Gramática do esperanto


Tópico sobre esperanto
Esse artigo faz parte da série em desenvolvimento Esperanto-Gramática
Gramática
Esperanto | Gramática | Alfabeto | Ortografia | Vocabulário | Correlativos | Preposições | Conjunções | Afixos
História
História | Zamenhof | Esperanto Arcaico | "Unua Libro" | Declaração de Boulogne | "Fundamento" | Manifesto de Praga
Cultura
Cultura | Esperantujo | Cinema | Internacia Televido | La Espero | Bibliotecas | Literatura | Falantes nativos | Cultura pop | Publicações | Símbolos | Dia de Zamenhof
Organizações e serviços
Amikeca Reto | Akademio de Esperanto | Kurso de Esperanto | Pasporta Servo | TEJO | UEA
Críticas
Esperantido | Valor propedêutico | Reformas | Esperanto X Ido | Interlingua | Novial
Wikimedia
Portal | Vikipedio | Vikivortaro | Vikicitaro | Vikifonto | Vikilibroj | Vikikomunejo | Vikispecoj
editar

As regras gramaticais do esperanto são altamente regulares. Isso torna o idioma muito fácil de aprender em relação às demais línguas do mundo.

As classes gramaticais são óbvias, por exemplo: o sufixo -o indica um substantivo, -a um adjetivo, -e um advérbio, -i um verbo no infinitivo, -as um verbo no tempo presente do indicativo, e assim por diante para outras classes e funções gramaticais.

As regras para formação de palavras são simples e diretas. Utiliza-se um sistema extensivo de afixos que, livremente combinados com raízes/radicais, geram o vocabulário. Essa combinação de radicais e afixos permite que os falantes se comuniquem com um vocabulário de raiz muito menor do que da maioria das línguas. É possível comunicar-se efetivamente com um vocabulário de 400 a 500 raízes/radicais, embora haja muitos vocabulários especializados para ciências, profissões e outras atividades.

Gramáticas de referência incluem a Plena Analiza Gramatiko (PAG -Gramática Analítica Completa) de Kálmán Kalocsay e Gaston Waringhien, e a Plena Manlibro de Esperanta Gramatiko (PMEG — Manual Completo da Gramática do Esperanto) de Bertilo Wennergren.

Índice

As 16 Regras


A gramática do esperanto foi apresentada por Zamenhof por 16 regras simples, junto com uma coleção de exemplos de uso. Atualmente, existem explicações muito mais profundas e didáticas disponíveis na internet ou em livros (ver seção de links). Mesmo assim, estas regras continuam sendo a base do esperanto e dão uma visão geral do funcionamento da língua. As 16 regras são estas (elas serão exemplificadas mais tarde neste artigo):[1]

Não há, em esperanto, artigo indefinido. O artigo definido é la, não variando para gênero, caso nem número.

Os substantivos são terminados, no nominativo singular em o; para o plural acrescenta-se j.

Existem apenas dois casos: nominativo e acusativo, o acusativo se forma com o acréscimo da terminação n.

Os adjetivos são terminados em a, concordando em número e caso com os substantivos.

O comparativo de superioridade é formado com o vocábulo pli, o superlativo com plej. O comparativo é seguido da conjunção ol, o superlativo da preposição el.

Os numerais cardinais são: 0 nulo, 1 unu, 2 du, 3 tri, 4 kvar, 5 kvin, 6 ses, 7 sep, 8 ok, 9 naŭ, 10 dek, 100 cent, 1000 mil. As dezenas e centenas se formam pela simples junção dos numerais. Os ordinais são formados com o acréscimo da terminação adjetiva a, existe também a forma substantiva, com a terminação correspondente.

Os pronomes pessoais são: mi (eu), vi (tu), li (ele), ŝi (ela), ĝi (ele/ela, pronome sem gênero), ni (nós), vi (vós), ili (eles), oni (sujeito indeterminado). Usa-se o vi como tratamento formal, equivalente ao você, como na língua alemã. Para formar os possessivos se faz o acréscimo da terminação adjetiva a, a declinação é a mesma que a dos substantivos.

O verbo não varia em pessoa nem em número. As terminações dos modos e tempos são as seguintes: Presente, as; passado, is; futuro, os; modo condicional, us; imperativo, u, infinitivo, i.

