a Coreia do Sul marcharam juntas pela primeira vez nas cerimônias de abertura e de encerramento sob a Bandeira de Unificação Coreana. Isso aconteceu nestas duas edições, mas não em Pequim 2008, pois as tensões políticas se deterioraram novamente,[325] e ambas competiram separadamente.[326] A Coreia do Norte conquistou medalhas em todos os Jogos Olímpicos que disputou.[327]

A Coreia do Norte participou de diversos Jogos Olímpicos de Inverno,[327] competindo pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1964, realizado na cidade austríaca de Innsbruck. O atleta norte-coreano Pil-Hwa Han ganhou uma medalha de prata na patinação de velocidade de 3 000 metros. Outra medalha ganha pela Coreia do Norte em Jogos Olímpicos de Inverno foi uma medalha de bronze em 1992, nos Jogos Olímpicos de Albertville, quando Ok-Sil Hwang conseguiu a terceira colocação na patinação de velocidade sobre pista curta 500 metros. O Norte e o Sul novamente marcharam juntas sob a Bandeira da Unificação nos Jogos de Turim, em 2006.

Pelo futebol, a Seleção Norte-Coreana de Futebol já foi medalhista de ouro nos Jogos Asiáticos de 1978, na Universíada de Verão de 2003 e na Universíada de Verão de 2007 pelo futebol feminino. Em Copas do Mundo FIFA, a seleção participou de duas edições: a primeira em 1966, onde teve um bom retrospecto, tendo chegado às quartas-de-final da competição, ao eliminar a poderosa seleção italiana;[328] a segunda foi em 2010, foi sorteada no chamado "grupo da morte", onde disputaria a classificação com o Brasil, Portugal e Costa do Marfim. O governo anunciou que gravaria os jogos e apenas transmitiria-os para a população caso a seleção norte-coreana obtivesse resultados favoráveis.[carece de fontes?] Ocorreu que a seleção perdeu o primeiro jogo para a seleção brasileira por 2 a 1, perdeu para a seleção portuguesa por 7 a 0 e perdeu para a seleção marfinense por 3 a 0, sendo assim, desclassificada na primeira fase, como a pior seleção no campeonato,[329] marcando um gol e tomando 12. Segundo dissidentes do país e agentes do serviço de espionagem da Coreia do Sul, os jogadores e inclusive o técnico da seleção teriam sofrido violações dos direitos humanos em punições devido a má campanha durante a Copa do Mundo FIFA de 2010.[330]

Ver também


Referências


  1. «Administrative Population and Divisions Figures (#26)» (PDF). DPRK: The Land of the Morning Calm. Permanent Committee on Geographical Names for British Official Use. Abril de 2003. Consultado em 10 de outubro de 2006. Arquivado do original (PDF) em 25 de setembro de 2006 
  2. Department of Economic and Social Affairs Population Division (2009). «World Population Prospects, Table A.1» (.PDF). United Nations. 2008 revision. Consultado em 12 de março de 2009 
  3. a b c d North Korea , CIA World Factbook, accessed on 31 March 2013.
  4. [1].
  5. «KST – Korea Standard Time (Time Zone Abbreviation)» . www.timeanddate.com (em inglês). Consultado em 29 de janeiro de 2019 
  6. Frank Jacobs (21 de fevereiro de 2012). «Manchurian Trivia» (blog by expert). The New York Times. Consultado em 27 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2012  
  7. http://www.law.go.kr/lsInfoP.do?lsiSeq=61603&efYd=19880225#0000 Arquivado em 29 de maio de 2016 no Wayback Machine.
  8. «A Single Flag – North And South Korea Join U.N. And The World» . The Seattle Times. 17 de setembro de 1991. Consultado em 3 de setembro de 2017 
  9. «U.S.: N. Korea Boosting Guerrilla War Capabilities» . FOX News Network, LLC. Associated Press. 23 de junho de 2009. Consultado em 4 de julho de 2009. Cópia arquivada em 27 de junho de 2009  
  10. «Preamble». Socialist Constitution of the Democratic People's Republic of Korea . Pyongyang: Foreign Languages Publishing House. 2014. p. 1. ISBN 978-9946-0-1099-1. Arquivado do original (PDF) em 8 de junho de 2016 Amended and supplemented on 1 April, Juche 102 (2013), at the Seventh Session of the Twelfth Supreme People's Assembly. 
  11. Spencer, Richard (28 de agosto de 2007). «North Korea power struggle looms» . The Telegraph (online version of United Kingdom's national newspaper). London. Consultado em 31 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2007 . A power struggle to succeed Kim Jong-il as leader of North Korea's Stalinist dictatorship may be looming after his eldest son was reported to have returned from semi-voluntary exile. 
  12. Parry, Richard Lloyd (5 de setembro de 2007). «North Korea's nuclear 'deal' leaves Japan feeling nervous» . The Times (online version of United Kingdom's national newspaper of record). London. Consultado em 31 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 26 de julho de 2008 . The US Government contradicted earlier North Korean claims that it had agreed to remove the Stalinist dictatorship’s designation as a terrorist state and to lift economic sanctions, as part of talks aimed at disarming Pyongyang of its nuclear weapons. 
