Nomenclatura binomial - pt.LinkFang.org

Nomenclatura binomial




Nomenclatura binomial ou nomenclatura binária designa o conjunto de normas que regulam a atribuição de nomes científicos às espécies de seres vivos. Chama-se binominal porque o nome de cada espécie é formado por duas palavras: o nome do gênero e o epíteto específico, normalmente um adjetivo que qualifica género.

A utilização do sistema de nomenclatura binomial é um dos pilares da classificação científica dos seres vivos sendo regulada pelos códigos específicos da nomenclatura botânica, zoológica e bacteriológica. Foi primeiramente proposta pelo naturalista suíço Gaspard Bauhin, no século XVII e formalizada por Carl Von Linné no século seguinte. Os nomes utilizados são em latim, ou numa versão latinizada da palavra ou das palavras que se pretende utilizar. O nome genérico e o epíteto específico devem sempre ser escritos em tipo itálico, ou, na sua indisponibilidade, ser sublinhados, sendo, sempre que possível, seguidos pelo autor ou autores da descrição (em geral, referido como a "autoridade").

Embora no âmbito do esforço de unificação da nomenclatura biológica os conceitos tenham sido fundidos, tendo hoje o mesmo significado, tradicionalmente, no campo da zoologia, o conceito é referido como "nomenclatura binominal", enquanto que, no campo da botânica, da micologia e da bacteriologia, o conceito é, geralmente, apelidado "nomenclatura binária" ou, por vezes, "nomenclatura binomial".

Índice

Regras básicas de nomenclatura


A nomenclatura binomial é o método formal e o único universalmente aceito para a atribuição do nome científico a espécies (com excepção dos vírus). Como o termo "binomial" sugere, o nome científico de uma espécie é formado pela combinação de dois termos: o nome do género e o descritor específico. Apesar de alguns pormenores diferirem consoante o campo da biologia em que a espécie se insere, os traços determinantes do sistema são comuns e universalmente adaptados:

Por exemplo, Canis lupus ou Anthus hodgsoni. Note-se que esta convenção é recente: Carolus Linnaeus usava sempre maiúscula no descritor específico e até princípios do século XX era prática comum capitalizar o descritor específico se este derivasse de um nome próprio. Apesar de incorrecto pelos padrões actuais, e inaceitável em contexto científico, a utilização de descritores específicos com maiúscula é relativamente comum em literatura não científica, particularmente quando reproduza fontes desactualizadas.
Por exemplo, Amaranthus retroflexus L. ou Passer domesticus (Linnaeus, 1758) – o último foi originalmente descrita como uma espécie do género Fringilla, daí o parêntesis.
Por exemplo, "A população do pardal doméstico (Passer domesticus) está a decrescer na Europa."
Por exemplo, após a primeira referência, Canis lupus pode ser referido como C. lupus. Em alguns casos, em literatura não científica, a abreviatura é mais conhecida do que o nome completo da espécie: — a bactéria Escherichia coli é frequentemente referida simplesmente por E. coli; o Tyrannosaurus rex é provavelmente mais conhecido por T. rex.
Por exemplo: "Canis sp." significa "uma espécie do género Canis".
Por exemplo Corvus cf. corax indica "um pássaro similar ao corvo-comum, mas não identificado com segurança como sendo da espécie.

Vantagens da nomenclatura binomial


As principais vantagens da nomenclatura binomial derivam essencialmente da sua economia descritiva, do seu uso generalizado e da estabilidade de nomes que é por ele favorecida:

Apesar das regras existentes terem como objectivo garantir que cada nome é único e que não há ambiguidades na nomenclatura, na prática algumas espécies têm vários nomes científicos em circulação na literatura, o uso de cada um deles dependendo da opinião taxonómica do autor do texto. Daí que a sinonímia biológica seja um campo de grande complexidade, sendo frequente o aparecimento de espécies com longas listas de sinónimos.

