Noruega - pt.LinkFang.org

Noruega




Kongeriket Norge (norueguês bokmål)
Kongeriket Noreg (norueguês nynorsk)

Reino da Noruega
Bandeira Brasão de armas
Lema:
Lema real: Alt for Norge / Alt for Noreg
("Tudo pela Noruega")

Juramento de Eidsvoll (1814):
Enige og tro til Dovre faller
("Unidos até que as montanhas do Dovre venham abaixo")
Hino nacional: Ja, vi elsker dette landet
("Sim, nós amamos este país")
Hino real: Kongesangen
("A Canção do Rei")
Gentílico: norueguês(esa)


Localização da Noruega (em verde)
Capital Oslo
59° 56′N 10° 41′E
Cidade mais populosa Oslo
Língua oficial norueguês (bokmål e nynorsk), lapônio (em oito municípios),[1] kven (num município).
Religião oficial Luteranismo[2]
Governo Monarquia constitucional parlamentarista unitária
 - Rei Haroldo V
 - Primeira-ministra Erna Solberg
 - Presidente do Storting Tone W. Trøen (H) (2018–2021)
 - Chefe de Justiça Toril Marie Øie (2016)
Formação  
 - Unificação 872 
 - Constituição 17 de Maio de 1814 
 - Independência da Suécia 7 de Junho de 1905 
Área  
 - Total 385 207[3] km² (61.º)
 - Água (%) 7,0
 Fronteira Finlândia, Suécia e Rússia
População  
 - Estimativa para 2020 5 367 580[4] hab. (114.º)
 - Densidade 12 hab./km² (202.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2013
 - Total US$ 282,174 bilhões *[5] (46.º)
 - Per capita US$ 55 398[5] (4.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2013
 - Total US$ 515,832 bilhões *[5] (22.º)
 - Per capita US$ 101 271[5] (3.º)
IDH (2018) 0,954 (1.º) – muito alto[6]
Gini (2011) 22,3[7]
Moeda Coroa norueguesa (NOK)
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Verão (DST) CEST (UTC+2)
Clima Oceânico, continental
Org. internacionais EFTA, OCDE, OTAN
Cód. ISO NOR
Cód. Internet .no; .sj e .bv1
Cód. telef. +47
Website governamental regjeringen.no


1 Foram atribuídos mais dois códigos, mas até à data ainda não foram usados: .sj para as ilhas de Esvalbarda e Jan Mayen; .bv para a Ilha Bouvet.[8]

A Noruega[9] (em bokmål: Norge pronunciado: [noɾɡə]; em nynorsk: Noreg), oficialmente Reino da Noruega (em bokmål: Kongeriket Norge, em nynorsk: Kongeriket Noreg), é um país nórdico da Europa setentrional que ocupa a parte ocidental da Península Escandinava, a ilha de Jan Mayen e o arquipélago ártico de Esvalbarda,[10] através do Tratado de Esvalbarda. A parte continental do país divide fronteira a leste com a Suécia e ao norte com a Finlândia e a Rússia. O Reino Unido e as Ilhas Faroe estão a oeste, através do Mar do Norte, a Islândia e a Groenlândia estão a oeste, através do mar da Noruega, e a Dinamarca fica próxima ao extremo sul do país, através do estreito de Escagerraque. A Ilha Bouvet, no Atlântico sul, e a Ilha de Pedro I, no oceano glacial Antártico, são territórios dependentes (norueguês: Biland) da Noruega,[11] mas não são considerados parte do Reino. A Noruega também reivindica uma parte da Antártida conhecida como Terra da Rainha Maud, uma reivindicação que foi reconhecida pela Austrália, França, Nova Zelândia e Reino Unido.[12] A extensa linha costeira da Noruega, de frente para o oceano Atlântico Norte e para o mar de Barents, é a casa de seus famosos fiordes.

A Noruega mantém o modelo social escandinavo, baseado no modelo nórdico, na saúde universal, no ensino superior subsidiado e em um regime abrangente de previdência social. A Noruega foi classificada como o país mais desenvolvido do mundo em todos os relatórios de desenvolvimento humano desde 2001 (com dados referentes entre 1999 e 2010)[13][14] Em 2009, o país foi novamente classificado pela ONU como o melhor país do mundo para se viver.[15][16] A Noruega também foi avaliada como o país mais pacífico do mundo em uma pesquisa realizada em 2007 pelo Índice Global da Paz.[17] E em 2017 um estudo feito por peritos internacionais, com apoio da ONU, classificou a Noruega como o país mais feliz do mundo, superando a Dinamarca que liderou o ranking no ano anterior.[18]

Apesar de ter rejeitado a adesão à União Europeia em dois referendos, a Noruega mantém laços estreitos com o bloco e com seus países-membros, bem como com os Estados Unidos. O país é considerado um participante de destaque na diplomacia e na cooperação internacional, tendo sido profundamente envolvido nos fracassados Acordos de Oslo e nas negociações de uma trégua entre o governo do Seri Lanca e os Tigres Tâmil. A Noruega continua a ser um dos maiores contribuintes financeiros da Organização das Nações Unidas[19] e participa com as forças da ONU em missões internacionais de paz, como no Afeganistão, Kosovo e Darfur.

Um estado unitário com subdivisões administrativas em dois níveis conhecidos como condados (fylker) e comunas (kommuner), a Noruega é uma monarquia constitucional hereditária e uma democracia parlamentar, com o rei Haroldo V como seu Chefe de Estado. Os lapões têm uma certa dose de autodeterminação e influência sobre seus territórios tradicionais, através do Parlamento Lapônio e da Lei da Finamarca. A Noruega é um dos membros fundadores das Nações Unidas, da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), do Conselho da Europa (COE) e do Conselho Nórdico, além de ser membro do Espaço Econômico Europeu, da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Índice

Etimologia


Etimologistas acreditam que o nome do país significa "o caminho para o norte" (ou o "caminho do norte"), que em nórdico antigo teria sido nor veg ou *norð vegr. O nome nórdico antigo para Noruega era Noregr, o anglo-saxão Norþ weg e latim medieval Northvegia. O nome oficial do Reino da Noruega em bokmål é Kongeriket Norge, enquanto que em nynorsk é Kongeriket Noreg, ambos apenas um par de letras retiradas do termo original "caminho do norte": Nor(d)-(v)eg.[20][21]

De acordo com outra teoria, o nome do país advém da palavra "nór", que significa "estreito" ou "norte", referindo-se à rota de navegação do arquipélago interno, através da terra ("caminho estreito"). A interpretação como "norte", refletida nas formas inglesa e latina do nome, teria sido devido à etimologia popular posterior. Esta última visão teve origem com o filólogo Niels Halvorsen Trønnes em 1847, sendo também defendido pelo estudante de língua e ativista Klaus Johan Myrvoll e adotado pelo professor de filologia Michael Schulte. A forma "Nore" ainda é usada em nomes de lugares como a vila de Nore e o lago Norefjorden, no condado de Buskerud, e ainda tem o mesmo significado. Entre outros argumentos a favor da teoria, destaca-se que a palavra tem uma vogal longa na poesia escandinava e não é atestada com <ð> em nenhum texto ou inscrição nativa nórdica (as primeiras atestações rúnicas têm as grafias nuruiak e nuriki). Essa teoria ressuscitada recebeu alguma reação de outros estudiosos por vários motivos, em parte pela presença incontroversa do elemento "norðr" no etnônimo "norðrmaðr", e o adjetivo "norrǿnn" ("norte, norueguês"), bem como as primeiras declarações das formas latina e anglo-saxônica.[20][21][22]