  13. Brooke, James (2 de outubro de 2003). «North Korea Says It Is Using Plutonium to Make A-Bombs» . The New York Times. Consultado em 31 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2007 . North Korea, run by a Stalinist dictatorship for almost six decades, is largely closed to foreign reporters and it is impossible to independently check today's claims. 
  14. Audrey Yoo (16 de outubro de 2013). «North Korea rewrites rules to legitimise Kim family succession» . South China Morning Post. Consultado em 16 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2013  
  15. «The Parliamentary System of the Democratic People's Republic of Korea» (PDF). Constitutional and Parliamentary Information. Association of Secretaries General of Parliaments (ASGP) of the Inter-Parliamentary Union. p. 5. Consultado em 1 de outubro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 3 de março de 2012  
  16. H. Hodge (2003). "North Korea’s Military Strategy" Arquivado em 24 de fevereiro de 2013 no Wayback Machine., Parameters, U.S. Army War College Quarterly.
  17. a b Bureau of East Asian and Pacific Affairs (Abril de 2007). «Background Note: North Korea» . United States Department of State. Consultado em 1 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2007  
  18. «Armed forces: Armied to the hilt» . The Economist. 19 de julho de 2011. Consultado em 28 de julho de 2011. Cópia arquivada em 28 de julho de 2011  
  19. Anthony H. Cordesman (21 de julho de 2011). The Korean Military Balance (PDF). [S.l.]: Center for Strategic & International Studies. p. 156. ISBN 978-0-89206-632-2. Consultado em 28 de julho de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 11 de outubro de 2011 . The DPRK has implosion fission weapons. 
  20. «Report of the Commission of Inquiry on Human Rights in the Democratic People's Republic of Korea, Chapter VII. Conclusions and recommendations» , United Nations Office of the High Commissioner for Human Rights, p. 346, 17 de fevereiro de 2014, consultado em 1 de novembro de 2014, cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2014  
  21. «Issues North Korea» . Amnesty International UK. Consultado em 1 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 2 de julho de 2014  
  22. «World Report 2014: North Korea» . Human Rights Watch. Consultado em 1 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 7 de julho de 2014  
  23. KCNA Assails Role Played by Japan for UN Passage of "Human Rights" Resolution against DPRK Arquivado em 1 de abril de 2012 no Wayback Machine., KCNA, 22 de dezembro de 2005.
  24. KCNA Refutes U.S. Anti-DPRK Human Rights Campaign Arquivado em 1 de abril de 2012 no Wayback Machine., KCNA, 8 de novembro de 2005.
  25. «February 2012 DPRK (North Korea)» . United Nations Security Council. Fevereiro de 2012 
  26. «North Korea defends human rights record in report to UN» . BBC News. 8 de outubro de 2014. Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2014  
  27. Roberts & Westad 2013, p. 443.
  28. Gardner 2007, p. 158-159
  29. Laet 1994, p. 1133
  30. Kotkin & Wolff 2015.
  31. Tudor 2012
  32. Kim 2012, p. 35
  33. Hwang 2019, p. 3
  34. West 2012, p. 422
  35. United Daily News 2008
  36. Carter 2010
  37. Johnson, sem data
  38. Juche Travel Services 2019
  39. Buzo 2002, p. 72
  40. Cumings 2005, p. 505-506
  41. Young 2014
  42. Connor 2002, p. 9
  43. Rose & Allen 2018, p. 26
  44. Piddock 2006, p. 21
  45. Piddock 2006, p. 23
  46. Rose & Allen 2018, p. 26
  47. Piddock 2006, p. 24
  48. Injae, Miller, Jinhoon e Hyun-Hae 2014, p. 55
  49. MacGregor 2014, p. 334
  50. Adams 1986, p. 53
  51. Connor 2002, p. 16
  52. Johnston 2000, p. 275
  53. Lee 2017
  54. Till & Bratton 2012, p. 145
  55. Ronald 1997, p. 239
  56. Shin 2005, p. 62-63
  57. Kim 2012, p. 166-167
  58. Kang 2007
  59. Prescott 2015, p. 14
  60. Kihl 2005, p. 48-50
  61. Phillips 2005, p. 37
  62. Tucker 2015, p. 155
  63. Columbia University 2019
  64. Roblin 2018
  65. Seth 2010, p. 3
  66. Korean Cultural Center sem data
  67. Cumings 2005, p. 182
  68. Cumings 2005, p. 174–175, 407
  69. Robinson 2007, p. 84-86
  70. Lone & McCormack 1993, p. 184-185
  71. Robinson 2007, p. 85–87, 155
  72. Blakemore 2018
  73. Soh 2008, p. 17-18
  74. Gruhl 2011, p. 111
  75. Sang-Hun 2016
  76. Tong 2019, p. 31-32
  77. Blakemore 2018
  78. Turner 2015, p. 743
  79. Bonde 2011
  80. Turner 2015, p. 743
  81. Pruitt 2019
  82. Buzo 2002, p. 67
