Hipocalcemia


Hipocalcemia
Cálcio na tabela periódica
Especialidade Endocrinologia
Sintomas Perturbações da sensibilidade, espasmos, crises epilépticas, confusão[1][2]
Complicações Paragem cardíaca.[1][2]
Causas Hipoparatiroidismo, deficiência de vitamina D, insuficiência renal, pancreatite, intoxicação por bloqueadores dos canais de cálcio, rabdomiólise, síndrome da lise tumoral, bifosfonatos[1][2]
Método de diagnóstico Cálcio no soro < 2,1 mmol/L (cálcio corrigido ou cálcio ionizado)[1][2][3]
Tratamento Suplementos de cálcio, vitamina D, sulfato de magnésio.[1][2]
Frequência ~18% das pessoas hospitalizadas[4]
Classificação e recursos externos
DiseasesDB 6412
eMedicine 241893
MeSH D006996
 Leia o aviso médico 

Hipocalcemia é a concentração de cálcio no sangue inferior ao normal.[5] O valor normal varia entre 2,1 e 2,6 mmol/L (8,8–10,7 mg/dl, 4,3–5,2 mEq/L), definindo-se hipocalcemia como qualquer valor inferior a 2,1 mmol/l.[1][3][6] Nos casos ligeiros e de progressão lenta é comum não se manifestarem sintomas.[2][4] Nos restantes casos os sintomas mais comuns são perturbações da sensibilidade táctil, espasmos, crises epilépticas, confusão ou paragem cardíaca.[1][2]

As causas mais comuns são hipoparatiroidismo e deficiência de vitamina D.[2] Entre outras possíveis causas estão a insuficiência renal, pancreatite, intoxicação por bloqueadores dos canais de cálcio, rabdomiólise, síndrome da lise tumoral e medicamentos como bifosfonatos.[1] O diagnóstico é geralmente confirmado medindo no sangue os níveis de cálcio corrigido ou cálcio ionizado.[2] Algumas alterações específicas podem ser diagnosticadas com um electrocardiograma (ECG).[1]

O tratamento inicial para os casos graves consiste na administração de cloreto de cálcio e possivelmente sulfato de magnésio.[1] Entre outros possíveis tratamentos estão a administração de vitamina D, magnésio e suplementos de cálcio.[2] Quando a hipocalcemia é causada por hipoparatiroidismo, podem também ser recomendados hidroclorotiazida, quelantes de fosfato e uma dieta com baixo teor de sódio.[2] Cerca de 18% das pessoas hospitalizadas apresentam hipocalcemia.[4]

Índice

Sinais e sintomas


Quando se desenvolve lentamente pode não ter sintomas". Casos moderados ou bruscos podem gerar[7]:

Complicações

Em casos severos podem resultar em[8]:

Causas


Existem muitas possíveis causas de hipocalcemia sendo as mais comuns[9][7]:

Causas incomuns[9][7]:

Fisiopatologia


O equilíbrio das concentrações de cálcio é mantido pelo paratormônio (PTH), pelos metabólitos da vitamina D, pela massa óssea e pelos rins. O estado de normocalcemia corresponde a 4,5-5,5 mEq/L ou 9,0-11,0 mg%. É importante frisar que a calcemia corresponde à soma do cálcio ionizado (fração fisiologicamente ativa e que corresponde a cerca de 30% do cálcio circulante), do cálcio não-ionizado e do cálcio ligado às proteínas plasmáticas.

Diagnóstico


Sinal de Chvostek e Trousseau

Existem dois testes comuns para identificar hipocalcemia: Sinal de Chvostek e Sinal de Trousseau.