A mais importante fonte de instabilidade no sistema binomial é a ressurreição de nomes esquecidos, mas para os quais se pode reclamar validamente prioridade na publicação. Neste caso, contudo, nos códigos de nomenclatura estão previstas normas de conservação de nomes que permitem a manutenção, pelo menos em certos casos, do nome de uso mais comum.

Códigos de nomenclatura


A partir de meados do século XIX passou a ser aparente a necessidade de um corpo de regras que governassem de forma inequívoca a atribuição de nomes científicos. Tais normas foram inicialmente vertidas nos actuais códigos de nomenclatura: o ICZN, governando a atribuição de nomes a animais; o ICBN, governando a atribuição de nomes a plantas, incluindo os fungos, algas e cianobactérias; e o ICNB governando a nomenclatura de bactérias e vírus. Apesar de um crescente esforço de convergência, estes códigos diferem em aspectos significativos:

Diversos autores têm sugerido a aprovação de um BioCode que substituísse todos os códigos, mas a sua implementação não está para breve. Há também um debate em torno do desenvolvimento de um PhyloCode, criando uma classificação e uma nomenclatura assente em clades das árvores filogenéticas, em vez dos taxa actuais. Os proponentes do PhyloCode referem-se aos códigos existentes como os "códigos lineanos" e denominam "taxonomia lineana" à classificação científica feita com base nesses códigos.

Derivação de nomes


O nome do género e do descritor específico podem derivar de qualquer palavra ou provir de qualquer fonte, tendo apenas como exigência o serem latinizados. Em geral são palavras latinas, mas muitas delas são derivadas de palavras do grego antigo, de nomes de regiões ou lugares, do nome de pessoas (de preferência naturalistas) ou de uma palavra numa língua vernácula. Na prática, os taxonomistas têm criado nomes a partir de uma imensa variedade de fontes de inspiração, incluindo, ao que se diz, alguns casos em que se pretendeu ser jocoso ou criar trocadilhos.

Contudo, os nomes são sempre tratados gramaticalmente como se fossem uma frase latina. Por essa razão, o nome científico da espécie é frequentemente referido como o "nome latino" da espécie, apesar da expressão não colher a aprovação de taxonomistas e de filologistas, os quais tendem a favorecer a designação, mais neutra, de "nome científico".

O nome do género deve obrigatoriamente ser único dentro de cada reino. Os descritores específicos são frequentemente repetidos e são, obrigatoriamente, um modificador adjectivo do nome do género, devendo com ele concordar gramaticalmente. Os nomes das famílias são frequentemente derivados de um género particularmente representativo que a integre.

História


As primeiras tentativas de utilização de um sistema binomial para designar espécies deve-se ao naturalista suíço Gaspard Bauhin, que em pleno século XVII, quase 200 anos antes de Carolus Linnaeus (1707–1778), ensaiou a criação de um sistema que permitisse simultaneamente identificar uma espécie e indicar o agrupamento taxonómico onde poderia ser incluída. O sistema não teve seguidores, em boa parte porque ainda não tinham surgido os metodistas, que nos séculos imediatos tentariam organizar o mundo vivo num sistema racional, e porque os conceitos de taxonomia ainda não tinham amadurecido suficientemente para justificar o conceito.

Com a sua tentativa de descrever todo o mundo natural conhecido, através da atribuição de um nome constituído por duas partes a cada espécie mineral, vegetal ou animal, Lineu iniciou a expansão do conceito. Em consequência lançou um processo que levaria à sua adopção quase universal, de tal forma que o sistema binomial é frequentemente referido por sistema lineano ou nomenclatura de Lineu.