Por volta de 890, Ótaro de Halogalândia distinguiu os noruegueses ("nordmenn", o povo de Norvegr) dos lapões e dos dinamarqueses. Enquanto ele identificava o povo lapões por seu modo de vida nômade, os dinamarqueses ele identificava geograficamente ou politicamente. De acordo com Ótaro, os dinamarqueses dominavam Escagerraque e Categate, os corpos de água que separam a Dinamarca da península escandinava. Os noruegueses, por outro lado viviam no Mar do Norte, na costas do Atlântico, e estavam ligados às ilhas do Atlântico Norte. A Noruega de Ótaro cobria uma área muito menor do que a Noruega atual.[23]

História


Ver artigo principal: História da Noruega

Pré-história e Era Viquingue

Ver artigo principal: Era Viquingue

Os primeiros habitantes foram os membros da cultura de Arensburgo (11 a 10 a.C.), que era uma cultura do fim do Paleolítico Superior durante o o último período de frio no final da glaciação Weichsel. A cultura é nomeado por conta da vila de Arensburgo, 25 km (15,53 milhas) a nordeste de Hamburgo, no estado alemão de Eslésvico-Holsácia, onde flechas de madeira foram encontradas.[24]

A Era Viquingue foi caracterizada pela expansão e emigração de marinheiros viquingues. Segundo a tradição, Haroldo Cabelo Belo unificou os viquingues em 872, após a Batalha do Fiorde de Hafrs em Stavanger, tornando-se o primeiro rei da Noruega unida. (A data de 872 pode ser um tanto arbitrária. Na verdade, a data real pode ser um pouco antes de 900).[25] O reino de Haroldo era formado, principalmente, por um Estado costeiro no sul da Noruega. Haroldo Cabelo Belo governou com mão forte e, de acordo com as sagas, muitos noruegueses deixaram o país para viver na Islândia, nas Ilhas Faroé, na Groenlândia e em partes da Grã-Bretanha e da Irlanda. As cidades irlandesas modernas de Dublim, Limerico e Waterford foram fundadas por colonos noruegueses.[26]

A mitologia nórdica foi lentamente substituída pela cristã nos séculos X e XI. Isto é em grande parte atribuído aos reis missionários Olavo I e Olavo II. Em meados do século X, Haquino I tornou-se o primeiro rei cristão da Noruega, apesar de sua tentativa de introduzir a religião ter sido rejeitada. Nascido em algum momento entre 963-969, Olavo I partiu com incursões na Inglaterra, com 390 navios. Ele atacou Londres durante esta invasão. Chegando na Noruega em 995, Olavo desembarcou em Moster.[27] Lá, ele construiu uma igreja que se tornou a primeira igreja cristã já construída em solo norueguês.[27] De Moster, Olavo navegou para o norte até Trontêmio, onde foi aclamado Rei da Noruega por Eyrathing em 995.[27]

O feudalismo nunca se desenvolveu na Noruega e na Suécia como aconteceu no resto da Europa.[28] No entanto, a administração do governo assumiu um caráter feudal muito conservador.[28] A Liga Hanseática forçou a realeza a ceder maiores concessões sobre o comércio exterior e a economia.[28] A Liga tinha esse poder sobre a realeza por causa dos empréstimos que tinha feito para a realeza e pela grande dívida que os reis carregavam.[28] O controle monopolista da Liga sobre a economia da Noruega exerceu pressão sobre todas as classes, especialmente para os camponeses, na medida em que não existia uma classe burguesa real na Noruega.[28]

União de Calmar

Ver artigo principal: União de Calmar

Após a morte de Haquino V, Rei da Noruega, em 1319, Magno, em apenas três anos, herdou o trono como Magno IV. Ao mesmo tempo, um movimento para fazer de Magno o Rei da Suécia foi bem sucedido. (neste momento ambos os reis da Suécia e da Dinamarca foram eleitos para o trono por seus respectivos príncipes.) Assim, com a sua eleição ao trono da Suécia, a Suécia e a Noruega tornaram-se unidas sob o governo do rei Magno VII.[29]

Em 1349, a peste negra alterou radicalmente Noruega, matando entre 50% e 60% ​​de sua população[30] e deixou-a em um período de declínio econômico e social,[31] que deixou o país muito pobre.[32] Embora o taxa de mortalidade fosse comparável com a do resto da Europa, a recuperação econômica norueguesa levou muito mais tempo por causa da população pequena e dispersa do país.[31] Antes da peste, a população era de apenas cerca de 500 mil pessoas.[33] Após a praga, muitas fazendas ficaram inativas, enquanto a população aumentava lentamente.[31] Os inquilinos das poucas fazendas sobreviventes conseguiram barganhar com seus proprietários muito fortalecidos.[31]

O rei Magno VII governou a Noruega até 1350, quando seu filho, Haquino, foi colocado no trono como Haquino VI da Noruega.[34] Em 1363, Haquino VI casou-se com Margarida, a filha do rei Valdemar IV da Dinamarca.[31] Após a morte de Haquino VI, em 1379, seu filho, Olavo IV, tinha apenas 10 anos de idade na época,[31] já tinha sido eleito para o trono da Dinamarca em 3 de maio de 1376.[31] Assim, a partir da adesão de Olavo ao trono da Noruega, a Dinamarca e Noruega entraram em uma união pessoal.[35] A mãe de Olavo e viúva de Haquino, a rainha Margarida, manteve as relações exteriores da Dinamarca e da Noruega durante a menoridade de Olavo IV.[31]

Margarida estava trabalhando em direção a uma união entre Suécia, Dinamarca e Noruega por ter Olavo como eleito para o trono sueco. Ela estava à beira de alcançar esse objetivo, quando Olavo IV morreu repentinamente.[31] No entanto, a Dinamarca fez de Margarida a governante temporária após a morte de Olavo. Em 2 de fevereiro de 1388, a Noruega seguiu o exemplo e coroou Margarida.[31]

A rainha Margarida sabia que seu poder estaria mais seguro se ela fosse capaz de encontrar um rei para governar em seu lugar. Ela então apostou em Érico da Pomerânia, neto de sua irmã. Assim, em uma reunião de todos os escandinavos realizada em Calmar, Érico da Pomerânia foi coroado rei de todos os três países escandinavos. Assim , a política real resultou em uniões pessoais entre os países nórdicos, acabou trazendo os tronos da Noruega, Dinamarca e Suécia sob o controle da rainha Margarida, quando o país entrou para a União de Calmar.[31]

Eras moderna e contemporânea

Enfraquecida, entra sob domínio da Dinamarca e foi subordinada a essa até o fim das Guerras Napoleônicas, quando a conquista sueca sobre os dinamarqueses faz com que a Noruega entre em união pessoal com a Suécia (ver Reinos Unidos da Suécia e Noruega). Apesar do poder ter ficado na mão dos monarcas suecos, a união foi igualitária, e os noruegueses desfrutaram de grande liberdade política e sociocultural, o reino teve duas línguas, o norueguês e o sueco, e duas capitais, Cristiânia (atual Oslo) e Estocolmo. A união teve fim pacificamente 91 anos depois, em 1905.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha Nazista leva a cabo a Operação Weserübung, que invade a Noruega e a Dinamarca simultaneamente em 9 de abril de 1940. A Dinamarca se rende, mas a Noruega, que possuía uma das maiores frotas marítimas europeias, bem como sua localização próxima à costa britânica, é apoiada pelos britânicos, que encaram a resistência dos noruegueses aos nazistas como crucial. Para tal, os ingleses e franceses enviam tropas para desocupar os principais portos do país e recuperar a marinha norueguesa do poder alemão.