Particípios ativos: presente, ant; passado, int; futuro, ont.

Particípios passivos: presente, at; passado, it; futuro, ot.

Os tempos da voz passiva se obtém combinando o verbo esti (ser/estar) com o particípio do verbo em causa. A preposição da voz passiva é de.

Os advérbios derivados terminam em e; os graus de comparação são formados da mesma forma que com os adjetivos.

Todas as preposições por si mesmas pedem o caso nominativo.

Cada letra representa um som, e cada som uma única letra, não há letras mudas, toda palavra é lida como se escreve.

Em todas as palavras completas (isto é: não apostrofadas) a sílaba tônica é a penúltima. Nas palavras apostrofadas, passa a ser a última.

Palavras compostas são formadas pela simples junção de palavras, sendo a principal a que ficar no fim. As terminações gramaticais são consideradas palavras autônomas.

A negação é simples. Havendo outra palavra negativa, retira-se a partícula ne.

Para indicar alvo, direção (ex.: " aonde?"), acrescenta-se a terminação do caso acusativo (n), por exemplo Kien vi iras? ( Aonde vais?), Domen (A casa).

Toda preposição tem um significado constante e bem definido; se se necessitar duma preposição, mas o sentido não mostrar claramente qual, usa-se a preposição je, sem significação própria.

As palavras "estrangeiras", aquelas que muitas línguas colhem de uma fonte, são usadas em esperanto sem modificação, apenas recebendo a ortografia do esperanto; obviamente é recomendado que se use apenas o radical da palavra importada.

A terminação substantiva o e o a do artigo definido la podem-se substituir por um apóstrofo.

Alfabeto e pronúncia


O alfabeto do esperanto foi moldado de forma a possuir para cada letra um som único, não importando onde ela se encontre na palavra. As palavras são escritas da exata maneira que são faladas, e lidas foneticamente. Esse fato ajudou o esperanto a se tornar compreensível quando falado por todos os povos, graças a total padronização da pronúncia desse alfabeto. O alfabeto esperantista tem as seguintes letras:

Esperanta alfabeto
A B C Ĉ D E F
G Ĝ H Ĥ I J Ĵ
K L M N O P R
S Ŝ T U Ŭ V Z

(Maiúsculas)

Esperanta alfabeto
a b c ĉ d e f
g ĝ h ĥ i j ĵ
k l m n o p r
s ŝ t u ŭ v z

(Minúsculas)

A pronúncia e detalhes sobre a tipografia desse alfabeto podem ser vistos no artigo sobre o alfabeto do esperanto.

Pronomes


Os pronomes do esperanto são os seguintes:

Pessoal Mi
Eu
Vi
Tu
Ŝi
Ela
Li
Ele
Ĝi
Eles (Para animais, , vegetais e objectos inanimados)
Ni
Nós
Vi
Vós/Você/Vocês
Ili
Eles/Elas
One
Se (índice de indeterminação do sujeito)
Si
Si
Possessivo Mia
Meu/Minha
Via
Teu/Tua
Ŝia
Seu/Sua/Dela
Lia
Seu/Sua/Dele
Ĝia
Seu/Sua (Para animais, vegetais e objectos inanimados)
Nia
Nosso/Nossa
Via
Vosso/Vossa/Seu/Sua
Ilia
Deles/Delas
Onia
ø
Sia
Seu/Sua

Se o pronome pessoal for objeto direto ele recebe a terminação -n.

Os pronomes possessivos podem ter também as terminações -j para formar o plural e -n na mesma palavra.

Si

Si é um pronome reflexivo, pode ser usado com ŝi, li, ĝi, ili, oni ou palavras cuja substituição por essas seja possível, para mostrar por exemplo ação dirigida a si próprio, e não a outro. O pronome si nunca deve ser usado junto a mi, vi, ou ni para mostrar uma ação reflexiva. O pronome-adjetivo sia(j) nunca pode ser usado como sujeito de frase.

Oni

Oni é um pronome indefinido, ele é usado para falar a respeito de alguém não definido ou mais de uma pessoa não definida. Como no pronome ĝi, oni não diferencia gênero.