Ver também


Bibliografia


  • Gilbert-Carter, H. (1964). Glossary of the British Flora (em inglês) 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Busby III, Arthur (1997). A Guide to Rocks and Fossils. [S.l.: s.n.] 
  • Knapp, Sandra. What's in a name? A history of taxonomy : Linnaeus and the birth of modern taxonomy. [S.l.]: Natural History Museum, London 
  • Bauhin, Gaspard. Pinax theatri botanici. [S.l.]: Kyoto University Library 
  • Reddy, S.M. (2007). University botany: Angiosperms, plant embryology and plant physiology. [S.l.]: New Age International. ISBN 978-81-224-1547-6 
  • Blunt, Wilfrid (2004). Linnaeus: the compleat naturalist. [S.l.]: Frances Lincoln ltd. ISBN 978-0-7112-2362-2 
  • Gerard, John; Johnson, Thomas (1636). The Herball, or, Generall Historie of Plantes /gathered by John Gerarde of London, Master in Chirurgerie; very much enlarged and amended by Thomas Johnson, Citizen and Apothecarye of London. [S.l.]: Adam Islip, Joice Norton and Richard Whitakers and the Biodiversity Heritage Library 
  • Johnson, A.T.; Smith, H. A. (1972). Plant Names Simplified : Their Pronunciation Derivation & Meaning. Buckenhill, Herefordshire: Landsmans Bookshop. ISBN 978-0-900513-04-6 
  • Polaszek, Andrew (2009). Systema naturae 250: the Linnaean ark. [S.l.]: CRC Press. ISBN 978-1-4200-9501-2 
  • Jobling, James A. (2010). Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  • Van Dyke, Fred (2008). «Contemporary Issues of the Species Concept». Conservation biology: foundations, concepts, applications. [S.l.]: Springer. 86 páginas. ISBN 978-1-4020-6890-4 
  • Russell, Peter J.; Wolfe, Stephen L.; Hertz, Paul E.; Starr, Cecie (2007). «Species Concepts and Speciation». The Linnaean System of Taxonomy. [S.l.]: Cengage Learning. 493 páginas. ISBN 978-0-495-01033-3 
  • Darpan, Pratiyogita (2007). «General Principles of Taxonomy». Competition Science Vision. 10 (114): 764–767 
  • Stevenson, Joan C. (1991). Dictionary of concepts in physical anthropology. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-313-24756-9 
  • Dashwood, Melanie; Mathew, Brian (2005). Hyacinthaceae – little blue bulbs (RHS Plant Trials and Awards, Bulletin Number 11). [S.l.]: Royal Horticultural Society 
  • Bergmann, H. H.; Schottler, B. (2001). «Tenerife robin Erithacus (rubecula) superbus – a species of its own?». Dutch Birding. 23: 140–146 
  • Cantino, P. D.; Bryant, H. D.; de Queiroz, K.; Donoghue, M. J.; Eriksson, T.; Hillis, D. M.; Lee, M. S. Y. (1999). «Species names in phylogenetic nomenclature». Systematic Biology. 48 (4): 790–807. doi:10.1080/106351599260012  
  • «HemiHomonym Database». herba.msu.ru 
  • Shipunov, Alexey (16 de janeiro de 2013). «The problem of hemihomonyms and the on-line hemihomonyms database (HHDB)». Bionomina. 4 (1). doi:10.11646/bionomina.4.1.3  
  • Simpson, Michael G. (2006). Plant Systematics. London: Elsevier Academic Press. ISBN 978-0-12-644460-5 
  • Fortey, Richard (2008). Dry Store Room No. 1: The Secret Life of the Natural History Museum. London: Harper Perennial. ISBN 978-0-00-720989-7 
  • Davis, Peter H.; Heywood, Vernon H. (1965). Principles of Angiosperm Taxonomy. Edinburgh: Oliver & Boyd 
  • Harper, Douglas. «rhododendron». Online Etymology Dictionary  Childs, James E.; Paddock, Christopher D. (2003). «The ascendancy of Amblyomma americanum as a vector of pathogens affecting humans in the United States». Annual Review of Entomology. 48 (1): 307–337. doi:10.1146/annurev.ento.48.091801.112728  
