Cruzada Livónia - pt.LinkFang.org

Cruzada Livónia


Cruzada Livónia

Situação da região em 1260 durante e depois da cruzada
Data século XIII
Local Estónia e Letônia
Desfecho Vitória cruzada
Criação da Terra Mariana e do Ducado da Estónia
Beligerantes
Cruzados: Povos autótonos:
Comandantes
Alberto de Riga
Anders Sunesen
Bertoldo de Hanôver 
Caupo de Turaida 
Teodorico de Treyden 
Valdemar I da Dinamarca
Volquin 
Venão
Wilken de Endorp 
Otão de Lutterberg  
Talivaldis de Tālava 
Ako de Salaspils 
Vesceka de Kukenois 
Visvaldis de Jersika
Lembitu 
Viestards de Tērvete
Nameisis de Zemgale

Cruzada Livónia refere-se à conquista alemã e dinamarquesa da Livónia,[1][2][3][4][5][6][7] no território que agora é a Letónia e a Estónia,[5][8] durante as Cruzadas do Norte.[9] Estas terras foram as últimas da Europa a serem cristianizadas.[10]

A 2 de fevereiro de 1207,[11] o estado eclesiástico chamado Terra Mariana foi estabelecido como principado do Sacro Império Romano Germânico,[12][13] e foi proclamado pelo Papa Inocêncio III em 1215 como súbdito da Santa Sé.[14][15]

Depois do sucesso da cruzada, os territórios ocupados pelos alemães e os dinamarqueses foram divididos em seis principados feudais por Guilherme de Módena.[7][16][17][18]

Índice

História


Guerra contra os livónios e os lategálios (1198-1209)

O cristianismo chegou à Letónia com os suecos no século IX e com os dinamarqueses no XI.[19] Por esses anos os comerciantes alemães começaram a chegar na segunda metade do século XII para comerciar pela antiga rota Daugava-Dniepre para Bizâncio,[20] muitos letões já tinham sido batizados. Meinardo de Segeberga chegou à Livlândia (como chamado em alemão) em 1184 com a missão de converter os livónios pagãos e foi consagrado como seu bispo em 1186.[12]

Os livónios autótonos (livs), que tinham estado a pagar tributos ao Principado de Polotsk, e estavam frequentemente baixo ataque pelos seus vizinhos do sul os semigalianos, num primeiro momento consideraram os alemães serem aliados úteis. A primeira personalidade livónia de relevância a converter-se foi o seu líder Caupo de Turaida.[12]

O Papa Celestino III apelou para uma cruzada contra os pagãos na Europa do Norte em 1193.[5][21] Quando as formas pacíficas de conversão falharam, o impaciente Meinardo quis converter os livónios pela força. Ele morreu em 1196, tendo falhado na sua missão. O seu sucessor, o bispo Bertoldo de Hanôver,[22] chegou com um grande contingente de cruzados em 1198. Pouco depois, enquanto estava a comandar a suas tropas na batalha, foi rodeado e assassinado e as suas forças derrotadas.[22]

Para vingar a derrota de Bertoldo, o Papa Inocêncio III fez uma bula declarando a cruzada contra os livónios.[23] Alberto de Riga,[22][23] consagrado bispo em 1199, chegou no ano seguinte com uma grande força armada,[24] fundou Riga e estabeleceu a sede do ser bispado nela em 1201.[22][24] Em 1202 ele formou a ordem dos Irmãos Livónios da Espada para ajudar na conversão dos pagãos ao cristianismo e, mais importante, assegurar o controlo germânico do comércio.[22][23][24]

Guerra contra os estónios (1208-1227)