  83. Lankov 2012
  84. Buzo 2002, p. 60-61
  85. Bonde 2011
  86. History 2020
  87. Lankov 2013, p. 9
  88. Congresso dos Estados Unidos 1950, p. 3045
  89. Lankov 2012
  90. Dowling 2011
  91. Lankov 2013, p. 10
  92. Greenspan 2013
  93. Lankov 2013, p. 10-11
  94. Lankov 2013, p. 11
  95. Lankov 2013, p. 11
  96. Lankov 2013, p. 27
  97. Armstrong 2009, p. 1
  98. Cumings 2005, p. 297-298
  99. Abt 2014, p. 125-126
  100. Lankov 2013, p. 22-31
  101. Worden 2008, p. 124-125
  102. Lankov 2013, p. 31
  103. Bandow & Carpenter 1992, p. 99-100
  104. Ward 2017
  105. Amerise 2012
  106. Human Rights Watch 2016
  107. Lankov 2013, p. 12
  108. Armstrong 2013, p. 99-103
  109. Schönherr 2012, p. 106
  110. Lankov 2013, p. 67
  111. Cheong 2000, p. 139
  112. Worden 2008, p. XXXII, 45-46
  113. French 2007, p. 97-99
  114. Folha de S. Paulo 1994
  115. Armstrong 2012
  116. National Geographic 2018
  117. Alton & Chidley 2013, p. 104-105
  118. Sigal 1997
  119. Lankov 2013, p. 79
  120. Noland, Robinson & Wang 2001, p. 4-6
  121. Noland, Robinson & Wang 2001, p. 9
  122. Worden 2008, p. 174
  123. Lankov 2013, p. 163-164
  124. Lankov 2013, p. 154
  125. The Independent 2005
  126. Abt 2014, p. 55, 109, 119
  127. Carlin & Oberdorfer 2013, p. 357-359
  128. Jager 2013
  129. Lankov 2013, p. 156
  130. Nações Unidas 2006
  131. Folha de S. Paulo 2007
  132. Branigan & McCurr 2009
  133. BBC 2015
  134. Kim 2010
  135. Martinez 2013
  136. Lankov 2013, p. 135-136
  137. BBC 2011
  138. Albert 2019
  139. Kim 2017
  140. Público 2014
  141. Al Jazeera 2017
  142. AFP 2018
  143. Deutsche Welle 2019
  144. Panda 2019
  145. KBS World Radio 2016
  146. Central Intelligence Agency 2020
  147. Reuters 2018
  148. Asia Society 2020
  149. Coreia do Norte 2020
  150. Central Intelligence Agency 2020
  151. a b c d Library of Congress 1993.
  152. U.S. Government Printing Office 1969, p. 14
  153. European Space Agency 2007
  154. U.S. Government Printing Office 1969, p. 15
  155. a b c «Topography and Drainage» . Library of Congress. 1 de junho de 1993. Consultado em 17 de agosto de 2009 
  156. a b North Korea Country Studies. Climate
  157. a b «CIA - The World Factbook -- Country Comparison :: Life expectancy at birth» . The World Factbook. Central Intelligence Agency. 2009. Consultado em 4 de julho de 2009 
  158. a b «Infant mortality rate» . The World Factbook -- Country Comparisons. CIA. 2009. Consultado em 1 de maio de 2009 
  159. «The State of the World's Children 2003» . UNICEF. 2003. Consultado em 1 de maio de 2009 
  160. «Total fertility rate» . The World Factbook -- Country Comparisons. CIA. 2009. Consultado em 1 de maio de 2009 
  161. «La lengua coreana» (em espanhol). Corea Norte.com. Consultado em 2 de junho de 2010 
  162. Governo da Coreia (2010). «Arte de Hangeul» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2012 
  163. Young-Key Kim-Renaud (1998). The Korean Alphabet: Its History and Structure. [S.l.]: University of Hawaii Press. inglês 
  164. Kanno, Hiroomi (1998). Chōsengo o manabō (『朝鮮語を学ぼう』). [S.l.]: Sociedade de Linguística Coreana no Japão. japonês 
  165. «DPRK's Socialist Constitution (Full Text)» . The People's Korea. 1998. Consultado em 4 de julho de 2009 ; ver Capítulo 5, Artigo 68
  166. Korea Institute for National Unification (2009). «Human Right in North Korea» (PDF). KINU White Paper on Human Rights (em inglês). kinu.or.kr. pp. 258–280. Consultado em 8 de abril de 2013 
  167. «Culture of North Korea - Alternative name, History and ethnic relations» . Countries and Their Cultures. Advameg Inc. Consultado em 4 de julho de 2009 
  168. CIA The World Factbook -- North Korea
  169. «Background Note: North Korea» . Bureau of East Asian and Pacific Affairs. U.S. State Department. Fevereiro de 2009. Consultado em 4 de julho de 2009 
  170. «Cristãos são presos na Coreia do Norte por não reconhecerem ditador como divindade» . Portas Abertas. Abril de 2013. Consultado em 1 de maio de 2016. Arquivado do original em 6 de agosto de 2016 
  171. «Coreia do Norte: Brutalidades contra cristãos continuam enquanto o mundo fecha os olhos» . Voz dos Mártires. Janeiro de 2015. Consultado em 1 de maio de 2016. Arquivado do original em 2 de abril de 2016 
  172. Demick, Barbara (outubro de 2005). «Buddhist Temple Being Restored in N. Korea» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 1 de maio de 2016 
