Ibrahim Abu-Lughod


Ibrahim Abu-Lughod
إبراهيم أبو لغد
Nascimento 15 de fevereiro de 1929
Jafa, Mandato Britânico da Palestina
Morte 23 de maio de 2001 (72 anos)
Ramala, Palestina
Nacionalidade palestina
Etnia árabe
Alma mater Universidade de Illinois
Ocupação intelectual palestino
professor universitário
ativista político

Ibrahim Abu-Lughod (em árabe: إبراهيم أبو لغد; Jafa, 15 de fevereiro de 1929Ramala, 23 de maio de 2001) foi um intelectual e ativista político palestino. Foi membro do Conselho Nacional da Palestina e professor universitário.

Advogou a favor da causa Palestina no Conflito israelo-palestino, participando da resistência palestina, representando organizações políticas como a UNESCO e promovendo estudos e debates sobre o conflito.

Índice

Juventude


Abu-Lughod nasceu e foi criado em Jaffa, uma cidade portuária no então Mandato Britânico da Palestina. Seu pai era um fabricante de metal. Desde seus dias de estudante, ele esteve envolvido na luta palestina, manifestando-se contrário ao domínio britânicos e entrando em conflito com os colonos sionistas locais.[1] Concluiu o ensino médio em março de 1948, quase dois meses antes da criação do Estado de Israel. Em seguida, ofereceu-se para trabalhar para o Comitê Nacional em Jafa, buscando desencorajar os residentes palestinos que queriam deixar a cidade em função do conflito israelo-palestino, episódio também conhecido como Nakba. Sua própria família partiu algumas semanas depois, em 23 de abril do mesmo ano. Ativo na resistência, ele permaneceu na cidade, mas em 3 de maio de 1948, após Jafa ter sucumbido às forças do Haganá e da Irgun, ele partiu em um navio belga, o Príncipe Alexander, o último navio a sair de Jafa, com destino a Beirute.[1][2]

Carreira acadêmica


De Beirute (e, brevemente, de Nablus), ele logo partiu como refugiado para os Estados Unidos, onde graduou-se em bacharel de artes pela Universidade de Illinois (1951) e onde concluiu seu doutorado em estudos do Oriente Médio pela Universidade de Princeton (1957). Em seguida, passou três anos como especialista de campo no Egito pela UNESCO, onde dirigiu o departamento de pesquisa em Ciências Sociais. Mais tarde, ele daria várias consultorias para Organização das Nações Unidas (ONU).[2]

Quando retornou à América do Norte, Abu-Lughod iniciou sua carreira acadêmica e compôs o corpo docente da Smith College (Estados Unidos), em 1961, e da Universidade McGill (Canadá), antes de se estabelecer em 1967 na Universidade do Noroeste (Estados Unidos), onde atuou como professor de ciência política por 34 anos e chefe do mesmo departamento entre 1985 e 1988. Posteriormente, tornou-se diretor de pós-graduação e fundou o Instituto de Estudos Africanos na mesma universidade.[2]

O término da Guerra dos Seis Dias, em 1967, motivou Abu-Lughod a fundar a Association of Arab-American University Graduates (1968) e depois a revista de estudos árabes, Arab Studies Quarterly (1978).[1] Tornou-se cidadão estadunidense em 1975.

Seu curso sobre a política do Oriente Médio atraía regularmente muitos estudantes judeus, alguns dos quais se matriculavam para monitorar suas palestras, e "Invariavelmente, eles deixavam a classe professando admiração pelo conhecimento e imparcialidade de Abu-Lughod ao lidar com as difíceis questões políticas da região".[2]

Tido como grande orador, ele falava frequentemente em nome da causa palestina, apesar de possuir um forte interesse em outros movimentos de libertação, tendo viajado extensivamente pelo mundo árabe, pela Ásia e pela África.[1]

Política


Grande defensor da coexistência entre Israel e a Palestina, durante uma conferência Israelo-Palestina na Universidade de Columbia em 1976, disse:

Temos uma tarefa muito difícil como palestino-americanos. Diariamente, testemunhamos os horrores da ocupação israelense de nosso povo e nossa terra, a expulsão, a matança. E testemunhamos o compromisso dos dois povos em chegar a um acordo que tornará possível que indivíduos árabes palestinos e israelenses coexistam na terra da Palestina em pé de igualdade. Estamos levando uma mensagem de esperança ao povo americano e pedindo-lhes que nos ajudem no processo de fazer a paz.
— Ibrahim Abu-Lughod, Washington Report on Middle East Affairs [3]