Por volta de 1208 os cruzados eram suficientemente fortes para começar operações contra os estónios,[25] os quais naquela altura estavam divididos em oito grandes condados e sete pequenos, liderados por anciãos com uma cooperação limitada entre eles.[10][26] Com a ajuda dos recentemente conversos os autótonos livónios e lategálios, os cruzados iniciaram incursões no sul da Estónia, mais especificamente nos condados de Sakala e de Ugandi.[10][27] As tribos estónias resistiram ferozmente os ataques de Riga e ocasionalmente saquearam territórios controlados pelos cruzados.[27] Em 1208-27,[26][28] partidários dos diferentes bandos fizeram alvoroço pela Livónia, Lategália, e outros condados estónios, com os livónios, lategálios e russos da República da Novogárdia servindo tanto como aliados de ambos bandos.[10][27] Os castros,[29] os quais eram os locais chave dos condados estónios, foram cercados, capturados e re-capturados muitas vezes. Um impasse entre ambos lados foi estabelecido por três anos (1213-1215). Provou ser, em geral, mais favorável aos alemães, os quais consolidaram a sua posição política,[30] enquanto os estónios eram incapazes de desenvolver o seu sistema instável de alianças num estado centralizado.[26] Os estónios eram liderados por Lembitu,[25][31] ancião, o qual tornou-se a figura central da resistência estónia.[25] O líder cristão livónio Caupo foi morto na Batalha do Dia de São Mateus, o 21 de setembro de 1217 mas Lembitu também foi morto,[28] e a batalha foi uma derrota crucial para os estónios.[32]

Os reinos cristãos da Dinamarca e da Suécia também estavam interessados em estender a sua influência no canto este do Báltico.[33][34] Em 1218 chamou ao rei Valdemar II da Dinamarca para ajudá-lo, mas Valdemar porém escolheu fazer uma aliança com a Ordem.[33][35][36] O rei foi vitorioso na Batalha de Lyndanisse em Revala em 1219,[35]na qual atribui-se a origem da bandeira da Dinamarca (Dannebrog).[10][37][38] Ele depois fundou a fortaleza de Castrum Danorum,[38][39] contudo a fortaleza foi atacada pelos estónios mas sem sucesso,[40] além disso havia de tornar-se com o tempo num importante centro comercial e na capital da Estónia, Taline.[35][41] O rei João I da Suécia tentou em vão estabelecer uma presença na província de Wiek, mas as suas tropas foram derrotadas pelos osilianos na Batalha de Lihula em 1220.[10][36][40] A Revala, o Harjumaa e a Virónia, todo o norte da Estónia ficou baixo o domínio dinamarquês.[36][41][42]

Durante 1223, todos os fortes cristãos à exceção de Taline caem em mãos estonianas, com os seus defensores mortos. Por volta de 1224 todas as grandes fortalezas são reconquistadas pelos cruzados, à exceção da de Tartu, a qual for defendida por uma determinada guarnição estónia.[43] Tartu foi finalmente capturada pelos cruzados liderados pelo bispo Hermano em 1224.[41] O 31 de dezembro de 1224 o papa Honório III escolheu a Guilherme de Módena como o seu legado para a Prússia, a Livónia, a Holsácia e outros territórios nas costas bálticas, depois de Alberto de Riga ter pedido um legado para a região.[44][45][46]

Em 1224, os Irmãos Livónios da Espada estabeleceram o seu centro de operações em Fellin (Viljandi) em Sakala, onde as muralhas do castelo do mestre ainda está em pé.[36][47][48] Outros fortes foram Wenden (Cēsis), Segewold (Sigulda) e Ascheraden (Aizkraukle).[49][50][51][52] A Crónica de Henrique da Livónia, uma das maiores narrativas medievais, foi escrita provavelmente como um boletim para Guilherme de Módena, fornecendo-nos informação sobre a história da Igreja na Livónia do seu tempo.[53]

Guerra contra Saaremaa (1206-1261/1343-1345)

Ver artigo principal: Osilianos

O último condado estónio a resistir aos invasores foi a ilha de Saaremaa (Ösel). A Dinamarca começou a guerra em 1206, quando uma armada dinamarquesa liderada pelo rei Valdemar II desembarcou em Saaremaa e tentou estabelecer um forte, sem sucesso.[54][55] Em 1216 os Irmãos Livónios da Espada e o bispo Teodorico invadiram a ilha quando o mar tinha congelado. Os autótonos vingaram-se fazendo incursões em partes da Livónia na primavera seguinte. Em 1220 uma armada sueca liderada pelo rei João I e o bispo Carlos de Lincopinga capturaram Lihula na Rotália, praça situada muito perto de Saaremaa. Os osilianos atacaram a fortificação e mataram toda a guarnição que a defendia incluindo o bispo Carlos de Lincopinga.