Durante dois meses de intensa resistência aos nazistas, tropas soviéticas entram em solo norueguês para atuarem contra os finlandeses na Guerra de Inverno, e enquanto cidades como Narvik, Oslo e Stavanger se viam entre o poder britânico e o nazista, cidades como Kirkenes e Vadsø eram disputadas pelos soviéticos e nazistas. Igualmente tensa era a situação na fronteira com a Suécia, que relutou em permanecer neutra, apesar das frequentes ameaças de invasão. Em 1949, a Noruega torna-se um dos membros fundadores da OTAN.

Na segunda metade do século XX, com o desenvolvimento da indústria do petróleo, a Noruega emergiu como um dos países mais desenvolvidos do mundo, fortaleceu sua moeda e desenvolveu políticas de bem estar social e sócio-democratas. A população norueguesa rejeitou duas vezes o convite de adesão à União Europeia, apesar de vários acordos existentes entre o bloco económico e o país.

Em 22 de julho de 2011, a Noruega foi atingida por dois ataques terroristas. Um dirigida à sede executiva do governo em Oslo e um em um acampamento de jovens organizado pela organização juvenil (AUF) do Partido Trabalhista Norueguês (AP) na ilha de Utøya em Tyrifjorden, Buskerud. Foram considerados os piores atentados das últimas décadas na Europa e mesmo na própria Noruega que nunca tinham presenciado nada assim.

Geografia


Ver artigo principal: Geografia da Noruega

Possui uma área de 385 199 km², uma parte da qual se distribui por mais de 150 000 ilhas. Na área continental, predomina a paisagem de montanhas, platôs e fiordes. A Noruega possui uma fronteira territorial de 2 542 km, sendo 1 619 km com a Suécia ao leste, 727 km com a Finlândia ao nordeste e 196 km com a Rússia no extremo norte. Ao sul a Noruega se separa da Dinamarca pelo estreito de Escagerraque. A extensão aproximada do país, de norte a sul, é de 1 700 km.

O terreno glacial é formado em maior parte por platôs altos e montanhas ásperas, através dos quais aparecem vales férteis; possui pequenas e irregulares planícies, a linha costeira bastante recortada por fiordes e tundra ao norte.

O clima da Noruega pode ser oceânico, continental, subártico e alpino, com verões amenos e invernos longos e rigorosos, com ventos fortes e alta precipitação de neve; porém, diferentemente dos outros países escandinavos, uma grande faixa litorânea do país à beira do Mar do Norte e do Mar da Noruega é aquecida pela corrente do golfo, fazendo com que apresente-se mesmo no mês mais frio, janeiro, regiões com temperaturas médias superiores a 0 °C, sendo mais comum precipitações em forma de chuva do que neve, como é o caso de Bergen, que em janeiro registra médias em torno de 2 °C. Já as ilhas Lofoten apresentam a maior anomalia climática positiva no que diz respeito à latitude, entretanto, na fronteira com a Finlândia no condado de Finnmark, os termómetros podem registrar 40 °C negativos entre dezembro e março. A mais alta temperatura registrada no país foi 35.6 °C em Nesbyen, enquanto a mínima foi -51.4 °C em Karasjok.

Devido ao clima e à natureza do terreno, a Noruega tem uma vida animal variada e adaptada às circunstâncias. Na costa atlântica abundam as aves, sendo a destacar os airos, as gaivotas, os fradinhos, os pombaletes e os gansos-patola. Nas florestas, vivem alces, linces, cabritos-monteses, lebres, raposas e esquilos. Nas água dos fiordes, das ilhas e dos braços-de-mar, podem ser vistas orcas, cachalotes, toninhas e focas. Nas serranias, podem ser observados os veados, as renas e as perdizes, e, mais raramente, os bois-almiscarados. No norte ártico, encontramos as raposas-do-ártico e as perdizes-do-ártico. Em Esvalbarda, o visitante pode ver ursos-polares, raposas-do-ártico e renas.[36]

Demografia


Ver artigo principal: Demografia da Noruega

A população da Noruega é de cerca de 5,1 milhões.[4] A maioria dos noruegueses são de origem norueguesa, um povo germânico setentrional.

Os lapões (sami) tradicionalmente habitam as regiões central e norte da Noruega e da Suécia, bem como no norte da Finlândia e da Rússia, na península de Kola.[37] Outra minoria nacional são o povo Kven, que são descendentes de povos de língua finlandesa, que se mudaram para o norte da Noruega entre os séculos XVIII e o século XX.[38] Tanto os povos lapões e Kven foram submetidos a uma forte política de assimilação pelo governo norueguês do século XIX até aos anos 1970.[39] Por causa deste "processo de norueguização", muitas famílias de ancestralidade lapã ou Kven agora se auto-identificam como étnicos noruegueses.[40]

Outros grupos reconhecidos como minorias nacionais da Noruega são os judeus, os skogfinns e os noruegueses e suecos romanis (um ramo do povo Romani).

Nos últimos anos, a imigração foi responsável por mais da metade do crescimento da população da Noruega. De acordo com o "Estatísticas da Noruega", um total de 61 200 imigrantes registrados chegaram ao país em 2007, 35% superior ao número de 2006. No início de 2010, existiam 552 313 pessoas de origem imigrante na Noruega (ou seja, imigrantes ou filhas de pais imigrantes), compreendendo 11,4% da população total. 210 725 eram provenientes de países ocidentais (União Europeia/Associação Europeia de Livre Comércio, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia) e 341 588 eram de outros países. Os maiores grupos de imigrantes, por país de origem, em ordem de tamanho, são poloneses, suecos, paquistaneses, iraquianos, somalis, alemães, vietnamitas e dinamarqueses.[41]

Os noruegueses de origem paquistanesa são o maior grupo minoritário visível na Noruega e a maioria dos seus 31 000 membros vivem em torno de Oslo. A população imigrante iraquiana tem demonstrado um grande aumento nos últimos anos. Após o alargamento da UE em 2004, também tem havido um afluxo de imigrantes da Europa Central e Oriental, especialmente da Polônia. O maior aumento, em 2007, foi de imigrantes da Polônia, Alemanha, Suécia, Lituânia e Rússia.[42][43]

Religião

Religiões na Noruega (2013)[44]
Luteranismo
  
77,2%
Sem religião
  
12,9%
Outros cristãos
  
4,7%
Islamismo
  
2,4%
Humanismo
  
1,7%
Outros
  
1,1%

A maioria dos noruegueses são membros da Igreja da Noruega (protestante, de confissão luterana). Todavia, têm uma participação muito baixa nas atividades e ritos religiosos, permanecendo na igreja do estado para usarem os serviços de batismo, crisma, casamento e funeral, ritos que têm forte legitimidade cultural no país.[45]