  • Isaak, Mark. Curiosities of Biological Nomenclature: Puns. [S.l.: s.n.] 
  • Geng, Bao-Yin (1985). «Huia recurvata – A New Plant from Lower Devonian of Southeastern Yunnan China». Acta Botanica Sinica. 27 (4): 419–426 
  • Iskandar, D.; Mumpuni, D. (2004). IUCN Red List of Threatened Species : Huia masonii. [S.l.: s.n.] 
  • Schmidt, Diane (2003). Guide to reference and information sources in the zoological sciences. Westport, Conn.: Libraries Unlimited. ISBN 978-1-56308-977-0 
  • Sneath, P.H.A. (2003). A short history of the Bacteriological Code. [S.l.]: International Union of Microbiological Societies 
  • «How to Write Scientific Names of Organisms». Competition Science Vision 
  • Tan, Hugh T. W.; Kai-xin, Tan. Understanding and Learning Scientific Names of Species. [S.l.]: Successful Learning, Center for Development of Teaching and Learning, National University of Singapore 
  • Silyn-Roberts, Heather (2000). Writing for Science and Engineering: Papers, Presentations and Reports. Oxford; Boston: Butterworth-Heinemann. ISBN 978-0-7506-4636-9 
  • Writing Guide. [S.l.]: Macquarie University 
  • Merriam-Webster's collegiate dictionary 11th ed ed. Springfield, Mass: Merriam-Webster, Inc. 2003. ISBN 978-0-87779-809-5 
  • Jenks, Matthew A. Plant Nomenclature. [S.l.]: Department of Horticulture and Landscape Architecture, Purdue University 
  • Clowes, Chris. Taxonomy – A Primer. [S.l.]: peripatus.gen.nz 
  • Bengtson, P. (1988). «Open nomenclature». Palaeontology. 31 (1): 223–227 
  • Orihuela, J. (2013). «Fossil Cuban crow Corvus cf. nasicus from a late Quaternary cave deposit in northern Matanzas, Cuba». Journal of Caribbean Ornithology. 26: 12–16 
  • Page, L. M.; Burr, B. M. (1991). Peterson field guide to freshwater fishes: North America north of Mexico. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt. ISBN 978-0-547-24206-4 
  • Near, T. J.; Bossu, C. M.; Bradburd, G. S.; Carlson, R. L.; Harrington, R. C.; Hollingsworth, P. R.; Keck, B. P.; Etnier, D. A. (2011). «Phylogeny and temporal diversification of darters (Percidae: Etheostomatinae)». Systematic Biology. 60 (5): 565–595. doi:10.1093/sysbio/syr052  
  • Hyam, R.; Pankhurst, R. J. (1995). Plants and their names : a concise dictionary. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-866189-4 
  • Nomenclature, International Commission on Zoological (1999). International Code of Zoological Nomenclature online 4th ed. [S.l.]: The International Trust for Zoological Nomenclature. ISBN 978-0-85301-006-7 
  • McNeill, J.; Barrie, F. R.; Buck, W. R.; Demoulin, V.; Greuter, W.; Hawksworth, D. L.; Herendeen, P. S.; Knapp, S.; Marhold, K.; Prado, J.; Prud'homme Van Reine, W. F.; Smith, G. F.; Wiersema, J. H.; Turland, N. J. (2012). International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants (Melbourne Code) adopted by the Eighteenth International Botanical Congress Melbourne, Australia, July 2011. [S.l.]: A.R.G. Gantner Verlag KG. ISBN 978-3-87429-425-6 
  • Plant Names : A Guide for Horticulturists, Nurserymen, Gardeners and Students. [S.l.]: Horticultural Taxonomy Group, Royal Botanic Garden Edinburgh. 2007 

Ligações externas


Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o .








Categorias: Nomenclatura biológica | Taxonomia | Nomenclatura botânica | Nomenclatura zoológica








Data da informação: 30.05.2020 02:10:44 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.