Em 1222, o rei dinamarquês Valdemar II tentou uma segunda conquista de Saaremaa, desta vez estabelecendo uma fortaleza de pedra salvaguardada por uma guarnição. O forte foi cercado e rendeu-se em cinco dias, a guarnição dinamarquesa voltou a Reval mas tiveram que deixar a Teodorico e outros como reféns para a paz. O castelo foi destruído pelos autótonos.

Em 1227, os Irmãos Livónios da Espada, a cidade de Riga e o Bispado de Riga organizaram um ataque combinado contra Saaremaa. Depois da rendição dos dois maiores fortes osilianos, Muhu e Valjala, os osilianos foram obrigados a aceitar formalmente o cristianismo.

Depois da derrota dos Irmãos Livónios da Espada na Batalha de Saule em 1236, os osilianos retomam a luta em Saaremaa.

Em 1241 os osilianos uma vez mais aceitaram o cristianismo assinando tratados com o líder da Ordem Livónia, Andreas de Velven e o Bispado de Ösel-Wiek. Este foi seguido por um tratado assinado em 1255 pelo mestre da Ordem, Anno Sangerhausenn, e, do lado dos osilianos, cujos nome dos anciãos foram foneticamente transcrevidos pelos escrivães latinos como Ylle, Culle, Enu, Muntelene, Tappete, Yalde, Melete, e Cake.[56] O tratado garantiu aos osilianos vários direitos distintivos salvaguardando a independência da terra, a ordem social e a prática da religião.

A guerra voltou em 1261 porque os osilianos renunciaram novamente ao cristianismo e mataram todos os alemães na ilha. Um tratado de paz foi assinado depois da união das forças da Ordem Livónia, do Bispado de Ösel-Wiek e a Estónia Dinamarquesa, derrotaram os osilianos capturando o seu forte em Kaarma.[10] Pouco depois, a Ordem Livónia estabeleceu um forte de pedra em Pöide.

Guerra contra os curónios e os semigalianos (1219-1290)

Depois das derrotas dos estónios, a cruzada movilizou-se contra os curónios (1242-1267), os semigalianos (1219-1290), as tribos bálticas que viviam que ao sul e oeste do rio Daugava e aliados próximos dos samogícios.[26][57][58][59][60]

Depois da derrota na Batalha de Saule pelos samogícios e os semigalianos, os sobreviventes dos Irmãos Livónios da Espada foram re-organizados em 1237, como uma subdivisão da Ordem Teutónica e vieram a ser conhecidos como a Ordem Livónia.[61] Os cruzados finalmente conseguiram dominar os curónios em 1269 mas não seria até 1290 quando o último foco de resistência, os semigalianos, haviam de ser derrotados.[26][58] A parte sul dos territórios ficaram baixo o domínio do Grão-Ducado da Lituânia.[58]

Consequências


Depois da conquista as populações locais foram cristianizadas.[62][63] Em 1535, foi impresso o primeiro livro em estónio que era um catecismo luterano.[64]

A região foi dividida em seis principados feudais pelo legado papal Guilherme de Módena: Arcebispado de Riga, Bispado da Curlândia, Bispado de Dorpat, Bispado de Ösel-Wiek, as terras pertencentes aos Irmãos Livónios da Espada e o dominium directum do rei da Dinamarca, o Ducado da Estónia.[7][16][17][18]

Em 1227 os Irmãos Livónios da Espada conquistaram todos os territórios dinamarqueses no norte da Estónia.[10][28][36][41] Depois da Batalha de Saule os membros sobreviventes uniram-se à Ordem Teutónica em 1237 em tornaram-se conhecidos como a Ordem Livónia.[61] Em 1238 pelo Tratado de Stensby os cavaleiros teutónicos devolveram o Ducado da Estónia a Valdemar II, até que em 1346, depois da Revolta da Noite de São Jorge as terras foram vendidas e voltaram para o domínio da Ordem fazendo parte do Estado da Ordem Teutónica.[65][66][67][68]

