Equação de Laplace - pt.LinkFang.org

Equação de Laplace


Equação de Laplace, em matemática, é uma equação diferencial parcial cujo nome honra seu criador, Pierre Simon Laplace. Trata-se de uma equação diferencial elíptica de alta relevância, pois é descritora modelar de comportamentos em vários campos da ciência, como, por exemplo, a astronomia, o eletromagnetismo, a mecânica dos fluidos, formulando-lhes as funções potencial gravitacional, elétrica, fluídica, entre outras aplicações. Com efeito, a teoria geral de soluções para a equação de Laplace é conhecida como teoria do potencial.

Índice

Definição


Em um conjunto aberto \({\textstyle U\subset \mathbb {R} ^{n}}\), a equação de Laplace é definida por:[1]

\({\displaystyle \Delta f=0}\)

onde, \({\textstyle \Delta }\) denota o operador de Laplace (ou, laplaciano):

\({\displaystyle \Delta f:=\sum _{i=1}^{n}{\frac {\partial ^{2}f}{\partial x_{i}^{2}}}}\)

Aqui, a incógnita \({\textstyle f}\) é uma função de \({\textstyle U\subset \mathbb {R} ^{n}}\) em \({\textstyle \mathbb {R} .}\) Uma tal função \({\textstyle f}\) é dita ser harmônica, se é solução da equação de Laplace e é duas vezes continuamente diferenciável, i.e. \({\textstyle \Delta f=0}\) e \({\textstyle f\in C^{2}(U,~\mathbb {R} )}\). Em muitos textos, o operador laplaciano é denotado por \({\textstyle \nabla ^{2}}\). Esta notação é motivada pelo fato de que \({\textstyle \Delta =\nabla \cdot \nabla }\), onde \({\textstyle \nabla }\) denota o gradiente.

Definição em \({\textstyle \mathbb {R} ^{2}}\)

Em duas dimensões, i.e. no espaço euclidiano \({\textstyle \mathbb {R} ^{2}}\), a equação de Laplace toma a forma[2] (em coordenadas cartesianas):

\({\displaystyle {\frac {\partial ^{2}f}{\partial x^{2}}}+{\frac {\partial ^{2}f}{\partial y^{2}}}=0}\)

Em coordenadas polares \({\textstyle (r,~\theta )}\), a equação torna-se:

\({\displaystyle {\frac {\partial ^{2}g}{\partial r^{2}}}+{\frac {1}{r}}{\frac {\partial g}{\partial r}}+{\frac {1}{r^{2}}}{\frac {\partial ^{2}g}{\partial \theta ^{2}}}=0}\)

Para obter esta equação faz-se as mudanças de variáveis \({\textstyle x=r{\text{cos }}\theta }\), \({\textstyle y=r{\text{sen }}\theta }\) e \({\textstyle g(r,\theta )=f(r{\text{cos }}\theta ,r{\text{sen }}\theta )}\).

Definição em \({\textstyle \mathbb {R} ^{3}}\)

Em três dimensões, o problema consiste em determinar funções reais \({\textstyle f}\) duplamente diferenciáveis, de variáveis reais \({\textstyle x}\), \({\textstyle y}\) e \({\textstyle z}\), tais que:

- em coordenadas cartesianas

\({\displaystyle {\partial ^{2}f \over \partial x^{2}}+{\partial ^{2}f \over \partial y^{2}}+{\partial ^{2}f \over \partial z^{2}}=0.}\)

- em coordenadas cilíndricas,

\({\displaystyle {1 \over \rho }{\partial \over \partial \rho }\left(\rho {\partial f \over \partial \rho }\right)+{1 \over \rho ^{2}}{\partial ^{2}f \over \partial \theta ^{2}}+{\partial ^{2}f \over \partial z^{2}}=0}\)

- em coordenadas esféricas,

\({\displaystyle {1 \over r^{2}}{\partial \over \partial r}\left(r^{2}{\partial f \over \partial r}\right)+{1 \over r^{2}\sin \varphi }{\partial \over \partial \varphi }\left(\sin \varphi {\partial f \over \partial \varphi }\right)+{1 \over r^{2}\sin ^{2}\varphi }{\partial ^{2}f \over \partial \theta ^{2}}=0}\)

Solução fundamental


A função \({\textstyle \Phi :\mathbb {R} ^{n}-\{0\}\to \mathbb {R} }\) definida por:

\({\displaystyle \Phi (x)=\left\{{\begin{array}{rr}-{\frac {1}{2\pi }}\ln |x|&,n=2\\{\frac {1}{n(n-2)\alpha (n)}}{\frac {1}{|x|^{n-2}}}&,n\geq 3\end{array}}\right.}\)

é chamada de solução fundamental da equação de Laplace.[1] Aqui, \({\textstyle \alpha (n)}\) denota o volume da bola unitária em \({\textstyle \mathbb {R} ^{n}}\). Verifica-se, por substituição direta, que \({\textstyle \Delta \Phi =0}\) em \({\textstyle \mathbb {R} ^{n}-\{0\}}\).

Condições de contorno


A equação de Laplace deve ser complementada com condições de contorno.

