Dinastia dos Amalos


Os Amalos (em alemão: Amaler; em latim: Amali), também conhecidos como Amalingos ou Amelungos, foram uma dinastia reinante dos godos, um povo germânico que entrou em contado com o Império Romano a partir o século III. A origem e história dos Amalos é descrita na obra Gética de Jordanes, na qual é fornecida uma genealogia das 19 gerações de governantes Amalos, desde seu fundador Gaute até Vitige (r. 536–540), que ligou-se à família por seu casamento com Matasunta.[1]

Os Amalos posteriormente tornaram-se a casa real dos ostrogodos e fundaram os Reinos Ostrogóticos da Panônia e Itália. Durante o reinado do rei Alarico II (r. 484–507) do Reino Visigótico, o casamento do rei com Teodegoda, filha de Teodorico, o Grande (r. 474–526), levou a união das casas dinásticas visigótica e ostrogótica; dessa união nasceu Amalarico (r. 511–531).[2]

Índice

Genealogia


De acordo com o relato de Jordanes a genealogia dos Amalos é como se segue:[1]

Agora o primeiro destes heróis, como eles próprios relatam em suas lendas, era Gaute, que gerou Hulmul. E Hulmul gerou Hagal; e Hagal gerou ele que foi chamado Amal, de quem o nome do Amalos advém. Esse Amal gerou Hisarna. Hisarna, além disso, gerou Ostrogoda, e Ostrogoda gerou Hunuino, e Hunuino por sua vez gerou Atal. Atal gerou Aquiulfo e Odulfo. Agora Aquiulfo gerou Ansila e Ediulfo, Vultulfo e Hermenerico. E Vultulfo gerou Valaravano e Valaravano gerou Vinitário. Vinitário, além disso, gerou Vandalário; Vandalário gerou Teodomiro e Valamiro e Videmiro; e Teodomiro gerou Teodorico. Teodorico gerou Amalasunta; Amalasunta gerou Atalarico e Matasunta de seu marido Eutarico, cuja raça foi assim unida a dela em parentesco.

O supracitado Hermenerico, o filho de Aquiulfo, gerou Hunimundo, e Hunimundo gerou Torismundo. Agora Torismundo gerou Berimundo, Berimundo gerou Veterico e Veterico, por sua vez, gerou Eutarico, que casou com Amalasunta, e gerou Atalarico e Matasunta. Atalarico morreu nos anos de sua infância, e Matasunta casou com Vitige, de quem ela não gerou filho. Ambos foram levados juntos por Belisário para Constantinopla. Quando Vitige passou dos assuntos humanos, Germano, o patrício, um primo do imperador Justiniano, tomou Matasunta em casamento e a fez uma patrícia ordinária. E dela ele gerou um filho, também chamado Germano. Mas após a morte de Germano, ela determinou-se a permanecer uma viúva.

História


Segundo a Gética, em algum momento após a migração gótica de Gotiscandza para Aujo sob Filímero, os ostrogodos (grutungos) passaram a ser governados pelos Amalos, enquanto os visigodos (tervíngios) pelos Baltos.[3] Os Amalos permaneceram uma família grutunga proeminente, principalmente durante o reinado de Hermenerico, no século IV. Nesse período, os hunos sob Balamber atacaram os godos e fizeram dos grutungos seus vassalos.[4] Os Amalos continuaram a reinar sob suserania huna e participaram na batalha dos Campos Cataláunicos sob Átila, o Huno (r. 434–453).[5]

Com a morte de Átila, os irmãos Teodomiro (r. 451–474/475), Valamiro (r. 451–465) e Videmiro (r. 451–473) rebelaram-se contra os hunos, derrotando-os na batalha de Nedao e conseguindo a independência de seu povo. Depois disso, foram reassentados na Panônia sob consentimento do imperador Marciano (r. 450–457) e fundaram um Reino Federado na região.[6] Teodorico, o Grande, filho de Teodomiro, em 493, fundaria o Reino Ostrogótico da Itália.[7] Em ca. 494, uniu as dinastia ostrogótica e visigótica com o casamento de sua filha Teodegoda com Alarico II (r. 484–507)[2] e mais adiante, em 515, uniu os dois ramos Amalos existente ao casar sua outra filha Amalasunta com Eutarico.[8][1]

Na literatura


Na Canção dos Nibelungos e alguns outros poemas épicos medievais germânicos, os seguidores de Teodorico de Verona são referidos como Amelungos. Em outros casos, Amelungo é reinterpretado como o nome dos ancestrais de Teodorico.[9] A Crônica dos Imperadores também refere-se a família de Teodorico como Amelungos,[10] e em uma carta do bispo Meinardo de Bamberga,[11] bem como nos Anais de Quedlimburgo, Amelungo é usado para referir-se ao próprio Teodorico.[12]

Referências


  1. a b c Jordanes 551, XIV.79-82.
  2. a b Cameron 2000, p. 122.
  3. Jordanes 551, V.42.
  4. Jordanes 551, XXIV.129.
  5. Martindale 1980, p. 1069.
  6. Wolfram 1990, p. 261.
  7. Bury 1923, XII.454-455.
  8. Hodgkins 1891, cáp. 13.
  9. McConnell 2013, p. 51-52.
  10. Massmann 1854, p. 942.
  11. Kramarz-Bein 1996, p. 245.
  12. Teodorico de Verona 1953, p. 12.

Bibliografia


  • Cameron, Averil; Bryan Ward-Perkins; Michael Whitby (2000). The Cambridge Ancient History, Volume 14 - Late Antiquity: Empire and Successors, A.D. 425-600. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-32591-9 
  • Hodgkins, Thomas (1891). Theodoric the Goth. Nova Iorque e Londres: G. P. Putnam's sons 
  • Kramarz-Bein, Susanne (1996). Hansische Literaturbeziehungen: Das Beispiel der Þhiðreks saga und verwandter Literatur. Berlim: Walter de Gruyter 
  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1980). The prosopography of the later Roman Empire - Volume 2. A. D. 395 - 527. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press 
  • Massmann, Hans F. (1854). Der Kaiserchronik dritter Theil: 1,4,3. [S.l.]: Druck und Verlag von Gottfr. Basse 
  • McConnell, Winder; Wunderlich, Werner; Gentry, Frank; Mueller, Ulrich (2013). The Nibelungen Tradition: An Encyclopedia. Londres: Routledge. ISBN 1136750193 
  • Teodorico de Verona (1953). Le cycle de Dietrich: morceaux choisis. Avec introd. Paris: Aubier-Montaigne 
  • Wolfram, Herwig (1990). History of the Goths. Berkeley, Los Angeles e Londres: University of California Press. ISBN 9780520069831 









Categorias: Dinastia dos Amalos




Data da informação: 03.03.2021 06:23:06 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.