Kaisha Atakhanova


Kaisha Atakhanova
Nascimento 18 de julho de 1957 (63 anos)
Qaraghandy
Cidadania União Soviética, Cazaquistão
Ocupação bióloga, ativista social
Prêmios Goldman Environmental Prize
Movimento estético ambientalismo

Kaisha Atakhanova (Karaganda, 18 de julho de 1957) é uma bióloga e ativista social cazaque que ganhou o Prêmio Ambiental Goldman em 2005, e foi nomeada para o Prêmio Nobel da Paz no mesmo ano. Lutou contra a importação de lixo nuclear para o Cazaquistão. [1] É fundadora e ex-diretora do Centro Ecológico de Karaganda (EcoCenter), organização envolvida na defesa da democracia e proteção do meio ambiente, usando a metodologia horizontal do movimento de raiz.[2]

Biografia


Kaisha se graduou em biologia pela Karaganda State University e estudou os efeitos genéticos da radiação em anfíbios.[3][4] No entanto, sentia que sua pesquisa estava sendo pouco aproveitada pela população em geral, e que precisava agir pela mudança e trabalhar com as pessoas afetadas pela radiação em seu país.[5]

O Cazaquistão é um país marcado pelo contaminação nuclear,[6] tendo sido local de testes nucleares durante o governo da União Soviética. Em junho de 2001 um ramo da Kazakh State Committee on Nuclear Energy planejava importar comercialmente lixo radioativo para descarte no país, supostamente com o objetivo de utilizar o dinheiro proveniente dessa atividade para resolver os problemas de radioatividade do país. Para isso, propôs alterar as leis, já que a medida contrariava a legislação vigente na época. Kaisha organizou reuniões com ONGs para impedir a mudança na legislação e, entrando em contato com organizações de dentro e fora do país, chegou a contar com o apoio de 60. A votação, planejada para ocorrer em janeiro de 2003, foi influenciada por Kaisha e sua rede de aliados.[7]

Foi uma campanha que durou dois anos, e sem protestos na rua. Houve longas conversas com cientistas e políticos. Kaisha contactou todos os membros do parlamento cazaque e publicou o posicionamento de cada um. Foi organizado um "ataque por fax", em que diversas pessoas escreveram cartas e enviaram para o parlamento por fax. Uma organização de crianças escreveu cartas para a primeira-dama, organizações de jovens promoveram debates sobre o assunto. "Todos tiveram seu papel", disse Kaisha em entrevista em 2005.[2][5]

Na mesma época, o parlamento cazaque planejava implementar legislação que limitaria a capacidade de organização da sociedade civil, e combater essa ação também se tornou uma bandeira do movimento, levando o parlamento a desistir da mudança. A legislação que permitiria a importação de lixo nuclear foi impedida, e a EcoCenter, liderada por Kaisha, ajudou a desenvolver um movimento ambientalista mundial, o EcoForum, com mais de 100 organizações em 2005.[2][5]

Devido a essa movimentação em defesa do meio ambiente, Kaisha foi premiada com o Prêmio Ambiental Goldman, e disse planejar investir os $125,000 que ganhou em projetos de educação e defesa do meio ambiente.[5]

Em 2005, afirmou que os maiores problemas ambientais do país advém dos seus recursos naturais, como gás natural e mineração de urânio.[5] Em 2012, participou da Rio+20, onde discutiu os riscos do amianto para o seu país.[8] Participou de vários eventos, como a Rio+20 e um evento da WECF, denunciando os riscos da energia nuclear.[9][10]

Homenagens


Referências


  1. «Kaisha Atakhanova» . Women In Peace (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  2. a b c d «Kaisha Atakhanova - Goldman Environmental Foundation» . Goldman Environmental Foundation (em inglês) 
  3. O'Flynn, Kevin (2005). «15 minutes with Kaisha Atakhanova (SSIR)» . Stanford Social Innovation Review (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  4. Fred Pearce (4 de maio de 2005). «Interview: After the bomb» . New Scientist. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  5. a b c d e Nijhuis, Michelle (19 de abril de 2005). «Kaisha Atakhanova fought to keep nuclear waste out of Kazakhstan» . Grist (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  6. a b Dooley, Erin E. (2005). «The Beat» . Environmental Health Perspectives. 113 (8): A517–A519. ISSN 0091-6765 . PMC 1280380 . Consultado em 27 de novembro de 2018 
  7. «Environmental Advocacy and the Movement for Nuclear Safety in Kazakhstan» . Wilson Center (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 
  8. Cristiane Reimberg (21 de junho de 2012). «Movimento quer fim do amianto – Rio +20» . ANAMT - Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  9. Claire Greensfelder; Cai Yiping; Bridget Burns (2012). «O Grupo Majoritário de Mulheres da Rio+20 Pede pelo Fim da Energia Nuclear e Apoio da Energia Segura na Rio+20» (PDF). Women’s Major Group - United Nations Rio+20 Summit. Consultado em 27 de novembro de 2018 
  10. «Live from Copenhagen: Nuclear Energy is not a solution to Climate Change - WECF side event» . www.wecf.eu (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2018 









Categorias: Nascidos em 1957 | Cazaques | Biólogos | Mulheres na ciência | Meio ambiente do Cazaquistão




Data da informação: 17.12.2020 02:31:12 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.