Substantivos e artigo definido


Os substantivos em esperanto não têm gênero gramatical - (masculino, feminino ou neutro). Mas eles se flexionam em número - (singular e plural). A terminação "o" marca o singular, ex:

Para formar o plural, adiciona-se a terminação "j", assim:

Na poesia, podemos ocultar a terminação o com um apóstrofo:

O artigo definido em esperanto é a palavra "la". Ele não varia quanto a número, gênero, pessoa, etc:

O artigo pode ser apostrofado, ficando assim: "l'"; isso é feito quando a sonoridade de alguma preposição anterior ao artigo permitir, ou quando a palavra que se segue começar com vogal, contudo, isso não é feito no diálogo normal onde se pronuncia o vocábulo inteiro "LA", sendo um recurso mais usado na poesia esperantista:

Deve-se tomar cuidado com a sonoridade gerada, pois essa pode gerar algumas confusões, exemplo:

O artigo indefinido (um, uma, uns, umas), não existe em esperanto. Exemplificando, quando se quer dizer "um cachorro", se diz simplesmente "hundo" (cachorro). Ao usar o numeral "unu" (um) antes de um substantivo damos a ideia de numeral mesmo: um, não mais que um. Ex: Venis unu lernanto = Venis nur unu lernanto Veio 1 aluno (apenas um, e não dois, três, etc).

As palavras iu e unu (ou seus plurais iuj e unuj) podem ser usadas mais ou menos como artigos indefinidos, mas elas tem significado mais próximo de "algum" ou "alguns" e "um certo" ou "certos" do que de "um" ou "uma". Entretanto, existem casos em que unu corresponde ao artigo indefinido "um" ou "uma", quando estes indicam especifidade. Por exemplo:[2]

Ŝi volas edziniĝi al svedo. "Ela quer se casar com um sueco." (ela quer que se casar com um homem de nacionalidade sueca, sem nenhuma pessoa específica em mente)

Ŝi volas edziniĝi al unu svedo. "Ela quer se casar com um sueco." (o homem com quem ela quer se casar é sueco e é uma pessoa específica)

Adjetivos


Os adjetivos em esperanto são terminados em “a”. Eles não variam quanto a gênero- (masculino, feminino ou neutro). Para variar de singular para plural se usa a terminação “j”. Eles concordam em caso e número com os substantivos. No Esperanto é o mais comum usar a ordem "adjetivo + substantivo", assim como é no idioma inglês por exemplo, porém é comum ver também a ordem "substantivo + adjetivo" para se dar ênfase ao citado.

Podem-se formar substantivos em adjetivos, simplesmente substituindo-se o "-o" por "-a":

Podem-se imbuir várias entonações aos adjetivos, usando alguns recursos:

Mais sobre isso pode ser visto no estudo das advérbios e afixos.

Comparação


Para estabelecer comparação entre características ou indivíduos usa-se o grau comparativo para denotar:

Para estabelecer comparação entre um indivíduo e um grupo, usa-se o grau superlativo:

Os advérbios também aceitam o mesmo grau de comparação:

O advérbio plej é usado também para exprimir o mais alto grau, o maior nível possível de uma qualidade. Assim temos:

Numerais


Numerais Cardinais

Esperantaj numeroj
0: nulo 1: unu 2: du 3: tri 4: kvar
5: kvin 6: ses 7: sep 8: ok 9: naŭ
10: dek 100: cent 1000: mil

temos também:

Alguns exemplos:

Outros tipos de numerais

Os numerais ordinais (primeiro, segundo, terceiro...) formam-se adicionando-se a terminação adjetiva “a” ao ordinal cardinal, exemplo:

Os ordinais podem ser abreviados da seguinte maneira: 7-a, 10-a; ou ainda com o uso do acusativo: 8-an, 9-an.

Podemos criar também advérbios derivados dos numerais cardinais, para isso, basta adicionar a terminação adverbial "e":

Os numerais multiplicativos podem ser formados com o sufixo "obl":

Os numerais fracionários se formam com a adição do sufixo "on":

Temos ainda o sufixo "op", usado para se formar os coletivos:

Para formar os distributivos usa-se a preposição "po":

Para exemplificar: "Al ĉiu el miaj lernantoj mi donis po tri krajonoj": "Para cada um dos meus alunos eu dei três lápis".