Referências


  1. Riley-Smith, Jonathan Simon Christopher (1 de janeiro de 2005). The Crusades: A History (em inglês). [S.l.]: A&C Black. ISBN 9780826472694 
  2. Selart, Anti (31 de março de 2015). Livonia, Rus’ and the Baltic Crusades in the Thirteenth Century (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9789004284753 
  3. Barber, Malcolm; Mallia-Milanes, Victor; Nicholson, Helen J. (1 de janeiro de 2008). The Military Orders: History and heritage (em inglês). [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. ISBN 9780754662907 
  4. «The Baltic Crusade in Estonia | Histrodamus.ee» . www.eestiajalugu.ee. Consultado em 18 de março de 2016 
  5. a b c Haywood, John (8 de outubro de 2015). Northmen (em inglês). [S.l.]: Head of Zeus. ISBN 9781781855225 
  6. Publishing, Britannica Educational (1 de junho de 2013). Estonia, Latvia, Lithuania, and Poland (em inglês). [S.l.]: Britanncia Educational Publishing. ISBN 9781615309917 
  7. a b c Milliman, Paul (11 de janeiro de 2013). ‘The Slippery Memory of Men’: The Place of Pomerania in the Medieval Kingdom of Poland (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9004182748 
  8. «Livonia | historical region, Europe» . Encyclopædia Britannica. Consultado em 18 de março de 2016 [ligação inativa]
  9. «The Expansion of Christendom: Crusading in Northern Europe, 1147 - 1415» . Medievalists.net. Consultado em 19 de março de 2016 
  10. a b c d e f g h Kasekamp, Andres (31 de agosto de 2010). A History of the Baltic States (em inglês). [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 9780230364509 
  11. (U.S.), Latvia Sūtniecība (1 de janeiro de 1944). Latvian-Russian relations: documents (em inglês). [S.l.]: The Latvian legation 
  12. a b c «Northern Crusades - Livonian Crusade - Campaign Against The Livonians (1198–1212) | Campaign Livonians (1198–1212) |» . www.liquisearch.com. Consultado em 19 de março de 2016 
  13. Herbermann, Charles George (1 de janeiro de 1940). The Catholic encyclopedia: an international work of reference on the constitution, doctrine, discipline, and history of the Catholic church (em inglês). [S.l.]: Gilmary Society 
  14. «Pope Innocent III» . www.nndb.com. Consultado em 18 de março de 2016 
  15. Bilmanis, Alfreds; vēsts, Drauga (1 de janeiro de 1945). The church in Latvia (em inglês). [S.l.]: Drauga vēsts 
  16. a b Brundage, James A. (1 de janeiro de 1972). «The Thirteenth-Century Livonian Crusade: Henricus de Lettis and the First Legatine Mission of Bishop William of Modena» . Jahrbücher für Geschichte Osteuropas. 20 (1): 1–9 
  17. a b Christiansen, Eric (4 de dezembro de 1997). The Northern Crusades (em inglês). [S.l.]: Penguin Adult. ISBN 9780140266535 
  18. a b Helle, Knut (4 de setembro de 2003). The Cambridge History of Scandinavia (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521472999 
  19. Tyerman, Christopher (1 de janeiro de 2006). God's War: A New History of the Crusades (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 9780674023871 
  20. Beer, Andreas; Mackenthun, Gesa (1 de janeiro de 2015). Fugitive Knowledge: The Loss and Preservation of Knowledge in Cultural Contact Zones (em inglês). [S.l.]: Waxmann Verlag. ISBN 9783830982814 
  21. Howard, Jonathan (1 de janeiro de 2011). The Crusades: A History of One of the Most Epic Military Campaigns of All Time (em inglês). [S.l.]: BookCaps Study Guides. ISBN 9781610428040 
  22. a b c d e «Riga municipality portal» . www.riga.lv. Consultado em 19 de março de 2016 
  23. a b c Ring, Trudy; Watson, Noelle; Schellinger, Paul (28 de outubro de 2013). Northern Europe: International Dictionary of Historic Places (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781136639449 
