Luís XII de França - pt.LinkFang.org

Luís XII de França




Luís XII
Rei da França
Reinado 7 de abril de 1498
a 1 de janeiro de 1515
Coroação 27 de maio de 1498
Antecessor(a) Carlos VIII
Sucessor(a) Francisco I
 
Esposas Joana, Duquesa de Berry
Ana, Duquesa da Bretanha
Maria da Inglaterra
Descendência Cláudia de França
Renata de França
Casa Valois-Orleães
Nascimento 27 de junho de 1462
  Castelo de Blois, Loir-et-Cher, França
Morte 1 de janeiro de 1515 (52 anos)
  Hôtel des Tournelles, Paris, França
Enterro Basílica de Saint-Denis, Saint-Denis, França
Pai Carlos, Duque d'Orleães
Mãe Maria de Cleves
Religião Catolicismo
Brasão

Luis XII (Loir-et-Cher, 27 de junho de 1462Paris, 1 de janeiro de 1515), também chamado de Luís, foi o Rei da França de 1498 até sua morte. Era filho de Carlos, Duque d'Orleães, e Maria de Cleves, sucedendo seu primo Carlos VIII que havia morrido sem deixar herdeiros.[1]

Órfão de pai aos três anos de idade, tornou-se Duque de Orleans, como Luis II; sendo tutelado pelo rei Luís XI, que lhe proporcionou uma severa educação, visto que naquela ocasião era o herdeiro presumido da Coroa (até 1470, quando nasceu o Delfim, futuro rei Carlos VIII).

Em 1476, Luis XI o fez casar com sua filha, Joana de Valois, Duquesa de Berry, enfermiça e aleijada, pois pretendia desta forma promover a extinção do ramo dos Orleans, fazendo retornar sua herança ao ramo direto dos Valois.[1]

O rei Luis XI, morreu em 1483, deixando o trono a seu filho Carlos VIII, que era menor, sendo o reino confiado a regência de sua filha mais velha, Ana de França e seu marido, Pedro II de Bourbon.

Em 1484, descontente com regência de Ana de França, ainda como Duque de Orleans, Luis aderiu à Liga do Bem Público e participou da chamada “Guerra Louca” (Guerre Folle) caindo prisioneiro na batalha de Saint Aubin-du-Cormier. Após três anos de prisão, foi indultado em 1488 pelo novo rei, seu primo e cunhado, Carlos VIII, a quem acompanhou durante a invasão francesa à Itália, naquilo que se conhece como Primeira Guerra da Itália; onde viu frustradas suas ambições de tomar para si o Ducado de Milão.

Em 1498, torna-se rei em virtude da morte acidental de seu primo Carlos VIII, que morreu sem deixar descendentes, devido a uma hemorragia cerebral, após chocar-se contra um dintel, durante um jogo de pelota com seus pajens no Castelo de Amboise.

Luis XII foi coroado à 27 de maio de 1498, na Catedral de Reims.

Logo após sua coroação solicita ao Papa Alexandre VI, a anulação de seu casamento com Joana de Valois, alegando razões de consanguinidade e que houvera casado contra sua livre vontade.[1]

Apesar da fragilidades das alegações, o Papa pronunciou-se a favor da anulação, em troca da ajuda francesa na conquista da Romagna e da concessão do Ducado de Valentinois a seu filho César Bórgia.

Em 8 de janeiro de 1499, casou-se com Ana, Duquesa da Bretanha, viúva de seu antecessor e primo Carlos VIII, garantindo a si e aos reis franceses a definitiva anexação do Ducado da Bretanha. [1]

Luís era neto de Valentina Visconti, a qual era meia-irmã de Filipe Maria, um antigo duque de Milão que morreu sem filhos, sendo sucedido por um membro da família Sforza; o que lhe deu base para suas pretensões de invasão da Itália e conquista do Ducado de Milão, que julgava ser seu por direito.