O sinal de Chvostek consiste em percutir o nervo facial em sua porção inferior ao arco zigomático para provocar uma reação de espasmo facial. Porém tem risco de 29% de falso negativo e 10% de falso positivo, sendo um mal preditor.[10] O Sinal de Trousseau consiste em induzir falta de oxigênio no braço (hipoxia) com o equipamento de medir pressão arterial (tensiometro) para provocar espasmos no punho e dedos. Esse possui apenas 6% de falso negativo e 1% de falso positivo, sendo assim muito mais confiável que o anterior.[9]

Exames de sangue

Por estarem fortemente associados com a regulação do cálcio é importante investigar além dos níveis de cálcio também os níveis de vitamina D, de paratormona, de fosfatos e de magnésio.[7]

Eletrocardiograma

O ECG é importante para analisar se existem arritmias e intervalo QT prolongado.[7]

Tratamento


Suplementos de cálcio e vitamina D por via oral ou intravenosa dependendo da urgência, tratamento da causa primária e melhor inclusão de cálcio na dieta. Alimentos ricos em cálcio, além dos laticínios, incluem[11]:

É importante também melhorar o consumo de vitamina D e magnésio, pois são deficiências nutricionais muito comuns.

Ver também


Referências


  1. a b c d e f g h i j Soar, J; Perkins, GD; Abbas, G; Alfonzo, A; Barelli, A; Bierens, JJ; Brugger, H; Deakin, CD; Dunning, J; Georgiou, M; Handley, AJ; Lockey, DJ; Paal, P; Sandroni, C; Thies, KC; Zideman, DA; Nolan, JP (outubro de 2010). «European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation 2010 Section 8. Cardiac arrest in special circumstances: Electrolyte abnormalities, poisoning, drowning, accidental hypothermia, hyperthermia, asthma, anaphylaxis, cardiac surgery, trauma, pregnancy, electrocution.». Resuscitation. 81 (10): 1400–33. PMID 20956045 . doi:10.1016/j.resuscitation.2010.08.015  
  2. a b c d e f g h i j k Fong, J; Khan, A (fevereiro de 2012). «Hypocalcemia: updates in diagnosis and management for primary care» . Canadian Family Physician. 58 (2): 158–62. PMC 3279267 . PMID 22439169  
  3. a b Pathy, M.S. John (2006). «Appendix 1: Conversion of SI Units to Standard Units». Principles and practice of geriatric medicine. 2 4. ed. Chichester [u.a.]: Wiley. p. Appendix. ISBN 9780470090558. doi:10.1002/047009057X.app01  
  4. a b c Cooper, MS; Gittoes, NJ (7 de junho de 2008). «Diagnosis and management of hypocalcaemia» . BMJ (Clinical Research Ed.). 336 (7656): 1298–302. PMC 2413335 . PMID 18535072 . doi:10.1136/bmj.39582.589433.be  
  5. LeMone, Priscilla; Burke, Karen; Dwyer, Trudy; Levett-Jones, Tracy; Moxham, Lorna; Reid-Searl, Kerry (2015). Medical-Surgical Nursing (em inglês). [S.l.]: Pearson Higher Education AU. p. 237. ISBN 9781486014408. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016  
  6. Minisola, S; Pepe, J; Piemonte, S; Cipriani, C (2 de junho de 2015). «The diagnosis and management of hypercalcaemia». BMJ (Clinical Research Ed.). 350: h2723. PMID 26037642 . doi:10.1136/bmj.h2723   Parâmetro desconhecido |s2cid= ignorado (ajuda)
  7. a b c d e http://www.patient.co.uk/doctor/Hypocalcaemia.htm
  8. http://www.bmj.com/content/346/bmj.f2213
  9. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Cooper
  10. Urbano FL. Signs of hypocalcemia: Chvostek’s and Trousseau’s. Hosp Physician 2000;36:43-5.
  11. http://saude.ig.com.br/alimentacao/17-alimentos-ricos-em-calcio-que-nao-contem-leite/4fac5149dfc7860b0b000428.html

Ligações externas











Categorias: Doenças metabólicas | Transtornos de eletrólitos | Exames de sangue




Data da informação: 24.09.2021 11:45:33 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.