  24. a b c «Riga History | A Brief History of Riga» . www.local-life.com. Consultado em 19 de março de 2016 
  25. a b c Miljan, Toivo (21 de maio de 2015). Historical Dictionary of Estonia (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9780810875135 
  26. a b c d e Howard, Jonathan (1 de janeiro de 2011). The Crusades: A History of One of the Most Epic Military Campaigns of All Time (em inglês). [S.l.]: BookCaps Study Guides. ISBN 9781610428040 
  27. a b c Plakans, Andrejs (24 de fevereiro de 2011). A Concise History of the Baltic States (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521833721 
  28. a b c Miljan, Toivo (21 de maio de 2015). Historical Dictionary of Estonia (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9780810875135 
  29. «Excavations on the Hill Forts of South-East Estonia: Kõivuküla, Märdi, Truuta and Aakre» (PDF). ave11_koos.indd - AVE2011_Valkjt_linnamaed.pdf 
  30. Plakans, Andrejs (24 de fevereiro de 2011). A Concise History of the Baltic States (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521833721 
  31. inc, Encyclopædia Britannica (1 de janeiro de 1998). The New Encyclopædia Britannica (em inglês). [S.l.]: Encyclopædia Britannica. ISBN 9780852296332 
  32. Frucht, Richard C. (1 de janeiro de 2005). Eastern Europe: An Introduction to the People, Lands, and Culture (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 9781576078006 
  33. a b Lock, Peter (15 de abril de 2013). The Routledge Companion to the Crusades (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781135131371 
  34. Lindholm, David; Nicolle, David (27 de fevereiro de 2007). The Scandinavian Baltic Crusades 1100-1500 (em inglês). [S.l.]: Osprey Publishing. ISBN 9781841769882 
  35. a b c «History of Tallinn > Tallinn» . www.tallinn.ee. Consultado em 20 de março de 2016 
  36. a b c d e Melton, J. Gordon (15 de janeiro de 2014). Faiths Across Time: 5,000 Years of Religious History [4 Volumes]: 5,000 Years of Religious History (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 9781610690263 
  37. «Denmark - Denmark Facts - Destination Denmark - Denmark Tourism Guide - Copenhagen Portal<» . copenhagenet.dk. Consultado em 20 de março de 2016 
  38. a b «Today in History: 15 June 1219: Battle of Lyndanisse - Danes Use Dannebrog Flag, Oldest National Flag in World» . Skepticism - Skeptical Notes on Politics, Culture, Religion. Consultado em 20 de março de 2016 
  39. «Estonica.org - The great state coat of arms of the Republic of Estonia» . www.estonica.org. Consultado em 20 de março de 2016 
  40. a b Venning, Timothy; Frankopan, Peter (1 de maio de 2015). A Chronology of the Crusades (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781317496434 
  41. a b c d Nicolle, David (1 de janeiro de 1996). Lake Peipus 1242: Battle of the Ice (em inglês). [S.l.]: Osprey Publishing. ISBN 9781855325531. Consultado em 20 de março de 2016. Arquivado do original em 2 de abril de 2016 
  42. «Rakvere Castle's History | Rakvere linnus» . www.rakverelinnus.ee. Consultado em 20 de março de 2016 
  43. Jensen, Dr Carsten Selch; Tamm, Dr Marek; Kaljundi, Ms Linda (28 de julho de 2013). Crusading and Chronicle Writing on the Medieval Baltic Frontier: A Companion to the Chronicle of Henry of Livonia (em inglês). [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. ISBN 9781409482628 
  44. Milliman, Paul (11 de janeiro de 2013). ‘The Slippery Memory of Men’: The Place of Pomerania in the Medieval Kingdom of Poland (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9004182748 
  45. Fonnesberg-Schmidt, Iben (1 de janeiro de 2007). The Popes and the Baltic Crusades: 1147-1254 (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9004155023 