  173. «Human Rights in North Korea» . Human Rights Watch. 2004. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  174. «Religious Intelligence UK report» . Religious Intelligence. Religious Intelligence. Consultado em 4 de julho de 2009 
  175. United States Commission on International Religious Freedom (21 de setembro de 2004). «Annual Report of the United States Commission on International Religious Freedom» . Nautilus Institute. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  176. «N Korea stages Mass for Pope» . BBC News. 10 de abril de 2005. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  177. «North Korean Religion» . Windows on Asia. Consultado em 2 de agosto de 2007. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2009 
  178. «Portas Abertas» . Portas Abertas. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  179. «Korea Report 2002» . Amnesty International. 2001. Consultado em 2 de agosto de 2007. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2003 
  180. «United Nations Statistics Division; 2008 Census of Population of the Democratic People's Republic of Korea conducted on 1–15 October 2008» (PDF) (em inglês). Consultado em 18 de março de 2009 
  181. «18. Is North Korea a 'Stalinist' state?» . DPRK FAQ; Document approved by Zo Sun Il. Official Webpages of the Democratic People's Republic of Korea. 5 de maio de 2005. Consultado em 4 de abril de 2013. Arquivado do original em 8 de março de 2008 
  182. Young W. Kihl, Hong Nack Kim. North Korea: The Politics of Regime Survival. Armonk, New York, USA: M. E. Sharpe, Inc., 2006. Pp 56.
  183. Robert A. Scalapino, Chong-Sik Lee. The Society. University of California Press, 1972. Pp. 689.
  184. Bong Youn Choy. A history of the Korean reunification movement: its issues and prospects. Research Committee on Korean Reunification, Institute of International Studies, Bradley University, 1984. Pp. 117.
  185. Sheridan, Michael (16 de setembro de 2007). «A tale of two dictatorships: The links between North Korea and Syria» . The Times. Londres. Consultado em 4 de abril de 2013 
  186. Breen, Michael (2012). Kim Jong-Il, Revised and Updated: Kim Jong-Il: North Koreas Dear Leader, Revised and Updated Edition. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 95–96. ISBN 978-1-118-15377-2. It [North Korea] remains the most extreme, closed, and repressive of the five states that officially remain communist. Indeed, it is worse today than any of those countries were at their worse. The intriguing explanation to this is that North Korea is not communist." […] "Their [the North Korean] ideology, their underlying belief system has not been discredited. The thought of Marx, Lenin, Mao and Stalin may now be something for the historians. But North Korean thought has survived the passing of communism because what they actually believe has little connection to it. 
  187. Lansford, Tom (2007). Communism. [S.l.]: Marshall Cavendish. p. 85. ISBN 978-0-7614-2628-8. Many scholars assert that some communist states, such as North Korea, are simply dictatorships that use the title 'communist' as propaganda to justify actions and policies to the outside world and to their own people. 
  188. «Address Delivered at the Fourth Conference of Cell Secretaries of the WPK KIM JONGUN» (em inglês). British Association for the Study of Sungun Politics . Consultado em 15 de dezembro de 2013 Party cells should undertake education in Kimilsungism-Kimjongilism so as to train them soundly into ardent revolutionary fighters who are thoroughly armed with the Juche idea and the Songun idea of our Party and are equipped with the spirit of safeguarding the leadership of the revolution at the cost of their lives, firm faith in socialism and class consciousness against imperialism
  189. «2013 plenary meeting of WPK Central Committee and 7th session of Supreme People's Assembly» (em inglês). North Korean Economy Watch. Consultado em 15 de dezembro de 2013  …firmly defend our ideology, social system and all other socialist treasures won at the cost of blood…
  190. Andrei Lankov. Review of The Cleanest Race. Far Eastern Economic Review. 4 de dezembro de 2010. (Acessado em 4 de abril de 2010)
  191. Christopher Hitchens: A Nation of Racist Dwarfs – Kim Jong-il's regime is even weirder and more despicable than you thought (2010)
