Dukkha


Dukkha (traduzido do páli, "sofrimento". Lê-se /dúk-kha/, com o h aspirado, como no inglês.) é um dos princípios fundamentais do budismo. É chamado de "a primeira nobre verdade", sendo causado pelas nossas emoções perturbadoras (kleshas)[1]. A transitoriedade e insubstancialidade de todos os fenômenos é um fato que pode ou não causar sofrimento, de acordo com nossa visão.

Índice

Descrição


A primeira Nobre Verdade proferida por Buda Shakyamuni após sua iluminação é normalmente descrita como "A vida (como experienciamos) é sofrimento", ou "Existe sofrimento".

Este sofrimento abarca dos níveis mais sutis aos mais grosseiros de não satisfatoriedade, atrito e desconforto. É uma constatação da angústia humana, que é tomada como base para depois desenvolver o caminho para o fim deste sofrimento.[2]

O Buddha definiu sofrimento como:

Agora, bhikkhus, esta é a nobre verdade do sofrimento: nascimento é sofrimento, envelhecimento é sofrimento, enfermidade é sofrimento, morte é sofrimento; tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero são sofrimento; a união com aquilo que é desprazeroso é sofrimento; a separação daquilo que é prazeroso é sofrimento; não obter o que se deseja é sofrimento; em resumo, os cinco agregados influenciados pelo apego são sofrimento. [3]

É preciso ressaltar que a tradução de dukkha simplesmente como 'sofrimento' é considerada incompleta, muitos autores propõem outras traduções alternativas como: insatisfatoriedade, alegria e sofrimento juntos, "estresse" e "o que é difícil de suportar".[4]

dukkha refere-se a toda experiência condicionada no samsara, sejam nossos momentos infelizes ou até felizes. A razão dos momentos felizes também serem consideradas dukkha é que com a separação daquilo que nos faz felizes também estamos condicionados a sofrer. O Buddha não nega a felicidade desses momentos, mas aponta para uma felicidade maior, que não depende das condições externas e portanto não é frágil como a felicidade mundana.[5]

É necessário enfatizar que todos os vários aspectos de dukkha de fato tem sua origem em causas, o que assim possibilita sua investigação e, portanto, seu término. Ao encontrar as causas-raiz de dukkha e destruí-las, a vida humana pode se tornar feliz e próspera.[6]

Os três tipos de dukkha


Há três tipos básicos de dukkha[7] [8]:

  1. Dukka Dukkata, o dukkha comum da dor, os Devas não experienciam este dukkha.
  2. Viparinama Dukkata, o dukkha da mudança, se afastar do belo ou se aproximar do feio.
  3. Sanskara Dukkata, o dukkha intelectual, a tentativa existencial e angustiante de procurar filosofias, ideias, padrões, códigos, regras, dogmas, postulados ou teorias verdadeiras, estéticas, estáveis, eternas, universais, concisas e gerais.

Os seis tipos de dukkha


Todos os seres dos seis reinos do samsara passam pelos seis tipos de dukkha que são as consequências de uma mente não iluminada[9]:

  1. O dukkha das dúvidas e incertezas
  2. O dukkha de não se conseguir obter tudo o que é desejado
  3. O dukkha de ter que continuamente mudar de corpo
  4. O dukkha do nascimento
  5. O dukkha de subir e descer, melhorar e piorar, alegrar-se e entristecer
  6. O dukkha da morte

Referências


  1. HAHN, Thich Nhat (1999). The Heart of the Buddha's Teaching. New York: Broadway books. p. 22 
  2. http://www.acessoaoinsight.net/caminho_liberdade/dukkha.php
  3. http://acessoaoinsight.net/sutta/SNLVI.11.php Dhammacakkapavattana Sutta, primeiro discurso do Buddha após iluminação
  4. http://www.accesstoinsight.org/lib/authors/thanissaro/mountains.html
  5. http://www.acessoaoinsight.net/caminho_liberdade/nibbana.php descrição da felicidade de Nibbana
  6. GYATZO, Tenzim. O Despertar da Visão da Sabedoria. Brasília: Ed Teosófica, 1999.
  7. The Great Treatise on the Stages of the Path to Enlightenment: The Lam Rim Chen Mo by Tsong Khapa. Translated by the Lamrim Chenmo Translation Committee. Snow Lion/Shambhala Publications.
  8. http://acessoaoinsight.net/sutta/SNLVI.11.php
  9. Liberation in the Palm of Your Hand: A Concise Discourse on the Path to Enlightenment by Pabongka Rinpoche / Trijang Rinpoche. Translated by Michael Richards. Wisdom Publications. Click here to download a PDF of 100 pages of excerpts, including the multiple introductions and appendixes, extensive Lamrim outline, and first chapter “Introductory Discourse on the Lamrim”; courtesy of Wisdom Publications. - The official website of the Jangchup Lamrim Teachings by His Holiness the 14th Dalai Lama of Tibet

Ligações externas


Este artigo sobre budismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o .
A Wikipédia possui o
Portal do budismo









Categorias: Conceitos filosóficos budistas | Palavras, frases e expressões em sânscrito




Data da informação: 17.12.2020 06:10:16 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.