Ordem dos Assassinos - pt.LinkFang.org

Ordem dos Assassinos


(Redirecionado de Ordem_dos_assassinos)


Ordem de Assassinos (Arábico:[1] حشاشين Ḥaxāxīn ou باطنیان Bāteniān) foi uma seita fundada no século XI por Haçane Saba, conhecido como O Velho da Montanha. Seu fundador criou a seita com o objetivo de difundir nova corrente do ismaelismo, que ele mesmo havia criado. Sua sede era o castelo de Alamute, no Irão.

A fama do grupo se alastrou até o mundo cristão, que ficou surpreso com a fidelidade de seus membros, mais até que com sua ferocidade. Seu líder possuía cerca de 60 mil seguidores, segundo alguns relatos da época especulavam. Para Bernard Lewis, autor de Os Assassinos, haveria um evidente paralelo entre essa seita e o comportamento extremista islâmico, assim como o ataque suicida como demonstração de .

O ismaelismo é uma das correntes do esoterismo islâmico, que se enquadra no Islão Xiita.

Índice

Etimologia


O termo viria de "Assass" – ou seja, "os fundamentos" da fé islâmica. Mas muitas são as versões sobre essa nomenclatura, como nome da seita teria dado origem às palavras "assassino" e outras semelhantes em várias línguas europeias. Desde Marco Polo, que se acredita que o termo provém de "haxixe", ou que o nome da erva haxixe tem origem no ato de "haschichiyun", que significa "fumador de haxixe". Algumas fontes cristãs medievais relatam que os Assassinos teriam por hábito consumir esta substância antes de perpetrarem os seus ataques, induzindo-lhes a visão do Paraíso. Contudo, as fontes ismaelitas não fazem referência a qualquer prática deste tipo, sendo esta lenda resultado de relatos de Marco Polo e de outros viajantes europeus no Médio Oriente.

No entanto, Amin Malouf afirma que a verdade é diferente. De acordo com textos que chegaram até nós a partir de Alamute, Haçane Saba gostava de chamar seus discípulos de Asasiyun, ou seja, pessoas que são fiéis à Asas, que significa "fundação" da fé. Esta é a palavra, mal compreendida pelos viajantes estrangeiros, que parecia semelhante ao 'haxixe' ".

O método dos Assassinos


Apesar de andarem uniformizados na fortaleza de Alamute com trajes brancos e um cordão vermelho em volta da cintura, quando recebiam uma missão, camuflavam-se. Preferiam se misturar aos mendigos das cidades da Síria, da Mesopotâmia, do Egito e Israel, para não despertarem a atenção. No meio da multidão urbana, eles levavam uma vida comum para não atrair suspeitas, até que um emissário lhes trazia a ordem para atacar. Geralmente, eles aproximavam-se da sua vítima em número de três. Se por acaso dois punhais, lâminas ocultas nas mangas ou espadas fracassasse, haveria ainda um terceiro a completar o serviço. Atuavam em qualquer lugar - nos mercados, nas ruas estreitas, dentro dos palácios e até mesmo no silêncio das mesquitas, lugar por eles escolhido em razão das vítimas estarem ali entregues à oração e com a guarda relaxada. Até o grande sultão Saladino, seu inimigo de morte, eles chegaram a assustar, deixando um punhal com um bilhete ameaçador em cima da sua alcova.

Origens


Os Assassinos resultaram de uma disputa sucessória no Califado Fatímida, uma dinastia xiita que governou o Norte da África e o Egito nos séculos X e XI. Após a morte do califa fatímida Almostancir em 1094, Haçane Saba recusou-se a reconhecer o novo califa, Almostali, decidindo apoiar o irmão mais velho deste, Nizar.

Em 1090, Haçane e os seus partidários já tinham capturado o castelo de Alamute, situada perto da actual cidade iraniana de Teerão. Esta fortaleza serviu como centro de operações, a partir da qual Haçane comandava a realização de ataques nos territórios que são hoje o Iraque e o Irão.

A partir do século XII, os Assassinos começam a atacar a Síria, tendo tomado vários castelos situados nas montanhas de Nosairia. Um desses castelos foi Massiafe, a partir do qual Rashid ad-Din as-Sinan governou de forma praticamente independente em relação a Alamute.

Fim e destruição


A Ordem dos Assassinos foi aniquilada após as campanhas militares dos mongóis contra o Império Corásmio, provavelmente por terem sido despachados para assassinar o Mongke Khan, neto de Gengis Khan. Houve dois momentos que o Império Mongol enviou hordas para montarem cerco contra as fortalezas dos assassinos, a primeira delas foi sob comando do general Kitbuqa e, finalmente, a segunda foi sob comando do Hulagu Khan, irmão do Khan assassinado.

Após o Castelo de Alamute ser completamente dizimado, os remanescentes membros da Ordem retornaram para tentar restabelecer a seita, porém, sem apoio recursal e político, a Ordem dos Assassinos foi extinta.

Lista de Governantes de Alamute (e Mestre da Ordem)


Dais
Imames

Referências


  1. «hashish - definition of hashish by the Free Online Dictionary, Thesaurus and Encyclopedia» . Thefreedictionary.com. Consultado em 19 de julho de 2013 








Categorias: História do Islão | Sociedades secretas | Império Seljúcida | Nizaris








Data da informação: 30.05.2020 06:16:30 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.