Cerca de 75%[46] dos noruegueses eram membros da Igreja Estatal da Noruega (Igreja Luterana da Noruega) em 1 de janeiro de 2014, uma queda de 1% em relação ao ano anterior e uma queda de quase 5% quando comparado com os cinco anos anteriores. No entanto, apenas 20% dos noruegueses dizem que a religião ocupa um espaço importante em sua vida (de acordo com uma pesquisa recente da Gallup), fazendo da Noruega um dos países mais seculares do mundo (só na Estônia, Suécia e Dinamarca os percentuais de pessoas que consideram a religião um fator importante é menor).[47]

No início de 1990, estimou-se que entre 4,7% e 5,3% dos noruegueses frequentavam a igreja semanalmente.[48] Este valor caiu para apenas 2% em 2008, colocando a Noruega, na parte inferior da classificação da frequência à igreja na Europa.[49] Em 2010, o governo da Noruega informou ainda uma queda adicional na frequência à igreja em 2009.[50][51]

Segundo o Eurobarômetro, uma recente, porém um pouco desatualizada, enquete de 2005 dizia que 32% dos cidadãos noruegueses responderam que "acreditam que existe um Deus".[52] Isso se alinha com outro estudo realizado pela Gustafsson and Pettersson (2002), segundo a qual 72% dos noruegueses não acreditam em um "Deus pessoal".[53]

Pouco mais de 10% da população não tem religião. Em 1 de janeiro de 2009, outros 9%, ou 431 000 pessoas, eram membros de comunidades religiosas independentes da Igreja da Noruega.[54] Outras denominações cristãs totalizam cerca de 4,9%[54] da população, a maior das quais é a Igreja Católica, que oficialmente contava com 57 348 membros em 2009.[55] Outros incluem os pentecostais (39.600),[55] a Igreja Luterana Evangélica Livre da Noruega (19.300),[55] metodistas (11.000),[55] batistas (9400),[55] ortodoxos (7700),[55] adventistas (5100),[55] assírios e caldeus, e outros. As congregações luteranas sueca, finlandesa e islandesa na Noruega tem cerca de 22.500 membros no total.[55]

Língua

Ver artigo principal: Língua norueguesa

A língua oficial da Noruega é o norueguês - uma língua germânica muito próxima do dinamarquês e do sueco. A língua norueguesa tem duas formas - o bokmål e o nynorsk, sendo o bokmål falado pela maioria dos habitantes.[56]

A minoria lapônias fala o lapão, e a minoria kven (fino-norueguesa) fala o kven, uma língua aparentada com o finlandês e o meänkieli.[57]

Governo e política


Ver artigo principal: Política da Noruega

Segundo a Constituição da Noruega, que foi aprovada em 17 de maio de 1814 e inspirada pela Declaração de Independência dos Estados Unidos e pela Revolução Francesa de 1776 e 1789, respectivamente, a Noruega é uma monarquia constitucional unitária com um sistema parlamentar de governo, onde o Rei da Noruega é o chefe de Estado e o primeiro-ministro é o chefe de governo. O poder é repartido entre os poderes legislativo, executivo e judiciário do governo, tal como definido pela Constituição, que serve como documento legal supremo do país.

A monarquia oficialmente retém o poder executivo, no entanto, após a introdução de um sistema parlamentar de governo, os deveres do monarca, desde então, tornaram-se estritamente representativos e cerimoniais,[58] como a nomeação formal e a demissão do primeiro-ministro e outros ministros do governo executivo. Assim, o monarca é o comandante-em-chefe das Forças Armadas da Noruega, a autoridade suprema da Igreja da Noruega, e atua como principal representante diplomático no exterior e um símbolo da unidade nacional.

Na prática, o primeiro-ministro é responsável pelo exercício de poderes executivos. Desde a sua ascensão em 1991, Haroldo V da Casa de Eslésvico-Holsácia-Sonderburgo-Glucsburgo é o Rei da Noruega, o primeiro, desde o século XIV, que realmente nasceu no país.[59] Haquino Magno é o príncipe herdeiro legal e legítimo do trono e do Reino.

Constitucionalmente, o poder legislativo é exercido pelo governo e pelo Parlamento da Noruega, mas o último é o legislador supremo e um corpo unicameral.[60] Uma proposição pode tornar-se lei por maioria simples entre os 150 representantes, que são eleitos com base na representação proporcional de 19 circunscrições para mandatos de quatro anos. Um adicional de 19 lugares ("lugares de nivelamento") são alocados em uma base nacional para fazer com que a representação no parlamento corresponda melhor com o voto popular.

Como resultado, atualmente há 169 deputados no total. Há também um limite de eleição de 4% para ganho de lugares de nivelamento no Parlamento. Como tal, a Noruega é fundamentalmente estruturada como uma democracia representativa. Chamado Storting, o que significa Grande Assembleia, os membros do Parlamento podem ratificar tratados e acusar membros do governo se os seus atos são declarados inconstitucionais, e como tal têm o poder de retirá-los do cargo em caso de um processo de impeachment.

A posição do primeiro-ministro, chefe de governo da Noruega, é atribuída ao membro do Parlamento que consegue a confiança de uma maioria no Parlamento, geralmente o líder atual do maior partido político ou através de uma coligação de partidos. No entanto, a Noruega tem sido governada por governos de minoria.

Relações internacionais

Noruega mantém embaixadas em 86 países, enquanto 60 países mantêm uma embaixada na Noruega, todos eles na capital, Oslo.[61]

A Noruega é um dos membros fundadores da Organização das Nações Unidas (ONU), da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), do Conselho da Europa e da Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA). O país emitiu pedidos de adesão à União Europeia (UE) e aos seus antecessores em 1962, 1967 e 1992, respectivamente. Enquanto Dinamarca, Suécia e Finlândia obtiveram a adesão ao bloco europeu, o eleitorado norueguês rejeitou os tratados de adesão, em referendos realizados em 1972 e 1994.

Após o referendo de 1994, a Noruega manteve sua participação no Espaço Econômico Europeu (EEE), um acordo que concede o acesso do país ao mercado interno da UE, com a condição de que a Noruega implemente os atos legislativos, que são considerados relevantes da UE. Sucessivos governos noruegueses, desde 1994, solicitaram a participação em partes da cooperação da UE que vão além das disposições do acordo EEE. A participação sem direito a voto para a Noruega foi concedida, por exemplo, na Política de Defesa e de Segurança Comum, no Acordo de Schengen e na Agência Europeia de Defesa, bem como em 19 programas diferentes.[62]

Forças armadas

Ver artigo principal: Forças Armadas da Noruega

As Forças Armadas da Noruega mantém cerca de 25 mil pessoas, incluindo trabalhadores civis . De acordo com planos de mobilização de 2009, a mobilização completa gera cerca de 83 mil combatentes. A Noruega tem conscrição (incluindo um treinamento de 6 a 12 meses de duração);[63] em 2013, o país tornou-se o primeiro na Europa e na OTAN a recrutar mulheres assim como homens. No entanto, devido à menor necessidade de recrutamentos após a Guerra Fria, que terminou com a dissolução da União Soviética, o número de recrutas é menor atualmente.[64] As forças armadas são subordinadas ao Ministério da Defesa norueguês. O comandante-em-chefe é o rei Haroldo V. Os militares noruegueses estão divididos nos seguintes ramos: Exército, Marinha Real e Força Aérea Real.