  192. Brian R. Myers (1 de outubro de 2009). «The Constitution of Kim Jong Il.» . Wall Street Journal. Consultado em 20 de dezembro de 2012. From its beginnings in 1945 the regime has espoused—to its subjects if not to its Soviet and Chinese aid-providers—a race-based, paranoid nationalism that has nothing to do with Marxism-Leninism. […] North Korea has always had less in common with the former Soviet Union than with the Japan of the 1930s, another 'national defense state' in which a command economy was pursued not as an end in itself, but as a prerequisite for rapid armament. North Korea is, in other words, a national-socialist country 
  193. B. R. Myers: The Cleanest Race: How North Koreans See Themselves and Why It Matters. Pages 9; 11–12. Paperback edition. (2011)
  194. Rank, Michael (10 de abril de 2012). «Lifting the cloak on North Korean secrecy: The Cleanest Race, How North Koreans See Themselves by B R Myers» . Asia Times. Consultado em 4 de abril de 2013 
  195. Hitchens, Christopher (1 de fevereiro de 2010). «A Nation of Racist Dwarfs» . Fighting Words. Slate. Consultado em 4 de abril de 2013 
  196. «North Korea Constitution» (em inglês). Universität Bern. Consultado em 15 de dezembro de 2013  …The Democratic People's Republic of Korea is the socialist motherland of Juche…
  197. «North Korea: Bowing before Kim Il-Sung's embalmed corpse at the Kumsusan Memorial Palace» . Lindsayfincher.com. 23 de abril de 1996. Consultado em 4 de abril de 2013. Arquivado do original em 3 de setembro de 2011 
  198. Hitchens, Christopher (24 de dezembro de 2007). «Why has the Bush administration lost interest in North Korea?» . Slate. Consultado em 4 de abril de 2013 
  199. «Ansa.it» . Ansa.it. 28 de setembro de 2009. Consultado em 11 de março de 2010 [ligação inativa] 
  200. 10th Supreme People's Assembly. (15 de setembro de 1998). «DPRK's Socialist Constitution (Full Text)» . The People's Korea. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  201. Herskovitz, Jon; Kim, Christine (28 de setembro de 2009). «North Korea drops communism, boosts "Dear Leaders"» . Reuters. Consultado em 4 de abril de 2013 
  202. «N Korea 'names Kim's successor'» . BBC. 2 de junho de 2009. Consultado em 4 de abril de 2013 
  203. Alastair Gale (18 de dezembro de 2011). «Kim Jong Il Has Died» . The Wall Street Journal Asia. Consultado em 4 de abril de 2013 
  204. Brian R. Myers: The Cleanest Race: How North Koreans See Themselves and Why It Matters. Paperback edition, 2011, p. 100
  205. Brian R. Myers: The Cleanest Race. Paperback edition, 2011, p. 113
  206. a b c Bradley K. Martin. Under the Loving Care of the Fatherly Leader: North Korea and the Kim Dynasty. ISBN 0-312-32322-0
  207. Brian R. Myers: The Cleanest Race.Paperback edition, 2011, p. 7
  208. Brian R. Myers: The Cleanest Race. Paperback edition, 2011, pp. 114, 116
  209. Chol-hwan Kang and Pierre Rigoulot (2005). The Aquariums of Pyongyang: Ten Years in the North Korean Gulag, Basic Books. ISBN 0-465-01104-7
  210. «DEATH OF A LEADER: THE SCENE; In Pyongyang, Crowds of Mourners Gather at Kim Statue» . The New York Times. 10 de julho de 1994. Consultado em 4 de abril de 2013 
  211. «North Korea marks leader's birthday» . BBC. 16 de fevereiro de 2002. Consultado em 4 de abril de 2013 
  212. Mansourov, Alexandre. «"Korean Monarch Kim Jong Il: Technocrat Ruler of the Hermit Kingdom Facing the Challenge of Modernity" The Nautilus Institute. Acessado em 18 de dezembro de 2007»   
  213. Scanlon, Charles (16 de fevereiro de 2007). «Nuclear deal fuels Kim's celebrations» . BBC. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  214. Coonan, Clifford (21 de outubro de 2006). «Kim Jong Il, the tyrant with a passion for wine, women and the bomb» . London: The Independent. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  215. Richard Lloyd Parry. "'Dear Leader' clings to power while his people pay the price" , The Times. 10 October 2006. Retrieved 18 December 2007.
  216. «'North Korea's 'Dear Leader' flaunts nuclear prowess» . New Zealand Herald. 10 de outubro de 2006. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  217. Compiled by the Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor. "Country Reports on Human Rights Practices" US Department of State. 25 February 2004. Acessado em 18 de dezembro de 2007.
  218. Jason LaBouyer "When friends become enemies — Understanding left-wing hostility to the DPRK" Arquivado em 19 de março de 2009, no Wayback Machine. Lodestar. May/June 2005: pp. 7–9. Korea-DPR.com. Retrieved 18 December 2007.