Em 1977, foi eleito para o Conselho Nacional da Palestina (CNP), cargo pelo qual permaneceu até 1991. Também trabalhou pela UNESCO em Beirute e Paris, buscando estabelecer uma universidade nacional aberta da Palestina em Beirute. No entanto, Abu-Lughod viu seu trabalho ser interrompido pela Guerra do Líbano de 1982, na qual Israel invadiu o Líbano após repetidos ataques e contra-ataques entre a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), que atuava no sul do Líbano, e as Forças de Defesa de Israel (FDI), resultando em vítimas civis de ambos os lados da fronteira. Por essa razão, Abu-Lughod retornou à Universidade do Noroeste. Ele e Edward Said se reuniram em abril de 1988 com o Secretário de Estado dos Estados Unidos, George Shultz, onde Abu-Lughod voltou a defender a coexistência entre Palestina e Israel, desde que a autodeterminação palestina fosse assegurada, seguindo um plano de paz no Oriente Médio.[1]

Família


Abu-Lughod casou-se em 1951 com Janet Abu-Lughod (nascida Lippman); os dois se divorciaram em 1991. Ele deixou três filhas, Lila, Mariam e Deena, seu filho Jawad e seis netos.[4]

Anos finais


Em 1991, tendo renunciado ao CNP, sua cidadania americana lhe permitiu retornar à Palestina pela primeira vez desde 1948. Durante a última década de sua vida, ele foi professor e vice-presidente da Universidade Birzeit na Cisjordânia, que o credita como "um campeão pioneiro" na elaboração do corpo docente de pós-graduação.[5] Continuou a trabalhar em nome do desenvolvimento educacional, social e cultural palestino, afirmando:

A sociedade palestina hoje precisa de um nível mais alto de competência e especialização, que só pode ser alcançado por meio da educação em nível de pós-graduação. Não podemos depender das conquistas de outras sociedades; nós, palestinos, precisamos gerar nossos próprios especialistas no campo.
— Ibrahim Abu-Lughod, Washington Report on Middle East Affairs [3]

Durante esse tempo, ele também foi fundador da Comissão Independente para os Direitos dos Cidadãos, do Centro de Reforma Curricular e do Centro Cultural Qattan em Ramallah.[2]

Deborah J. Gerner escreve que “… ele criticou a ossificação da burocracia palestina que observou nos anos que se seguiram aos acordos de Oslo e profundamente perturbado pelos elementos autocráticos dentro do governo. No entanto, ele nunca desistiu de trabalhar por uma Palestina livre, independente e democrática."[3]

Obras


Esta é uma lista muito parcial dos extensos escritos de Abu-Lughod e não inclui um número considerável de artigos de periódicos.

Livros

Artigos

Obras editadas por Abu-Lughod.

Morte


Abu-Lughod trabalhava para estabelecer uma biblioteca nacional e um Museu da Memória Palestina que traçaria as vidas palestinas desde a pré-história até o presente.[3] Porém, não conseguiu concretizar seu projeto em função de uma doença pulmonar que acabou por matá-lo em 23 de maio de 2001, aos 72 anos. Foi enterrado em Jafa, no terreno da família.

Reconhecimento


Foi descrito pelo intelectual Edward Said como "o principal acadêmico e intelectual da Palestina"[1] e por Rashid Khalidi como "um dos primeiros acadêmicos árabe-americanos a impactar de forma efetiva na forma como o Oriente Médio é retratado na ciência política" e nos Estados Unidos. Sua aluna Deborah J. Gerner escreveu que ele "assumiu o desafio de interpretar a política e a sociedade dos Estados Unidos para a comunidade palestina, bem como de articular eloquentemente as aspirações palestinas para o resto do mundo". [3]

A Universidade de Birzeit prestou homenagem ao nomear o Instituto de Estudos Internacionais Ibrahim Abu-Lughod após sua morte.[6]

Notas


Referências


  1. a b c d e f SAID, Edward (12 de junho de 2001). «Obituário de Ibrahim Abu-Lughod» (em inglês). The Guardian. Consultado em 16 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de abril de 2020  
  2. a b c d e NASSAR, Jamal (2004). «Ibrahim Abu Lughod: the legacy of an activist scholar and teacher». Arab Studies Quarterly (em inglês). v. 26 (n. 4) 
  3. a b c d e GERNER, Deborah (31 de julho de 2001). «Em memória: Ibrahim Abu-Lughod (1929-2001)» . Washington Post. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  4. PACE, Eric (28 de maio de 2001). «Ibrahim Abu-Lughod, 72, Palestinian-American Scholar» (em inglês). The New York Times. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  5. «Universidade de Birzeit lamenta o falecimento do professor Ibrahim Abu Lughod» (em inglês). Universidade de Birzeit. 23 de maio de 2001. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2006  
  6. «Instituto de Estudos Internacionais Ibrahim Abu-Lughod» (em inglês). Universidade de Birzeit. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2019  

Bibliografia


Ligações externas











Categorias: Mortos em 2001 | Naturais da Palestina | Homens | Académicos | Nascidos em 1929 | Escritores da Palestina | Palestinos do século XX | Palestinos




Data da informação: 18.12.2020 02:05:41 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.