Verbos


Os verbos do esperanto têm 4 modos: indicativo, infinitivo, condicional, imperativo. Só variam quanto a tempo. Um exemplo de conjugação verbal em esperanto, usando o verbo fari (fazer):

Tempo Infinitivo Presente Pretérito Futuro Condicional Imperativo
Partícula -i -as -is -os -us -u
Explicação Fari
Fazer
Faras
Faço/z/es/em(os)
Faris
Fiz(este(s))/emos/eram

Fez

Faros
Farei/á(s)/eis/emos/ão
Farus
Faria((i)s)/mos/am
Faru

Faz(ei)/Faça(m)

Exemplo Kiu iros fari la manĝaĵon?

Quem irá fazer a comida?
Ĉu estas vi kiu faras la manĝaĵon?

És tu quem faz a comida?
Ŝi ne faris la manĝaĵon.

Ela não fez a comida.
Kiu faros la manĝaĵon?

Quem fará a comida?
Mi farus la manĝaĵon.

Eu faria a comida.
Faru vi la manĝaĵon.

Faz tu a comida.

Construções complexas

As construções complexas ocorrem quando palavras numa determinada sentença possuem tempos diferentes, isso normalmente ocorre por exemplo com os verbos "querer", "poder" e "dever".

Particípios da Voz Ativa e Passiva


Em esperanto, tantos os particípios da voz passiva como os da voz ativa possuem três tempos, e ainda a possibilidade de serem usados como substantivos, adjetivos e advérbios. Detalhes sobre os particípios do esperanto podem ser vistos no artigo sobre os verbos do esperanto.

Particípios da voz ativa

Em português temos a forma verbal terminada em ndo, essa forma é chamada de gerúndio, ou particípio presente. Fazendo, cantando, aprendendo, lendo, comendo, aumentando, são exemplos de gerúndio.

A forma adjetiva, terminada em nte, quase desapareceu na língua portuguesa, mas deixou alguns adjetivos ainda usados, alguns exemplos são: ouvinte, errante, agonizante, poente, crente, seguinte, contribuinte, sobrevivente, etc. Nessa forma não temos indicação de tempo.

Em esperanto temos uma terminação para cada tempo:

Particípios da voz passiva

Os verbos que dizem que algo/alguém faz alguma ação são verbos de voz ativa. Os verbos que dizem que algo/alguém sofre alguma ação são verbos de voz passiva.

Exemplos:

Como podemos observar, na voz passiva foi usado o verbo ser/estar seguidos do particípio passado, em esperanto igualmente é usado o verbo esti, mas usa-se três tempos para o particípio da voz passiva. Exemplificando com o verbo fari (fazer):

Negação e Interrogação


No esperanto a negação é simples, isto é, faz-se apenas uma vez, ao contrário de alguns casos no português e italiano. Ex:

Na interrogação usamos a partícula "ĉu", que pode ser traduzida como "por acaso/por ventura/será que", mas que geralmente não é traduzida, é usado em perguntas cuja respostas necessitam de "sim" ou "não", isso fica claro nos exemplos:

Ou pode-se fazer uma afirmação e depois perguntar sobre sua veracidade:

Pode-se usar também os correlativos (ver abaixo) começados em "ki" para introduzir uma interrogação.

Advérbio


Exemplos de advérbios bastante usados no esperanto.

Almenaŭ
Ao menos
Ambaŭ
Ambos, os dois
Ankaŭ
Também
Ankoraŭ
Ainda
Antaŭ
Antes
Apenaŭ
Apenas, quase não
Baldaŭ
Logo, em breve, cedo, em pouco
Ĉirkaŭ
Ao redor, aproximadamente

Até, até mesmo, mesmo
For
Longe, distante
Hieraŭ
Ontem
Hodiaŭ
Hoje
Iufoje
Algumas vezes
Ja
Com efeito, em verdade, mesmo
Jam
Jen
Eis, eis aqui, eis ali, eis que
Jes
Sim
Ĵus
Agora mesmo, nesse justo momento passado
Kontraŭ
Contra
Kune
Junto
Kvazaŭ
Como que
Kvankam
Embora, ainda que, ainda se
Morgaŭ
Amanhã
Minus
Menos (operação matemática)
Ne
Não
Nepre
Forçosamente, absolutamente
Nun
Agora, atualmente
Nur
só, somente, apenas, simplesmente
Ofte
Frequentemente
Parkere
De cor
Pli
Mais (em quantidade ou intensidade)
Plej
O mais
Plu
Mais (em duração ou continuação)
Plus
Mais (operação matemática)
Precipe
Principalmente, sobretudo
Preskaŭ
Quase
Spite
A despeito, apesar
Super
Acima de, por cima de, por sobre (sem haver contato)
Supre
Em cima, no alto
Tre
Muito (em intensidade)
Tro
Demais, demasiadamente, demasiado
Tuj
Imediatamente, já, nesse momento que começa (futuro)
Unue
Primeiramente
Volonte
De boa vontade, de bom grado