  219. Brian R. Myers: The Cleanest Race. Paperback edition, 2011.
  220. DPRK honors schoolgirl who died saving Kim portraits – People's Daily Online
  221. «Kim Yong Nam Visits 3 ASEAN Nations To Strengthen Traditional Ties» . The People's Korea. 2001. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  222. «Report: N. Korea building fence to keep people in» . The Houston Chronicle. Consultado em 4 de julho de 2009 [ligação inativa] 
  223. CNN. «U.N. verifies closure of North Korean nuclear facilities» . Consultado em 18 de julho de 2007 
  224. Office of the Coordinator for Counterterrorism. «Country Reports on Terrorism: Chapter 3 -- State Sponsors of Terrorism Overview» . Consultado em 26 de junho de 2008. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2010 
  225. Washington Post. «Country Guide» . Consultado em 26 de junho de 2008 
  226. BBC. «"N Korea to face Japan sanctions"» . Consultado em 26 de junho de 2008 
  227. «U.S. takes North Korea off terror list» . CNN. 11 de outubro de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  228. «北 수교국 상주공관, 평양보다 베이징에 많아» . Yonhap News. 2 de março de 2009. Consultado em 4 de abril de 2013. Arquivado do original em 29 de abril de 2011 
  229. Bureau of East Asian and Pacific Affairs (2007). «Background Note: North Korea» . United States Department of State. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  230. «Army personnel (per capita) by country» . NationMaster. 2007. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  231. Library of Congress country study , see p. 19 - Major Military Equipment
  232. Армии стран мира : К , soldiering.ru
  233. KCNA Past news, April 9, 2009
  234. ISIS Fast Facts on North Korea Arquivado em 17 de abril de 2009, no Wayback Machine.; accessed 21 April 2009
  235. «North Korea is fully fledged nuclear power, experts agree»  . Consultado em 25 de abril de 2009 
  236. «North Korea Prepared to Disarm and Launch Nuclear Reactor» . Pravda.ru. 6 de outubro de 2009. Consultado em 6 de outubro de 2009 
  237. «Coreia do Norte faz o quinto e mais potente teste nuclear de sua história» . Jornal Nacional. 9 de setembro de 2016 
  238. Agência Nacional de Informação Geoespacial dos Estados Unidos
  239. Amnesty International (2007). «Our Issues, North Korea» . Human Rights Concerns. Consultado em 1 de agosto de 2007. Arquivado do original em 29 de março de 2007 
  240. Seok, Kay (15 de maio de 2007). «Grotesque indifference» . Human Rights Watch. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  241. Os Olhos dos Animais sem Cauda. As Memórias de uma Mulher norte-coreana na Prisão. Lee Soon-ok, Ed. Horizontes América Latina, 2008. ISBN 9788589195683 Adicionado em 16/11/2014.
  242. Fuga do Campo 14. Blaine Harden, Editora Intrínseca, 2012. ISBN 9788580571653 Adicionado em 16/11/2014.
  243. Hawk, David (2003). «The Hidden Gulag: Exposing North Korea's Prison Camps - Prisoners' Testimonies and Satellite Photographs»  . U.S. Committee for Human Rights in North Korea. Consultado em 1 de agosto de 2007. Arquivado do original em 14 de agosto de 2009 
  244. North Korea - Punishment and the Penal System , Library of Congress]
  245. Yoon Il Geun (2 de novembro de 2007). «South Korean Dramas Are All the Rage among North Korean People» . The Daily NK 
  246. Lee Sung Jin (22 de fevereiro de 2008). «North Korean People Copy South Korean TV Drama for Trade» . The Daily NK 
  247. Tvi24, ed. (18 de novembro de 2014). «ONU condena violações dos direitos humanos na Coreia do Norte»  
  248. Bangkok Post, ed. (19 de novembro de 2014). «UN vote blasts N. Korea on rights»  
  249. «13 coisas comuns da sua vida que dão pena de morte na Coreia do Norte» . Consultado em 9 de outubro de 2016 
  250. «13 coisas que dão pena de morte na Coreia do Norte - Curiosidade» . Portal meionorte.com. Consultado em 9 de outubro de 2016 
  251. «Na Coreia do Norte, ver filme dos EUA leva à pena capital - 30/08/2014 - Mundo - Folha de S.Paulo» . www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de outubro de 2016 
  252. «"Naenara"-Korea is One-Leader and Nation-June 15 North-South Joint Declaration» . Naenara. Korea Computer Center in DPR Korea. 15 de junho de 2000. Consultado em 4 de julho de 2009. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2006 
  253. Kim, Il Sung (10 de outubro de 1980). «REPORT TO THE SIXTH CONGRESS OF THE WORKERS' PARTY OF KOREA ON THE WORK OF THE CENTRAL COMMITTEE» . Songun Politics Study Group (USA). Consultado em 4 de julho de 2009. Arquivado do original em 29 de agosto de 2009 
  254. Ha, Michael (29 de outubro de 2008). «[58 Anniversary] Major Changes Are Coming to N. Korea» . The Korea Times. Consultado em 4 de julho de 2009 
  255. Welcome to North Korea. Rule No. 1: Obey all rules , Steve Knipp, Contributor to The Christian Science Monitor. December 2, 2004.