Em resposta por ter sido invadido pela Alemanha nazista em 1940, o país foi uma das nações fundadoras da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em 4 de abril de 1949. Atualmente, a Noruega contribui na Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF) no Afeganistão. Além disso, a Noruega tem contribuído em diversas missões para as Nações Unidas, a OTAN e para a Política de Defesa e de Segurança Comum da União Europeia.[65]

Subdivisões


Ver artigos principais: Condados da Noruega e Comunas da Noruega

A Noruega está dividida em 11 condados (fylke) e em 356 comunas (kommune)

Código

ISO

Condado Centro administrativo Governador Municipalidade mais populosa
Nome original Nome
03 Oslo Oslo Cidade de Oslo Marianne Borgen Oslo
11 Rogaland Rogalândia Stavanger Marianne Chesak (Ap) Stavanger
15 Møre og Romsdal Møre e Romsdal Molde Jon Aasen (Ap) Ålesund
18 Nordland Nordalândia Bodø Kari Anne Bøkestad Andreassen (Sp) Bodø
30 Viken Viken Oslo, Drammen, Sarpsborg Roger Ryberg (Ap) Bærum
34 Innlandet Innlandet Hamar Even Aleksander Hagen (Ap) Ringsaker
38 Vestfold og Telemark Folde Ocidental e Telemarca Skien Terje Riis-Johansen (Sp) Sandefjord
42 Agder Agder Kristiansand Arne Thomassen (H) Kristiansand
46 Vestland Lândia Ocidental Bergen Jon Askeland (Sp) Bergen
50 Trøndelag

Trööndelage

Trøndelag Steinkjer Tore O. Sandvik (Ap) Trondheim
54 Troms og Finnmark

Romsa ja Finnmárku

Tromssa ja Finmarkku

Troms e Finamarca Tromsø Ivar B. Prestbakmo (Sp) Tromsø

Economia


Ver artigo principal: Economia da Noruega

Os noruegueses possuem o segundo maior PIB per capita nominal (depois de Luxemburgo) e o terceiro maior PIB (PPC) per capita do mundo. A Noruega também manteve o primeiro lugar entre todos os países do mundo no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) por seis anos consecutivos (2001-2006),[13] e depois recuperou essa posição em 2009.[14]

A economia norueguesa é um exemplo de uma economia mista, um país social-democrata com um estado de bem-estar social capitalista próspero, com uma combinação de atividades de mercado livre e de grandes propriedades estatais em determinados setores-chave. O Estado tem grandes posições acionistas nos principais setores industriais, tais como no estratégico setor de petróleo (Statoil), na produção de energia hidrelétrica (Statkraft), na produção de alumínio (Norsk Hydro), no maior banco norueguês (DnB NOR), e em telecomunicações (Telenor) . Através dessas grandes empresas, o governo controla aproximadamente 30% dos valores das ações na Bolsa de Valores de Oslo. Quando as empresas não cotadas na bolsa estão incluídas, o Estado tem participação ainda maior na propriedade (principalmente da participação direta em licenças de petróleo). A Noruega é uma nação voltada, principalmente, para a navegação e tem a 6ª maior frota mercante mundial, com 1 412 embarcações mercantes de propriedade norueguesa.

O custo de vida na Noruega é cerca de 30% maior do que nos Estados Unidos e 25% maior do que no Reino Unido. O padrão de vida na Noruega está entre os maiores do mundo. A revista Foreign Policy classificou a Noruega, no Índice de Estados Falhados de 2009, como o país com melhor funcionamento e estabilidade do mundo. A continuação das exportações de petróleo e gás, uma economia saudável e a substancial riqueza acumulada, levam a conclusão de que a Noruega irá permanecer entre os países mais ricos do mundo em um futuro previsível.

Os níveis de produtividade horária, bem como salário médio por hora na Noruega estão entre os maiores do mundo. Os valores igualitários da sociedade norueguesa garantem que a diferença salarial entre o menor trabalhador assalariado e o diretor executivo da maioria das empresas seja muito menor do que em economias ocidentais comparáveis. Isso também é evidente pelo baixo coeficiente de Gini do país.

Recursos

Nas duas primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial, o país experimentou um rápido crescimento econômico devido ao transporte marítimo, a marinha mercante norueguesa e pela industrialização doméstica, já a partir da década de 1970 o crescimento foi resultado da descoberta de grandes jazidas de petróleo no mar do Norte e no Mar da Noruega. Hoje o país é classificado como o mais rico do mundo,[68][69][70] com a maior reserva de capital per capita do que qualquer outra nação. Em agosto de 2009 o fundo de riqueza soberana da nação anunciou que possuía cerca de 1% de todas as ações de bolsas de valores do mundo, provavelmente referindo-se a ações negociadas publicamente. A Noruega é o sétimo maior exportador de petróleo do mundo[71] e a indústria do petróleo representa cerca de um quarto do PIB do país.[72] Depois da crise econômica de 2008-2009, os banqueiros têm considerado a coroa norueguesa com uma das mais sólidas moedas do mundo.[73]

A Noruega possui ricos recursos em campos de gás, hidroeletricidade, peixes, florestas e minerais. O país foi o segundo maior exportador de frutos do mar (em valor, depois da República Popular da China) em 2006.[74] Outras principais indústrias do país incluem a de processamento de alimentos, construção naval, metais, produtos químicos, mineração, pesca e produtos de papel.

Referendos em 1972 e 1994 indicaram que o povo norueguês desejava permanecer fora da União Europeia (UE). No entanto, a Noruega, a Islândia e Liechtenstein, participam do mercado único da União Europeia através do acordo do Espaço Econômico Europeu (EEE). O Tratado EEE entre os países da União Europeia e os países da Associação Europeia de Livre Comércio (AELC), transposto para a lei norueguesa "EØS-loven",[75] descreve os procedimentos de execução das normas da União Europeia na Noruega e em outros países da AELC. Isso faz da Noruega um membro altamente integrado na maioria dos setores do mercado interno da UE. No entanto, alguns setores, como petróleo, agricultura e pesca, não são inteiramente cobertos pelo Tratado EEE. A Noruega também aderiu ao Acordo de Schengen e de vários outros acordos intergovernamentais entre os estados-membros da UE.

O país é dotado com ricos recursos naturais, incluindo petróleo, energia hidrelétrica, peixes, florestas e minerais. Grandes reservas de petróleo e gás natural foram descobertas na década de 1960, o que levou a um boom na economia. A Noruega tem alcançado um dos mais altos padrões de vida no mundo, em parte, por ter uma grande quantidade de recursos naturais em relação ao tamanho de sua população. O Estado de bem-estar social norueguês faz atendimento público e gratuito de saúde, e os pais recebem 12 meses pagos de[76] licença maternidade.

A renda que o Estado recebe a partir de recursos naturais inclui uma contribuição significativa da produção de petróleo e os rendimentos substanciais e bem gerido relacionados com este setor. A Noruega tem uma taxa de desemprego muito baixa, atualmente em 3,1%.[77]

Infraestrutura


Educação

Ver artigo principal: Educação na Noruega

O ensino superior na Noruega é oferecido por uma série de sete universidades, cinco faculdades especializadas, 25 faculdades, bem como uma série de faculdades particulares. A educação segue a Declaração de Bolonha envolvendo os graus de licenciatura (3 anos), mestrado (2 anos) e doutorado (3 anos).[78] A aceitação é oferecida após concluírem o ensino secundário com competência geral do estudo.

A educação pública é praticamente livre, independentemente da nacionalidade,[79] com um ano letivo com dois semestres, de agosto a dezembro e de janeiro a junho. A responsabilidade final para a educação cabe ao Ministério da Educação e Pesquisa.