A maior parte dos advérbios acima é de fácil uso para os falantes da língua portuguesa, mas alguns merecem uma atenção especial:

Terminações adverbiais

O esperanto desenvolveu o uso dos advérbios em um nível muito alto, tanto que absolutamente não se tem em português advérbios equivalentes, apenas expressões adverbiais mais ou menos satisfatórias para a tradução, o que é o caso dos advérbios derivados de radicais com a terminação "e", que dependendo da sua raiz indicará modo, lugar, tempo ou quantidade, podendo ser traduzido para português como única palavra ou expressão adverbial. Em esperanto é possível dizer "en la mateno" (na manhã, de manhã), mas é muito mais comum dizer apenas "matene" (na manhã, pela manhã, de manhã). Para a tradução perfeita, poderíamos usar o advérbio matinalmente, mas esse não soa natural. Outros exemplos:

Junção de raízes mais terminação "e":

Existe ainda a possibilidade de adicionar a terminação adjetiva "a" nos advérbios:

Outra possibilidade é adicionar a terminação adverbial "e" em um advérbio, gerando curiosas formações:

Dos advérbios também pode-se fazer verbos, substantivos etc. Isso será mais bem estudado na construção de palavras em esperanto.

Determinativos Correlativos


Ver o artigo completo: Correlativos do esperanto

Correlativos são palavras que exprimem uma relação mútua e podem ser usadas aos pares. Por exemplo, as palavras usadas para formular questões e que exigem respostas específicas diferentes dum sim ou não. "O quê?" exige uma resposta por "algo", "aquilo", "tudo" ou "nada". Os pares "onde/ali", "quando/sempre", "como/assim" etc, são outros exemplos de correlativos. O esperanto tem uma maneira muito interessante e prática de construir seus correlativos: ao todo existem 45 correlativos, derivados de quatro prefixos e nove sufixos, com um "i" intercalar. Note-se que a série dos indefinidos, que são a base do sistema, não tem prefixo, começando diretamente por i- ("i"ndefinidos). Quatro destas séries são pronominais e/ou adjetivais e cinco são adverbiais. Assim, basta aprender o significado desses 13 afixos para ter acesso a todos os correlativos da língua. E vale a pena aprendê-los, visto que estas palavras simples constituem aproximadamente 10% de qualquer texto em esperanto.

Prefixos

Sufixos

Juntando os prefixos e sufixos com o i intercalar, tem-se, kiu, kio, kia, tiu, tio, tia, etc.

Algumas ideias complementares são formadas com partículas especias, como por exemplo a partícula ĉi:

E a partícula ajn:

O Caso Acusativo


O caso acusativo indica direção, alvo. É um dos grandes responsáveis pela flexibilidade do esperanto, mas é o que mais encontra dificuldade para ser dominado pelos estudantes falantes de línguas em que o caso acusativo não é comum.

Os verbos transitivos necessitam de um complemento para que seu sentido fique suficientemente claro, esse complemento é chamado de objeto direto, ou complemento direto. Em esperanto, o objeto direto da oração é assinalado com a terminação n, característica do caso acusativo.

Em português dizemos: "O menino jogou a bola", significando que o menino foi o responsável pela ação de jogar, e a bola foi quem sofreu essa ação, isso é indicado pela ordem das palavras, que na maior parte dos casos é sujeito - verbo - objeto direto. Se invertêssemos a ordem da frase, teríamos: "A bola jogou o menino", ou então, "jogou a bola o menino", "o menino a bola jogou", e várias outras modificações, o sentido da frase ao longo dessas alterações foi modificado igualmente.