Em 1499, Luis XII dá início à Segunda Guerra Italiana (1499-1501); em aliança com a República de Veneza e com Cesar Bórgia, invadindo o Ducado de Milão, onde derrotou Ludovico Sforza, obtendo o domínio sobre Gênova e Milão, reconhecido pelo Tratado de Trento em 1501.

Em 11 de novembro de 1500, França e Aragão assinaram secretamente o Tratado de Granada, dividindo entre si o Reino de Nápoles.

Luis XII enviou à Nápoles em junho de 1501, um exército de onze mil homens comandados por Bernard Stuart, Senhor de Aubigny. Quando o exército achava-se próximo à Roma, os embaixadores de França e Aragão notificaram o Papa Alexandre VI sobre o Tratado de Granada, obtendo o seu apoio mediante a publicação de uma bula que nomeava os dois reis – Luis XII de França e Fernando II de Aragão – como vassalos do Papa em Nápoles. As forças francesas e espanholas avançam em território napolitano, destronando o Rei Frederico I.

O acordo franco-espanhol sobre o domínio de Nápoles teve porém, curta duração. As hostilidades tiveram início em 1502; quando liderados pelo vice-rei Luis de Amagnac; os franceses forçaram os espanhóis, comandados por Gonzalo Fernandez de Córdoba, à retroceder até o sul da península.  

A chegada de reforços espanhóis alterou o rumo da guerra, e os franceses sob comando do Senhor D’Albigny foram derrotados na Batalha de Seminara em 1503. A seguir sofreram nova e decisiva derrota em dezembro do mesmo ano na Batalha de Garellano.  Isolados em Nápoles, assinam a Capitulação de Gaeta em 1504, entregando suas possessões aos espanhóis.

Buscando recompor as perdas sofridas, Luis XII ordenou ainda uma invasão ao Roussilon, onde o exército francês foi igualmente batido pelos espanhóis, o que levou a assinatura dos Tratados de Lyon e de Blois (1504), pelo qual a França renunciava às suas conquistas na Itália meridional.

Mediante o Tratado de Blois, assinado em 22 de setembro de 1504 com Felipe I, rei consorte de Castela; Luis XII acordava o casamento de sua filha Claudia de Valois com o infante Carlos (futuro Carlos I da Espanha e V do Sacro Império Romano-Germânico).

Os Estados Gerais reunidos em Tours, solicitaram a anulação do acordo, pois temiam a virtual ascensão de um príncipe espanhol ao trono francês. Luis XII aquiesceu e tratou a seguir do casamento de sua filha Cláudia com seu primo e herdeiro Francisco de Valois-Angouleme (futuro Francisco I).  

A partir de 1508, Luis XII voltou a intervir na Itália. Estabeleceu a Liga de Cambrai, associando-se a Fernando II de Aragão, ao Imperador Maximiliano I e ao Papa Júlio II, contra a República de Veneza, obtendo a vitória na Batalha de Agnadello (maio de 1508).

Em 1511, o Papa Júlio II, temeroso da política expansionista de Luis XII para o Norte da Itália; lidera a criação da Santa Liga, aliando-se à Espanha e à República de Veneza, obtendo posteriormente a adesão de Inglaterra e Suíça.

Em 1512, a França obtém uma vitória inicial contra as forças do Papado e da Espanha na Batalha de Ravena; porém em 1513, após uma derrota para os suíços na Batalha de Novara, Luis XII perde o controle sobre o Ducado de Milão, que é entregue a Maximiliano Sforza, filho do antigo duque.

Ainda em 1513, sofre nova derrota em Pas-de-Calais frente ao rei Henrique VIII de Inglaterra, na Batalha de Guinegatte (também denominada Batalha das Esporas), enquanto Fernando II de Aragão, ao sul efetua a tomada do Reino de Navarra.

Tornou-se viúvo em 1514, quando a rainha Ana morreu no Castelo de Blois, em 9 de janeiro, de pedra no rim, sendo sepultada em Saint-Denis.