Transportes

Devido à baixa densidade populacional, pela forma estreita do seu território e pelo longo litoral, o transporte público na Noruega está menos desenvolvido do que em muitos países europeus, sobretudo fora das cidades. Como tal, a Noruega tem uma tradição antiga de transporte aquático, mas o Ministério dos Transportes e Comunicações tem implementado nos últimos anos os transportes ferroviário, rodoviário e aéreo através de numerosas filiais a fim de desenvolver infraestrutura do país.[80]

A rede ferroviária principal da Noruega consiste em 4 114 km de linhas de bitola padrão, dos quais 242 km é via dupla e 64 km de alta velocidade (210 km/h). O transporte ferroviário transportou 56 827 000 passageiros, 2 956 milhões de passageiros por km e 24,783 milhões de toneladas.[81] A rede toda é de propriedade da Administração Ferroviária Nacional Norueguesa,[82] enquanto todos os trens de passageiros domésticos, exceto o trem expresso do aeroporto são operados pela Norges Statsbaner (NSB).[83] Várias empresas operam trens de carga.[84]

O investimento em novas infraestruturas e manutenção é financiado pelo Estado[82] e os subsídios são fornecidos para as operações de trem de passageiros.[85] A NSB opera trens de longa distância, incluindo trens noturnos, serviços regionais e quatro sistemas de trem de passageiros em Oslo, Trondheim, Bergen e Stavanger.[86]

Há aproximadamente 92 946 km de estradas na Noruega, dos quais 72 033 km são asfaltados e 664 km são auto-estradas.[87] Existem quatro níveis de itinerários rodoviários; municipal, nacional, distrital e privado. As rotas nacionais mais importantes são parte do sistema de estradas europeias, sendo as duas mais importantes a E6, indo do norte para o sul através de todo o país, e a E39, que acompanha a costa oeste. As estradas municipais e nacionais são geridos pela Administração Pública de Estradas da Noruega.[88]

Dos 97 aeroportos da Noruega,[87] 52 são públicos[89] e 46 são operados pela estatal Avinor.[90] Sete aeroportos recebem mais de um milhão de passageiros por ano.[89] 41.089.675 de passageiros passaram pelos aeroportos da Noruega em 2007, dos quais 13.397.458 eram internacionais.[89]

A principal porta de entrada por via aérea para a Noruega é o Aeroporto Internacional de Oslo,[89] localizado a cerca de 50 km ao norte de Oslo, com partida para maioria dos países europeus e alguns destinos intercontinentais.[91][92] É um hub para as duas principais companhias aéreas norueguesas, a Scandinavian Airlines System[93] e a Norwegian Air Shuttle,[94] e para os aviões regionais da Noruega ocidental.[95]

Cultura


A cultura da Noruega faz parte da cultura nórdica e escandinava, e está intimamente relacionada com o povo norueguês e com a história da nação norueguesa. A geografia, a história, a natureza e o clima, contribuíram significativamente para formação de sua cultura atual. Entre os noruegueses famosos incluem-se Anni-Frid Lyngstad (ABBA), a banda A-ha, o dramaturgo Henrik Ibsen, os exploradores Roald Amundsen e Fridtjof Nansen, o pintor expressionista Edvard Munch, o compositor do romantismo Edvard Grieg e os romancistas Knut Hamsun e Sigrid Undset, vencedores do Prémio Nobel de Literatura em 1920 e 1928.

O black metal, é a maior exportação cultural da Noruega nos últimos 20 anos e é bastante popular nos países nórdicos. É uma varição do speed metal e do thrash metal, criado nos anos 80, por bandas como Venom, Bathory, Hellhammer e Celtic Frost, mas que ganhou notoriedade na Noruega, durante os anos 90. As letras valorizam a cultura pagã norueguesa e desprezam o cristianismo, sendo que, entre 1991 e 1998, membros de bandas e de gangues, como o Inner Circle, cometeram atos extremos como assassinatos e a queima de cerca de 100 igrejas na Noruega. Hoje o black metal está mais voltado para a musicalidade. As principais bandas do gênero na Noruega são: Mayhem, Burzum, Darkthrone, Gorgoroth, Emperor, Immortal, Satyricon e Dimmu Borgir, entre muitas outras de igual importância.

Os noruegueses celebram o seu dia nacional a 17 de maio, assinalando o Dia da Constituição. Nesse dia, muitas pessoas vestem o bunad (trajes tradicionais) e assiste ou participa nas paradas de 17 de maio que se realizam por todo o país.[96] A maioria da população é protestante, de confissão luterana.[97]

Cinema

O cinema norueguês recebeu reconhecimento internacional. O documentário Kon-Tiki (1950) ganhou um Óscar. Em 1959, Nine Lives, de Arne Skouen, foi indicado, mas não conseguiu vencer. Outro filme notável é Flåklypa Grand Prix, um longa-metragem de animação dirigido por Ivo Caprino. O filme foi lançado em 1975 e é baseado em personagens do cartunista norueguês Kjell Aukrust. É o filme norueguês mais visto de todos os tempos.[98]

Ofelaš (1987), de Nils Gaup, contando com características culturais dos lapões, também foi nomeado para um Óscar. Sønntagsengel, de Berit Nesheim , foi indicado ao Oscar em 1997.

Desde a década de 1990, a indústria cinematográfica tem prosperado, produzindo até 20 longas-metragens a cada ano. Sucessos particulares foram Kristin Lavransdatter, baseado em um romance de um vencedor do Prêmio Nobel; The Telegraphist e Gurin with the Foxtail. Knut Erik Jensen estava entre os novos diretores mais bem sucedidos, juntamente com Erik Skjoldbjærg, que é lembrado por Insomnia.

Esporte

O esqui tem tradições no país. A Noruega se destaca nos Jogos Olímpicos de Inverno, já tendo sediado duas edições do evento, em 1952 e 1994. As competições anuais de Holmenkollen, com esqui de fundo e salto de esqui, e a corrida anual de Birkebeinerrennet, numa extensão de 58 km, são enormemente populares.[99][100]

Nos Jogos Olímpicos de Verão, até 2008 a Noruega conquistou 144 medalhas (54 de ouro), principalmente no iatismo e no tiro. Já nos Jogos de Inverno, até 2010 conquistou 303 medalhas (107 de ouro) — mais do que qualquer outro país — principalmente no esqui cross-country e na patinação de velocidade. A Noruega é um dos três únicos países do mundo (junto com a Áustria e Liechtenstein) que ganhou mais medalhas nos Jogos de Inverno do que nos Jogos de Verão.