Problema de Dirichlet

Ver artigo principal: Problema de Dirichlet

Quando como condição de contorno é especificado o valor da função sobre o contorno \({\textstyle \partial D}\) do domínio \({\textstyle D}\), esta é denominada condição de contorno de Dirichlet:

\({\displaystyle {\begin{array}{rclcl}\Delta \varphi &=&0,\quad &x\in D\\\varphi &=&g,&x\in \partial D\end{array}}}\).

Unicidade

Como consequência do princípio do máximo forte para funções harmônicas, mostra-se que se \({\textstyle D}\) é conexo, \({\textstyle \varphi \in C^{2}(D)\cap C({\bar {D}})}\) e \({\textstyle g\in C(\partial D)}\) é uma função não-negativa (não-positiva), então \({\textstyle \varphi }\) é não-negativa (não-positiva) em \({\textstyle D}\). Como consequência, existe no máximo uma solução para o problema de Dirichlet sobre tais hipóteses.[1]

Observamos que a unicidade de solução para o problema de Dirichlet pode ser garantida mesmo sem a hipótese de conexidade sobre \({\textstyle D}\). Para tanto, veja condição de contorno de Dirichlet para equação de Poisson.

Representação da Solução

Se \({\textstyle u\in C^{2}({\bar {D}})}\) é solução do problema de Dirichlet acima, então:[1]

\({\displaystyle \varphi (x)=-\int _{\partial D}g(y){\frac {\partial G(x,y)}{\partial \nu }}(x,y)\,dS(y)}\)

onde, \({\textstyle \nu }\) é a normal unitária exterior a \({\textstyle \partial D}\) e \({\textstyle \partial G(x,y)/\partial \nu }\) é a derivada normal da função de Green:

\({\displaystyle G(x,y)=\Phi (y-x)-\phi ^{x}(y),\quad \forall x,y\in D,~x\neq y.}\)

Aqui, \({\textstyle \Phi }\) é a solução fundamental (veja acima) e, para cada \({\textstyle x}\), \({\textstyle \phi ^{x}=\phi ^{x}(y)}\) é solução de:

\({\displaystyle {\begin{array}{rclcl}\Delta \phi ^{x}&=&0,\quad &x\in D\\\phi ^{x}&=&\Phi (y-x),&x\in \partial D\end{array}}}\)
Fórmula de Poisson para a bola

A fórmula de representação acima depende da função de Green \({\textstyle G(x,y)}\). Em alguns casos esta função é conhecida. Se \({\textstyle D=B(0,r)=\{x:~\|x\|<r\}}\), então:[1]

\({\displaystyle G(x,y)={\frac {r^{2}-\|x\|^{2}}{n\alpha (n)r}}{\frac {1}{\|x-y\|^{n}}}}\)

a qual é conhecida como núcleo de Poisson para a bola \({\textstyle B(0,r)}\). De fato, podemos mostrar que se \({\textstyle g\in C(\partial B(0,r))}\), então:[1]

\({\displaystyle \varphi (x)=-\int _{\partial B(0,r)}g(y){\frac {\partial G(x,y)}{\partial \nu }}(x,y)\,dS(y)=-{\frac {r^{2}-\|x\|^{2}}{n\alpha (n)r}}\int _{\partial B(0,r)}{\frac {g(y)}{\|x-y\|^{n}}}dS(y),\quad \forall x\in B(0,r)}\)

é solução do problema de Dirichlet no sentido que \({\textstyle \Delta \varphi =0}\) e:

\({\displaystyle \lim _{\begin{array}{cc}x\to y\\x\in B(0,r)\end{array}}\varphi (x)=g(y),\quad \forall y\in \partial B(0,r).}\)


Problema de Neumann

Quando como condição de contorno é especificado a derivada normal função incógnita sobre o contorno \({\textstyle \partial D}\) do domínio \({\textstyle D}\), esta é denominada condição de contorno de Neumann:

Neste caso o valor da derivada normal da função é especificado sobre o contorno:

\({\displaystyle {\begin{array}{rclcl}\triangle \varphi &=&0,\quad &x\in D\\{\frac {\partial }{\partial \eta }}\varphi &=&g,&x\in \partial D\end{array}}.}\)

Uma condição de existência pode ser encontrada integrando a equação em todo o domínio \({\textstyle D}\) e aplicando a primeira identidade de Green:

\({\displaystyle 0=\int _{D}0dx=\int _{D}\triangle \varphi dx=\int _{\partial D}{\frac {\partial }{\partial \eta }}\varphi dS(x)=\int _{\partial D}gdS(x)}\)

Referências


  1. a b c d e f Evans, Lawrence C. (2010). Partial Differential Equations 2 ed. [S.l.]: American Mathematical Society. ISBN 978-0821849743 
  2. Figueiredo, Djairo (1987). Análise de Fourier e equações diferenciais parciais 2 ed. [S.l.]: IMPA. ISBN 8524400269 

Ver também



Este artigo sobre matemática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o .









Categorias: Análise de Fourier | Equações | Equações diferenciais parciais elípticas | Funções harmônicas | Pierre-Simon Laplace




Data da informação: 03.03.2021 12:49:09 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.