  256. Ryu, Yi-geun; Daniel Rakove (30 de maio de 2007). «[Feature] In reclusive North, signs of economic liberalization» . The Hankyoreh. The Hankyoreh Media Company. Consultado em 4 de julho de 2009 
  257. Jangmadang Will Prevent "Second Food Crisis" from Developing , DailyNK, 2007-10-26
  258. Zeller Jr., Tom (23 de outubro de 2006). «The Internet Black Hole That Is North Korea» . The New York Times. Consultado em 26 de dezembro de 2008 
  259. Powell, Bill (14 de agosto de 2007). «North Korea» . Time. Consultado em 26 de dezembro de 2008 
  260. «COUNTRY PROFILE: NORTH KOREA» (PDF). Library of Congress – Federal Research Division. Julho de 2007. Consultado em 4 de julho de 2009 
  261. «DPRK--Only Tax-free Country» . Consultado em 19 de junho de 2009 
  262. The Taean Work System
  263. http://koreatimes.co.kr/www/news/nation/2009/06/123_47603.html
  264. a b c «Korea, North» . The World Factbook. 2009. Consultado em 19 de setembro de 2009 
  265. «MAJOR FOOD AND AGRICULTURAL COMMODITIES AND PRODUCERS - Countries by commodity» . UN FAO Statistics Division. 2005. Consultado em 4 de julho de 2009 
  266. «MAJOR FOOD AND AGRICULTURAL COMMODITIES AND PRODUCERS - Countries by commodity» . UN FAO Statistics Division. 2005. Consultado em 4 de julho de 2009 
  267. «Report on U.S. Humanitarian assistance to North Koreans» (PDF). United States House Committee on Foreign Affairs. 15 de abril de 2006. Consultado em 1 de agosto de 2007. Arquivado do original (PDF) em 9 de março de 2007 
  268. «North Korea: Ending Food Aid Would Deepen Hunger» . Human Rights Watch. 11 de outubro de 2006. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  269. Nam, Sung-wook (26 de outubro de 2006). «China's N.K. policy unlikely to change» . The Korea Herald. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  270. a b «Fourth round of Six-Party Talks» . CanKor, on Korean Peace and Security. 27 de setembro de 2005. Consultado em 1 de agosto de 2007. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007 
  271. Faiola, Anthony (14 de julho de 2006). «S. Korea Suspends Food Aid to North» . Washington Post. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  272. «China halts rail freight to North Korea» . Financial Times. 18 de outubro de 2007. Consultado em 18 de outubro de 2007 
  273. French, Howard W. (25 de setembro de 2002). «North Korea to Let Capitalism Loose in Investment Zone» . The New York Times. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  274. MacKinnon, Rebecca (17 de janeiro de 2005). «Chinese Cell Phone Breaches North Korean Hermit Kingdom» . Yale Global Online. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  275. «North Korea recalls mobile phones» . The Sydney Morning Herald. 4 de junho de 2004. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  276. Felix Abt, North Korea – A demanding business environment / Practical advice on investing and doing business, German Asia-Pacific Business Association, Hamburg, September 2009
  277. «N Korean heroin ship sunk by jet» . BBC News. 23 de março de 2006. Consultado em 2 de agosto de 2007 
  278. a b Matthew McGrath (7 de junho de 2012). «Marked for Life: Songbun, North Korea's Social Classification System» . NK News. Consultado em 8 de junho de 2012 
  279. Helen-Louise Hunter; foreword by Stephen J. Solarz (1999). Kim Il-song's North Korea. Westport, Connecticut, Londres: Praeger. p. 3-11, 31-33. ISBN 0-275-96296-2 
  280. Robert Collins (6 de junho de 2012). Marked for Life: Songbun, North Korea’s Social Classification System (PDF). [S.l.]: Committee for Human Rights in North Korea. Consultado em 8 de junho de 2012 [ligação inativa]
  281. Jerry Winzig. «A Look at North Korean Society» (book review of Kim Il-song's North Korea por Helen-Louise Hunter). winzigconsultingservices.com. Consultado em 8 de junho de 2011 
  282. KINU White Paper on Human Rights in North Korea 2011, p. 216, 225
  283. «S Korea hopes DPRK to begin dialogue over S Korean tourist shot dead» . chinaview.cn. Consultado em 12 de julho de 2009 
  284. North Korea - Education Overview , Library of Congress.
  285. Educational themes and methods
  286. Primary and Secondary education
  287. «North Korea - Higher Education» . State University.com. Consultado em 18 de novembro de 2008 
  288. North Korea - Higher education.
  289. a b Dickinson, Rob. «A Glimpse of North Korea's Railways» . The International Steam Pages. Consultado em 4 de julho de 2009. Arquivado do original em 2 de maio de 2008 
  290. 70% of Households Use Bikes , The Daily NK, 2008-10-30
  291. Library of Congress country study , see p. 8 - Health
  292. North Korea Public Health , Country Studies
  293. «N Korea healthcare 'near collapse'» . BBC News. 18 de novembro de 2008 
  294. «Life Inside North Korea» . U.S. Department of State. Consultado em 18 de novembro de 2008 
  295. http://exame.abril.com.br/mundo/crise-energetica-torna-coreia-do-norte-invisivel-a-noite/ Crise energética torna Coreia do Norte “invisível” à noite
  296. Annual Press Freedom Index Arquivado em 22 de outubro de 2008, no Wayback Machine., accessed November 30, 2008.
  297. "Meagre media for North Korea" , BBC, October 10, 2006.
