Geografia quantitativa - pt.LinkFang.org

Geografia quantitativa


O quarto paradigma da geografia é o da Geografia Teórico-Quantitativa ou Nova Geografia. O momento histórico, que se formou e consolidou esta corrente foi muito marcada pela a situação sócio-econômica que vivia o mundo no pós-Segunda Guerra.Utilizada pela classe dominante o cenário de destruição fez com que os geógrafos buscassem novas formulações para superar a crise econômica capitalista. Esta corrente efetua uma crítica a geografia tradicional pela sua insuficiência da análise tradicional. “Os números servem para o Estado interferir na realidade”. Caracterizada pelo uso de métodos matemático-estatísticos, essa nova geografia desenvolveu-se principalmente nas décadas de 1960 e 70. Na essência buscava a substituição do trabalho de campo pelos experimentos laboratoriais, com muitas mensurações, dados estatísticos, gráficos e tabelas bastante sofisticadas. Foi uma corrente excludente, pouco democrática, já que boa parte desses dados era obtida por sensores e material sofisticado. A própria denominação Teorética, denominação dada a uma vertente dessa corrente, dava a ideia do rompimento com os trabalhos empíricos. A estatística era o principal caminho para se chegar à comprovação de hipóteses e esclarecimentos de fenômenos geográficos. É importante que se destaque a função da geografia marxista na quebra ideológica com as correntes ideológicas propostas desde o Determinismo de Ratzel

Índice

Principais Características


Contexto histórico


Usada como um forte instrumento do poder estatal uma vez que podia manipular dados através de resultados estatísticos, a Geografia Quantitativa predominou na Grã-Bretanha e EUA principalmente na década de 1960 e até meados da década de 1970.

A partir da década de 1960 a Geografia Quantitativa começou a sofrer críticas bastante duras muito pelo facto de não considerar as particularidades dos fenômenos, como disse Milton Santos , " A geografia quantitativa ou teorética nos traz uma fotografia , uma descrição, e meras descrições não podem ser confundidas com explicações onde estas serão apoiadas pelos métodos científicos" . Uma vez que o método matemático explica o que acontece a dado momento mas não explica os intervalos desse dado momento, não é levado em conta a história de formação destes lugares , a ação do homem dentro do meio e o materialismo histórico, por isso Milton Santos chama esta linha de pensamento de fotografia. A acrescentar a isso apresenta os dados considerando o "todo" como sendo homogéneo desconsiderando assim as particularidades inerentes à vida humana.

Com as críticas a aumentarem de tom o paradigma da Geografia Quantitativa acaba por ser substituído pela Geografia Radical ou Geografia Critica como é conhecido no Brasil. .

Citações de principais autores


No seu primeiro livro, Explanation in Geography, publicado em 1969, David Harvey versa sobre a epistemologia da geografia, ainda no paradigma da Geografia Quantitativa:

"Por tanto, la diferencia entre una hipótesis y una ley de carácter científico sería una cuestión del alcance de comprobación o del grado de confianza.”[1]
“The spatial organisation of the future will develop from existing spatial structures, from trends that have already started, and from new developments which are difficult to forecast.”[2]
"Forma, função, estrutura e processo são quatro termos disjuntivos associados, a empregar segundo um contexto do mundo de todo dia. Tomados individualmente apresentam apenas realidades, limitadas do mundo antigo e cenozoico. Considerados em conjunto, porém, e relacionados entre si, eles constroem uma base teórica e metodológica a partir da qual podemos discutir os fenômenos espaciais em totalidade."[3]
“[...] ‘há métodos científicos para a pesquisa geográfica, mas não métodos geográficos de pesquisa, assim toda pesquisa científica seguiria o mesmo conjunto de procedimentos, o que difere na pesquisa é o objeto de estudo, no caso da Geografia o das organizações espaciais, Em cada ciência, o que a diferencia das demais é o seu objeto. Cada ciência contribui para a compreensão da ordem e da estrutura existentes, e o sector da Geografia é o das organizações espaciais. A abordagem da geografia científica está baseada na observação empírica, verificação de seus enunciados e na importância de isolar aos fatos de seus valores. Ao separar os valores atribuídos aos factos dos próprios factos, a ciência procura ser objetiva e imparcial.”[4]

Referências


  1. HARVEY, David,Exlanation in Geograhy,1969
  2. ABLER,Ronald;GOULD,Peter;ADAMS,John S.Spatial Organization, 1977
  3. SANTOS,Milton,1985
  4. CHRISTOFOLETTI,António, Perspectivas da Geografia,1985

Ligações externas











Categorias: Ramos da geografia




Data da informação: 17.12.2020 06:26:04 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.