Feriados

Ver artigo principal: Feriados na Noruega

Os dias com restrições ao comércio, trabalho e eventos desportivos e outros são os da tabela que se segue.[101]

Data Nome em português Nome local Observações
1 de Janeiro Ano Novo Første nyttårsdag
Quinta-feira,
Festa móvel
Quinta-Feira Santa Skjærtorsdag
Sexta-feira,
Festa móvel
Sexta-Feira Santa Langfredag
Sábado,
Festa móvel
Sábado de Aleluia Påskeaften Os estabelecimentos, com algumas excepções, têm de fechar às 16h.
Domingo,
Festa móvel
Domingo de Páscoa Første påskedag
Segunda-feira,
Festa móvel
"Segundo dia de Páscoa" Andre påskedag
1 de Maio Dia do Trabalho Første mai Palestras políticas e demostrações.
17 de Maio Dia da Constituição Syttende mai Celebrado com desfile e música em todo o país.
Quinta-feira,
Festa móvel
Ascensão de Jesus Kristi himmelfartsdag
Sábado,
Festa móvel
Véspera de Pentecostes Pinseaften Os estabelecimentos, com algumas exceções, têm de fechar às 16h.
Domingo,
Festa móvel
Pentecostes Første pinsedag
Segunda-feira
Festa móvel
"Segundo dia de Pentecostes" Andre pinsedag
24 de Dezembro Véspera de Natal Julaften Os estabelecimentos, com algumas exceções, têm de fechar às 16h.
25 de Dezembro Natal Første juledag
26 de Dezembro "Segundo dia de Natal" Andre juledag