  46. Selart, Anti (31 de março de 2015). Livonia, Rus’ and the Baltic Crusades in the Thirteenth Century (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9789004284753 
  47. «Ruins of the Viljandi Order Castle, Estonia» . Visitestonia.com. Consultado em 20 de março de 2016 
  48. Turnbull, Stephen R. (25 de maio de 2004). Crusader Castles of the Teutonic Knights (2): The Stone Castles of Latvia and Estonia 1185-1560 (em inglês). [S.l.]: Osprey Publishing. ISBN 9781841767123 
  49. «Tourism.Cesis.lv - History of the Cesis Castle» . www.tourism.cesis.lv. Consultado em 20 de março de 2016. Arquivado do original em 1 de abril de 2016 
  50. «Hansa union city Cēsis and Switzerland of Vidzeme- Sigulda | Discover Latvia Tours» . www.discover-latvia.lv. Consultado em 20 de março de 2016 
  51. «tourism.sigulda.lv - Sigulda tourism - Castle of Livonian Order in Sigulda» . tourism.sigulda.lv. Consultado em 20 de março de 2016 
  52. «Medieval Castles in Latvia» . Latvian History. Consultado em 20 de março de 2016 
  53. Kiviorg, Merilin (1 de janeiro de 2011). Religion and Law in Estonia (em inglês). [S.l.]: Kluwer Law International. ISBN 9789041136329 
  54. Riley-Smith, Jonathan (25 de fevereiro de 2014). The Crusades: A History (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. ISBN 9781472508799 
  55. Fonnesberg-Schmidt, Iben (1 de janeiro de 2007). The Popes and the Baltic Crusades: 1147-1254 (em inglês). [S.l.]: BRILL. ISBN 9004155023 
  56. Hildebrand, Hermann; Schwartz, Philipp; Arbusow, Leonid; Bulmerincq, August Michael von (1 de janeiro de 1970). Liv-, est- und kurländisches Urkundenbuch: Bd. 1. 1093-1300. Bd. 2. 1301-1367. Bd. 3. 1368-1393, mit Nachträgen zu Bd. 1 und 2. Bd. 4. 1394-1413. Bd. 5. 1414-Mai 1423. Bd. 6. Nachträge zu Bd. 1-5. Bd. 7. Mai 1423-Mai 1429. Bd. 8. Mai 1429-1435. Bd. 9. 1436-1443. Bd. 10. 1444-1449. Bd. 11. 1450-1459. Bd. 12. 1461-1472. Sachregister zu Abt. 1, Bd. 7-9 (em alemão). [S.l.]: Scientia Verlag 
  57. «Crusades | Latvian History» . latvianhistory.com. Consultado em 21 de março de 2016 
  58. a b c Waldman, Carl; Mason, Catherine (1 de janeiro de 2006). Encyclopedia of European Peoples (em inglês). [S.l.]: Infobase Publishing. ISBN 9781438129181 
  59. «The Crusade in Semigallia and Battle of Saule in 1236» . Latvian History. Consultado em 21 de março de 2016 
  60. Christiansen, Eric (4 de dezembro de 1997). The Northern Crusades (em inglês). [S.l.]: Penguin UK. ISBN 9780141937366 
  61. a b Publishing, Britannica Educational (1 de junho de 2013). Estonia, Latvia, Lithuania, and Poland (em inglês). [S.l.]: Britanncia Educational Publishing. ISBN 9781615309917 
  62. «The Ancient Latvian Religion - Dievturiba» . www.lituanus.org. Consultado em 21 de março de 2016 
  63. Ph.D, Kevin C. O'Connor (4 de junho de 2015). The History of the Baltic States, 2nd Edition (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 9781610699167 
  64. «Estonian Language - estonia.eu» . estonia.eu. Consultado em 21 de março de 2016. Arquivado do original em 7 de abril de 2016 
  65. Guides, Insight (1 de fevereiro de 2016). Insight Guides: Estonia, Latvia and Lithuania (em inglês). [S.l.]: Apa Publications (UK) Limited. ISBN 9781780059082 
  66. Nicolle, David (1 de janeiro de 1996). Lake Peipus 1242: Battle of the Ice (em inglês). [S.l.]: Osprey Publishing. ISBN 9781855325531. Consultado em 21 de março de 2016. Arquivado do original em 3 de abril de 2016 
  67. «Jüriöö (St. George's Night) Park, Estonia» . Visitestonia.com. Consultado em 21 de março de 2016 
  68. «St. George Night's Uprising | Histrodamus.ee» . histrodamus.ee. Consultado em 21 de março de 2016 









Categorias: Cruzada Livoniana




Data da informação: 16.12.2020 07:09:07 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.