  298. Pervis, Larinda B. (2007). North Korea Issues: Nuclear Posturing, Saber Rattling, and International Mischief. Nova Science Publishers. p. 22. ISBN 978-1-60021-655-8.
  299. Liston-Smith, Ian. Meagre media for North Koreans . BBC News Online. October 10, 2006
  300. «North Korea Media Calls Obama A 'Wicked Black Monkey'» . Consultado em 28 de dezembro de 2014 
  301. «Fechas destacadas» . Corea Norte.com. Consultado em 13 de janeiro de 2012 
  302. North Korea - Contemporary Cultural Expression , Country Studies.
  303. Cumings, Bruce G. «The Rise of Korean Nationalism and Communism». A Country Study: North Korea . [S.l.]: Library of Congress. Call number DS932 .N662 1994 
  304. Site oficial da UNESCO Página acessada em 17 de outubro de 2009.
  305. CNN. «Americans in Pyongyang Perform» . Consultado em 26 de fevereiro de 2008 
  306. Ben Rosen. «Letter From North Korea -- Update» . Consultado em 1 de dezembro de 2008 
  307. .Musical diplomacy as New York Phil plays Pyongyang , Reuters, 26 february 2008
  308. World Stadiums - Rungrado May Day Stadium Página acessada em 17 de outubro de 2009.
  309. Chung Ah-young (31 de março de 2010). «Exhibit Focuses on Traditional Architecture» (em inglês). Korea Times. Consultado em 24 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012  
  310. «Korean traditional houses» . park.org (em inglês). Internet 1996 World Exposition. Consultado em 24 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012  
  311. Governo da Coreia (2010). «Arte decorativo» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Arquivado do original em 21 de junho de 2015 
  312. North Korea Handbook 2003, p. 423–424.
  313. North Korea Handbook 2003, p. 424
  314. Michael Rank (16 de junho de 2012). «A window into North Korea's art world» . Asia Times. Consultado em 14 de julho de 2014. Cópia arquivada em 26 de março de 2013  
  315. «Contemporary Cultural Expression» . Library of Congress Country Studies. 1993. Consultado em 3 de julho de 2014. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2012  
  316. «Literature, Music, and Film» . Library of Congress Country Studies. 1993. Consultado em 14 de julho de 2014 
  317. North Korea Handbook 2003, p. 475.
  318. «Benoit Symposium: From Pyongyang to Mars: Sci-fi, Genre, and Literary Value in North Korea» . SinoNK. 25 de setembro de 2013. Consultado em 14 de julho de 2014. Cópia arquivada em 13 de junho de 2014  
  319. a b c Governo da Coreia (2010). «Hansik (Comida tradicional de Corea)» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Arquivado do original em 21 de junho de 2015 
  320. Governo da Coreia (2010). «Qué comer» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Arquivado do original em 21 de junho de 2015 
  321. Organização de Turismo da Coreia (2010). «Tés Tradicionales» (em espanhol). Visit Korea.or.kr. Consultado em 17 de junho de 2010. Arquivado do original em 2 de agosto de 2012 
  322. Organização de Turismo da Coreia (2010). «Licores y Vinos Tradicionales» (em espanhol). Visit Korea.or.kr. Consultado em 17 de junho de 2010. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2012 
  323. «Seoul 1988 Games of the XXIV Olympiad - Did you know?» . www.olympic.org. Consultado em 7 de outubro de 2007 
  324. «Barcelona, 1992» . CBN. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  325. Sailing.org (5 de julho de 2004). «North and South Korea to march together at the Opening Ceremony of the Athens Games» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2009 
  326. [https://web.archive.org/web/20110613222943/http://news.hankooki.com/lpage/sports/200807/h2008072903033791910.htm Arquivado em 13 de junho de 2011, no Wayback Machine. 한국일보 : [니하오! 베이징] 한국 176번째, 북한은 177번째 입장 外]
  327. a b Olumpic.org (5 de julho de 2004). «Democratic People's Republic of Korea» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2009 
  328. «Coreia do Norte volta à Copa do Mundo depois de 44 anos» . Terra Networks. 17 de junho de 2009. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  329. «Norte-coreanos voltam para casa após deixarem a Copa com 3 derrotas» . GloboEsporte.com. 29 de junho de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  330. «Fifa vai investigar suposta punição a jogadores da Coreia do Norte após a Copa» . O Globo. 11 de agosto de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2013 

Bibliografia


Ligações externas


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Categoria no Commons
Notícias no Wikinotícias
Categoria no Wikinotícias
Coreia do Norte
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens








Categorias: Coreia do Norte








Data da informação: 29.05.2020 07:55:59 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.