Ver também


Referências


  1. Sami, o povo indígena da Noruega: língua oficial, Parlamento e muito mais
  2. «Norway's Constitution of 1814 with Amendments through 2016» (PDF). Constitution Project. Consultado em 26 de abril de 2020. The Norwegian church, an Evangelical-Lutheran church, shall remain the Norwegian National Church and will as such be supported by the State. Detailed provisions as to its system shall be laid down by law. All religious and philosophical communities were to be supported on an equal footing. 
  3. «Arealstatistics for Norway 2020» (em Norwegian). Kartverket, mapping directory for Norway. 20 de dezembro de 2019. Consultado em 1 de março de 2020 
  4. a b «Population, 2020-01-01» (em norueguês). Statistics Norway. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 1 de março de 2020 
  5. a b c d «Norway» . Fundo Monetário Internacional (FMI). Consultado em 27 de outubro de 2013 
  6. «2019 Human Development Report» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2019. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  7. «Gini coefficient of equivalised disposable income (source: SILC)» . Eurostat Data Explorer. Consultado em 13 de agosto de 2013 
  8. «Os domínios de topo .bv e .sj» . Consultado em 19 de junho de 2010. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2009 
  9. Sua Pesquisa. «Noruega» . Consultado em 15 de janeiro de 2012 
  10. «Dog sledding, polar bears and a boat hotel frozen in ice: How Arctic Svalbard is the real-life Fortitude (minus the grisly crime)» (em inglês). DailyMail 
  11. «A misteriosa Ilha Bouvet, um dos pontos mais isolados do mundo» . Globo. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  12. "Antarctic Treaty System, An assessment. Workshop on the Antarctic Treaty System http://books.google.com/books?id=gNxjxfm4cSgC&pg=PA370&lpg=PA370&dq=territorial+claim+antarctica+recognized&source=web&ots=TD7OWwt-XV&sig=5yO1y3HG7jhFZatImGzZfk01cjs
  13. a b «Human development indices 2008» (PDF). Human Development Report. hdr.undp.org. 18 de dezembro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2009 
  14. a b «Human Development Index 2009» (PDF). Human Development Report. hdr.undp.org. 10 de maio de 2009. Consultado em 5 de outubro de 2009 
  15. USA Today: Norway ranked as best country to live in
  16. CTV News: UN ranks Norway as best country to live in
  17. «World Norway rated most peaceful nation» . BBC News. 30 de maio de 2007. Consultado em 14 de fevereiro de 2009 
  18. «Noruega é o país mais feliz do mundo, diz estudo» . G1. 20 de março de 2017. Consultado em 21 de março de 2017 
  19. «Revised List of Top UN Financial and Troop Contributors» . reformtheun.org. Consultado em 23 de abril de 2009. Arquivado do original em 4 de setembro de 2009 
  20. a b «Nomino 6:6» (em norueguês). NRK. 4 de outubro de 2016. Consultado em 5 de outubro de 2016 
  21. a b «Sår tvil om Norges opphav» (em norueguês). Forskning.no for Universitetet i Agder. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  22. Heide, Eldar, 2017: "Noregr tyder nok vegen mot nord, likevel ".Namn og nemne, 2016. Vol 33, 13–37.
  23. Orning, Hans Jacob: En vestlandskonge? Klassekampen, 18 de fevereiro de 2013.
  24. «Different genetic components in the Norwegian population revealed by the analysis of mtDNA and Y chromosome polymorphisms» (PDF). European Journal of Human Genetics. Nature Publishing Group. 2002. Consultado em 6 de junho de 2009. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2011 
  25. Karen Larsen, A History of Norway (Princeton University Press: Princeton, 1948) p. 83.
  26. RF Foster: "The Oxford History of Ireland", Oxford University Press, 1989
  27. a b c Karen Larsen, A History of Norway p. 95.
  28. a b c d e Karen Larsen, A History of Norway (Princeton University Press, Princeton, New Jersey, 1948) p. 201.
  29. Karen Larsen, A History of Norway (Princeton University Press, 1948) p. 192.
  30. «The Black Death in Norway» . Ncbi.nlm.nih.gov. 3 de dezembro de 2008. Consultado em 8 de março de 2009 
  31. a b c d e f g h i j k «Black Death (pandemic)» . Britannica.com. Consultado em 23 de julho de 2011 
  32. Karen Larsen, A History of Norway p. 203.
  33. pp. 202–203.
  34. p. 195
  35. p. 197
  36. Evensberget, Snorre ; Andersen, Alf G. (texto) Bøhmer-Olsen, Jørn (fotografia) Rydén, Bo (tradução) (2014). «Natur och djurliv». Norge (em sueco). Estocolmo: Reseförlaget. p. 26-27. 296 páginas. ISBN 978-91-7425-238-5 
  37. Harald Gaski e Mikkel Berg-Nordlie. «Samer» (em norueguês). Store Norske Leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  38. Arne Forsgren e Anne Minken. «Kvener» (em norueguês). Store Norske Leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  39. Eivind Bråstad Jensen. 1991. Fra fornorskningspolitikk mot kulturelt mangfold. Nordkalott-Forlaget.
  40. I. Bjørklund, T. Brantenberg, H. Eidheim, J.A. Kalstad and D. Storm. 2002. Australian Indigenous Law Reporter (AILR) 1 7(1)
  41. «Immigrant population» . Ssb.no. Consultado em 24 de maio de 2010 
  42. «Population statistics» . Ssb.no. Consultado em 14 de fevereiro de 2009 
  43. «Foreign citizens, 1st January 2004» . Ssb.no. 1 de janeiro de 2004. Consultado em 8 de março de 2009 
  44. Statistics Norway – Church of Norway and other religious and philosophical communities
  45. Tarald Rasmussen e Sindre Bangstad. «religion i Norge» (em norueguês). Store Norske Leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  46. Church of Norway, 2011 Statistisk Norway 19.5.2012
  47. «Gallup Poll Results Reveal Estonia as the Most Atheistic Country in the World « Voices from Russia» . 02varvara.wordpress.com. Consultado em 8 de julho de 2009 
  48. «The People In The Church» . 209.85.129.132. Consultado em 8 de julho de 2009 
  49. Norway nearly no one in church
  50. «KOSTRA (Municipality-State-Reporting): Church» (em inglês). Ssb.no. Consultado em 29 de agosto de 2010 
  51. Church of Norway. Church services and participants, by diocese. 2005-2009 (Corrected 28 June 2010)
  52. «Eurobarometer on Social Values, Science and technology 2005» (PDF). p. 11. Consultado em 5 de maio de 2007 
  53. Gustafsson, Goran and Thorleif Pettersson. Folkkyrk och religios pluraism ?den nordiska religiosa modellen. Stockholm, Sweden: Verbum Forlag
  54. a b «More members in religious and philosophical communities» . Ssb.no. Consultado em 8 de março de 2009 
  55. a b c d e f g h «Members of Christian communities outside the Church of Norway» (em inglês). Statistics Norway. Consultado em 15 de dezembro de 2012 
  56. Lars S. Vikør. «Norsk» (em norueguês). Store Norske Leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  57. Svenn-Egil Knutsen e Duolljá Harald Gaski. «Samisk» (em norueguês). Store Norske Leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  58. «The King's constitutional role» . The Royal Court of Norway. Consultado em 24 de abril de 2009 
  59. «The Monarchy» . Norway.org. 18 de novembro de 2009. Consultado em 27 de janeiro de 2010 [ligação inativa] 
  60. «The Storting» . Norway.org. 10 de junho de 2009. Consultado em 27 de janeiro de 2010 [ligação inativa] 
  61. «List of Norwegian embassies at the website of the Norwegian ministry of foreign affairs» . Web.archive.org. 6 de fevereiro de 2008. Consultado em 12 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008  
  62. «EU-programmer» . Eu-norge.org. 30 de junho de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2010. Arquivado do original em 1 de maio de 2011 
  63. «NDF official numbers» . NDF. Consultado em 22 de abril de 2009. Arquivado do original em 27 de agosto de 2010 
  64. Gwladys Fouche and Balazs Koranyi (14 de junho de 2013): "Norway becomes first NATO country to draft women into military" , Reuters. Acessado em 15 de junho de 2013.
  65. «Forsvarsnett: Norwegian forces abroad» . www.mil.no. Consultado em 2 de setembro de 2008. Arquivado do original em 4 de março de 2011 
  66. Fouché, Gwladys (26 de fevereiro de 2008). «Svalbard's giant cold store» . The Guardian (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  67. Loria, Kevin (19 de maio de 2017). «The doomsday vault that's supposed to store every known crop on the planet is in danger» . Business Insider (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  68. World Economic Outlook Database-April 2009 , Gross domestic product per capita, current prices, Fundo Monetário Internacional. Retrieved April 22, 2009.
  69. World Economic Outlook Database-April 2009 , Gross domestic product based on purchasing-power-parity (PPP) per capita GDP, Fundo Monetário Internacional. Retrieved April 22, 2009.
  70. «Report for selected countries and subjects – current account balance, U.S. dollars, billions» . International Monetary Fund. www.imf.org. Outubro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2009 
  71. «CIA — The World Factbook — Rank Order — Oil — exports» . Cia.gov. 10 de fevereiro de 2009. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2012 
  72. «UPDATE 1-Statistics Norway raises '07 GDP outlook, cuts '08» . Uk.reuters.com. 6 de setembro de 2007. Consultado em 8 de março de 2009 
  73. «Norway: A Diamond in the Rough?» . blog.norway.com. 26 de fevereiro de 2009. Consultado em 23 de abril de 2009 
  74. «FAO Globefish global trends 2006» . Consultado em 8 de março de 2009 
  75. «EØS-loven — EØSl. Lov om gjennomføring i norsk rett av hoveddelen i avtale om Det europeiske økonomiske samarbeidsområde (EØS) m.v. (EØS-loven)» . Lovdata.no. Consultado em 14 de fevereiro de 2009 
  76. «NAV - Foreldrepenger ved fødsel» . Nav.no. 1 de julho de 2009. Consultado em 27 de janeiro de 2010 
  77. «The Norway Post - Declining unemplyment rate» . Norwaypost.no. Consultado em 27 de janeiro de 2010 
  78. «Norway - Implementation of the elements of the Bologna Process» (PDF). Consultado em 30 de maio de 2010. Arquivado do original (PDF) em 6 de fevereiro de 2004 
  79. Tuition Fees - Study in Norway http://www.studyinnorway.no/sn/Tuition-Scholarships/Tuition-fees Arquivado em 19 de julho de 2011, no Wayback Machine. Retrieved June 21, 2010.
  80. Norwegian Ministry of Transport and Communication, 2003: 3
  81. Norwegian National Rail Administration, 2008: 4
  82. a b Norwegian National Rail Administration. «About» . Consultado em 15 de julho de 2008. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2007 
  83. Norwegian National Rail Administration, 2008: 13
  84. Norwegian National Rail Administration, 2008: 16
  85. Norwegian Ministry of Transport. «Kollektivtransport» (em Norwegian). Consultado em 15 de julho de 2008 
  86. Norges Statsbaner. «Train facts» . Consultado em 15 de julho de 2008. Cópia arquivada em 12 de junho de 2008  
  87. a b Central Intelligence Agency (2008). «Norway» . Consultado em 15 de julho de 2008 
  88. Norwegian Ministry of Transport and Communications, 2003: 15
  89. a b c d Avinor (2008). «2007 Passasjerer» (em Norwegian). Consultado em 15 de julho de 2008 
  90. Avinor. «About Avinor» . Consultado em 15 de julho de 2008. Arquivado do original em 31 de março de 2008 
  91. Oslo Lufthavn. «Car» . Consultado em 15 de julho de 2008 
  92. Oslo Lufthavn. «International scheduled routes from Oslo» . Consultado em 15 de julho de 2008 
  93. Scandinavian Airlines System. «Rutekart» . Consultado em 15 de julho de 2008. Arquivado do original em 28 de junho de 2012 
  94. Norwegian Air Shuttle. «Route Map» . Consultado em 15 de julho de 2008. Arquivado do original em 14 de julho de 2008 
  95. Widerøe. «Våre destinasjoner» . Consultado em 15 de julho de 2008. Arquivado do original em 15 de agosto de 2008 
  96. Mäkelä, Essi; Jukka Venäläinen (2010). «Livsstil». Norge: Kongeriket Norge (em sueco). Kuopio: Unipress. p. 17. 32 páginas. ISBN 978-951-579-403-1 
  97. Mäkelä, Essi; Jukka Venäläinen (2010). «Allmänt». Norge: Kongeriket Norge (em sueco). Kuopio: Unipress. p. 7. 32 páginas. ISBN 978-951-579-403-1 
  98. «This Norwegian cult movie inspired the fastest car in the world» (em inglês). Nordic Bussiness Insider. Consultado em 2 de dezembro de 2018 
  99. Evensberget, Snorre ; Andersen, Alf G. (texto) Bøhmer-Olsen, Jørn (fotografia) Rydén, Bo (tradução) (2014). «Skidåkningens hemland». Norge (em sueco). Estocolmo: Reseförlaget. p. 30-31. 296 páginas. ISBN 978-91-7425-238-5 
  100. Mäkelä, Essi; Jukka Venäläinen (2010). «Idrott». Norge: Kongeriket Norge (em sueco). Kuopio: Unipress. p. 25. 32 páginas. ISBN 978-951-579-403-1 
  101. Lei dos dias santos - em norueguês
    Lei dos dias 1 e 17 de Maio - em norueguês
    Estes dias também estão incluidos nesta lista publicada em português pelo Statistisk Sentralbyrå, o correspondente ao Instituto Nacional de Estatística

Ligações externas


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Imagens e media no Commons
Categoria no Commons


Noruega

Demografia • Economia • Família Real • Forças Armadas • Geografia • História • Política • Subdivisões • Turismo









Categorias: Noruega








Data da informação: 29.05.2020 07:42:07 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.