Premido pelos insucessos militares, porém beneficiado pela morte do Papa Júlio II e a eleição de seu sucessor Leão X, que estava inclinado a negociar a paz com a França; Luis XII negocia também com os ingleses, sendo incluído no acordo seu casamento com Maria Tudor, irmã do Rei Henrique VIII, que veio a realizar-se em outubro de 1514.

Luis XII morreu subitamente, no ano novo de 1515, apenas três meses após o seu terceiro casamento; sendo sucedido no trono por seu primo e genro Francisco I, filho do Conde de Angouleme, visto que a Lei Sálica excluía as mulheres da linha de sucessão ao trono.

Legado


Apesar dos seus fracassos militares e diplomáticos, Luis XII foi um monarca popular em seu país, tendo sido intitulado “Pai do Povo” pelo Estados Gerais em 1506.

Graças as reformas fiscais de 1504 e 1508, a sistematização da coleta de impostos resultou no incremento da arrecadação, legando a seus sucessores uma situação favorável, no que se refere ao tesouro real.

Quanto a política interna, figura como um continuador da obra de Luis XI e Carlos VIII, com vistas a centralização do poder, destacando-se a incorporação do Ducado da Bretanha aos domínios da Coroa, mediante seu matrimônio com a Duquesa Ana de Monfort.

A Guerra da Liga de Cambrai (ou da Santa Liga) se estendeu até setembro 1515, quando seu sucessor Francisco I obteve uma decisiva vitória sobre o exército suíço na Batalha de Marignano, recuperando o Ducado de Milão, concluindo-se em 1516 pela assinatura da “Paz Perpétua” com os suíços e da Concordata de Bolonha com o Papa Leão X.

A política de Luis XII na península itálica foi severamente criticada por diversos contemporâneos seus, incluindo o filósofo e historiador Nicolau Maquiavel, em sua famosa obra “O Príncipe”, publicada em 1532.

Casamentos e Filhos


Casou-se em 28 de outubro de 1473 (anulado em 1498) com Joana de Valois ou Santa Joana de França (1464-1505), filha de Luís XI. Sem posteridade.

Casou-se depois no Castelo de Nantes em 8 de janeiro de 1499 com Ana de Montfort, Duquesa da Bretanha (1477-1514), viúva do rei Carlos VIII. Tiveram duas filhas, abaixo.

Casou-se por terceira vez em 9 de outubro de 1514 na catedral de Abbeville com Maria de Inglaterra (1496-1533), irmã de Henrique VIII.

Descendentes de Luís XII com Ana:

Luís XII também teve um filho ilegítimo Michel de Bucy (1489-1511), arcebispo de Bourges em 1505, que morreu em 1511 e foi enterrado na Catedral de Bourges.

Referências


  1. a b c d «Louis XII | Facts, History, & Reign» . Encyclopedia Britannica (em inglês) 
Precedido por:
Carlos VIII
Rei de França
4 de Abril de 14981 de Janeiro de 1515
Sucedido por:
Francisco I
Duque da Bretanha por casamento
8 de Janeiro de 14999 de Janeiro de 1514
com Ana I
Precedido por
Ludovico
Duque de Milão
1499-1500
Sucedido por
Ludovico (restaurado)
Precedido por
Ludovico (restaurado)
Duque de Milão
1500-1512
Sucedido por
Maximiliano
Precedido por
Frederico IV
Rei de Nápoles
1501-1504
Sucedido por
Fernando III
Precedido por
Carlos I
Duque de Orleães
4 de Janeiro de 14654 de Abril de 1498
Sucedido por
unido à coroa










Categorias: Nascidos em 1462 | Mortos em 1515 | Reis da França | Monarcas católicos romanos | Reis de Nápoles | Duques de Milão | Duques de Orleães | Dinastia de Valois | Duques de Valois | Monarcas do século XVI | Sepultados na Basílica de Saint-Denis | Condes de Blois








Data da informação: 30.05.2020 03:40:52 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.