Alvo/Ação

Em esperanto, a ordem do sujeito e do objeto não altera o sentido da oração, pois o objeto direto estará devidamente assinalado. Assim temos:

Para modificar o sentido da frase, isto é, trocarmos o sujeito e o objeto direto (quem faz e quem sofre a ação), basta assinalar o objeto direto com a terminação n, que fica no caso acusativo. Quem executa a ação está no caso nominativo, terminado em o:

Direção

O acusativo pode indicar direção, usa-se o n por exemplo quando queremos definir movimento para determinado local, assim podemos formar frases assim:

A partícula o é mantida no lugar de e caso preposições sejam mantidas:

Outra forma (pouco comum) de dizer as três frases acima é substituir o acusativo por duas preposições seguidas:

Outros

O adjetivo também leva a terminação acusativa, isso pode ser visto nos exemplos:

Os verbos estimativos (achar, julgar, estimar, considerar, supor, etc) devem ter maior atenção:

Em esperanto, a qualidade ou opinião informada na frase não recebe o acusativo, pois ela é um predicativo. Já os adjetivos acrescentados ao objeto recebem o acusativo normalmente. Essa distinção é difícil de tornar explícita em português, podendo apresentar sentido dúbio por vezes, o que não ocorre em esperanto.

Conjunções


As conjunções do esperanto são as que se seguem:

Há alguns vocábulos que podem funcionar como conjunção, apesar de pertencerem a outras categorias:

As preposições anstataŭ, por e krom passam à categoria de conjunção quando regem verbos (no modo infinitivo).

O esperanto possui também várias outras locuções conjuncionais:

Temos ainda as expressões conjuncionais envolvendo repetição:

Preposições


Ver Preposições do esperanto

O esperanto conta com um grupo definido de preposições. Cada uma pode ter um ou mais significados relacionados. Existe uma preposição especial, je, que é usada quando o significado de nenhuma outra preposição se aproxima do que queremos expressar.

Uso de preposições como advérbios

Em Esperanto, é permitido adicionar a terminação e às preposições, gerando assim advérbios:

Ver verbete com a lista completa de afixos: Lista de afixos do Esperanto

Afixos


Os Afixos (sufixo e prefixo) são muito importantes para o Esperanto, pois eles são os responsáveis pela formação das palavras em esperanto.

Prefixos

Os prefixos somam um total de 10, o prefixo duon(meio-/semi-) normalmente não é colocado na tabela de prefixos.

Ek-

Indica que a ação acontece começa subitamente. Exemplo: vidi, ver. Ekvidi, avistar.

Eks-

Idem a não mais, "ex". Exemplo: reĝo, rei; Eksreĝo, ex-rei.

Mal-

Absolutamente não; o inverso; o contrário. Exemplo: bona, bom; Malbona, mau.

Sufixos

Os sufixos em Esperanto somam um total de 32.

-Aĵ-

Algo concreto. Exemplo: alta, alto; Alto, colina.

-et-

Muito pequeno; muito fraco. Exemplo: varma, quente; varmeta, morno/a.

-ig-

Fazer que algo/alguém faça. Exemplo: labori, trabalhar; laborigi, fazer trabalhar.

-iĝ-

Tornar-se o que a raiz indica. ruĝa, vermelho; ruĝiĝi, avermelhar-se.

-in-

Indica o sexo feminino. Exemplo: knabo, garoto; knabino, garota.

-Ul-

Pessoa deste modo (qualidade) Exemplo: juna-jovem; junulo- o jovem

Interjeições


O Esperanto apesar de ser um idioma planejado, não deixou de ter também suas interjeições, elas vieram de forma pensada e também de forma natural devido ao uso do idioma através do tempo, algumas das várias que o idioma possui são conhecidas pela maioria dos falantes do idioma e outras nem tanto, eis uma pequena lista com algumas das principais interjeições em Esperanto:

Onomatopeias


Onomatopeias são vocábulos que têm a intenção de imitar o som de coisas diversas, animais, como o som do relinchar de um cavalo, o latido de um cão, o bater de uma porta, e também no Esperanto eles são falados e escritos, eis uma pequena lista com alguns famosos:

Ver também


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Livros e manuais no Wikilivros


Ligações externas


Referências


  1. Wells, J.C. (1969). Concise Esperanto and English Dictionary. Hodder and Stoughton. ISBN 0 340 27576 6
  2. Sergio Pokrovskij (2007) 'La artikolo' , in Lingva Kritiko: Studoj kaj notoj pri la Internacia Lingvo









Categorias: Gramática do esperanto




Data da informação: 17.12.2020 05:46:23 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.