Paulo Souto - pt.LinkFang.org

Paulo Souto




Paulo Souto
Paulo Souto
Vice-governador da Bahia
Período 15 de março de 1991
até 2 de abril de 1994
Antecessor Nilo Moraes Coelho
Sucessor Rosalvo Barbosa Romeu
46.º e 49.º Governador da Bahia
Período 1 de janeiro de 1995
até 4 de abril de 1998
Antecessor Antônio Imbassahy
Sucessor César Borges
Período 1 de janeiro de 2003
até 1 de janeiro de 2007
Antecessor Otto Alencar
Sucessor Jaques Wagner
Senador pela Bahia
Período 1 de fevereiro de 1999
até 31 de dezembro de 2002
Antecessor Josaphat Marinho
Sucessor Rodolpho Tourinho
Secretário da Fazenda de Salvador
Período 1 de janeiro de 2015
até a atualidade
Prefeito ACM Neto
Antecessor Mauro Ricardo Costa
Dados pessoais
Nome completo Paulo Ganem Souto
Nascimento 19 de novembro de 1943 (76 anos)
Caetité, Bahia
Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Adélia Ganem Souto
Pai: Antônio Carlos Souto
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Cônjuge Isabel Loureiro Souto
Filhos Fábio Souto
Vitor Loureiro Souto
Rodrigo Loureiro Souto
Partido PFL (1986-2007)
DEM (2007-presente)
Profissão Geólogo

Paulo Ganem Souto (Caetité, 19 de novembro de 1943) é um geólogo e político brasileiro.

Índice

Biografia


Filho de Antônio Carlos Souto, que foi juiz e intendente do município de Caetité, e de Adélia Ganem Souto. Muito jovem mudou-se para Caravelas e passou por outras cidades, acompanhando o pai nas comarcas em que este atuou.

Em Ilhéus passa parte da juventude, tendo estudado no colégio Eusínio Lavigne e iniciado como locutor e comentarista esportivo na Rádio Cultura da cidade.

Foi locutor esportivo em Salvador, formando-se ali em Geologia, pela Universidade Federal da Bahia. Assim que se formou, volta a Ilhéus, coordenando o setor de Geologia da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) por três anos, período em que faz doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Conclui o curso em 1971, ano em que se casa com Isabel Carolina Loureiro, com quem tem três filhos.

Leciona na Universidade Federal da Bahia até vir a ocupar o cargo de superintendente da SUDENE, em 1987.

Ocupou, ainda, diversos cargos na administração do Estado, no primeiro governo de ACM, e mesmo após este, de 1979 a 1986.

Em 1991 foi eleito vice-governador, no novo mandato de ACM, a quem sucedeu, no período de 1995 a 1998, quando se licencia para concorrer ao mandato de senador, para o qual foi eleito.

Eleito senador em 1998, Paulo Souto teve atuação de destaque no Congresso Nacional. Relator da CPI do Judiciário, foi ele o responsável pela obtenção de provas que levaram, pela primeira vez na história do Brasil, à prisão de um Juiz de Direito por crime de corrupção (Nicolau dos Santos Neto) e à cassação de um senador da República pelo mesmo tipo de crime (Luís Estevão-DF).

Disputa, em 2002, novamente, o cargo de governador da Bahia e vence, exercendo o mandato 2003-2006. A vitória, em 2002, foi em primeiro turno, derrotando o candidato do PT, Jaques Wagner por 52% a 38%.

Em 2006 tentou a reeleição; embora as pesquisas indicassem sua vitória, foi derrotado por Jaques Wagner do PT já no primeiro turno, nesta que foi considerada como a maior vitória daquele partido em governos estaduais até então.[1]

Em 2007 foi eleito presidente do Democratas da Bahia. Em 2010 voltou a se candidatar contra o mesmo Jaques Wagner, sendo derrotado já no primeiro turno novamente - apesar de as pesquisas eleitorais indicarem sua vitória.[1]

Foi candidato ao governo baiano nas eleições de 5 de outubro de 2014, obtendo 37,39 % dos votos válidos contra 54,53 % do seu principal adversário, Rui Costa, eleito no 1º turno.[2] Souto era líder em todas as pesquisas, à exceção da realizada pelo IBOPE no dia 4 de outubro, segundo a qual Rui Costa e Paulo Souto estavam empatados com 46% das intenções de votos.[3]

Governos da Bahia


Realizações

Em 1994, foi eleito governador pela primeira vez, com 58,64% dos votos válidos. Sua primeira gestão à frente do Estado foi marcada por grandes programas, como o Bahia Azul, que aumentou de 25% para 80% a cobertura da rede de esgoto residencial de Salvador e foi renomeado pelo atual governo. Além do Bahia Azul, Souto implantou programas sociais como Viver Melhor, Cabra Forte e Pró Gavião.

Em 1998, se elegeu senador da República para o período de 1999 a 2007, com 2.583.185 votos (73,24%). No Senado, foi relator da CPI do Judiciário e membro titular das comissões de Assuntos econômicos, de Infraestrutura e da Comissão de Ética, além de ter sido relator da Comissão Especial Mista da Crise Energética.

Em 2002, foi eleito novamente governador, com 53,69% dos votos válidos. Neste segundo mandato, iniciado em 1º de janeiro de 2003, Souto destacou seu trabalho neste mandato para o turismo e consolidou a Bahia como uma das principais economias do país com seu governo voltado ao desenvolvimento.

Citações

Trechos da Mensagem proferida por Paulo Souto à Assembleia Legislativa, em 15 de fevereiro de 2006:

"Nesses três anos, nos lançamos, sem arrefecer um só instante, num esforço obstinado para inserir a Bahia num novo patamar histórico de desenvolvimento. Essa jornada foi balizada, sempre, pelo propósito de promover o desenvolvimento humano, mediante a conjugação do crescimento econômico com a justiça social. Para nós, não se trata, tão somente, de buscar o crescimento, mas também a qualificação desse crescimento. Crescer com qualidade é a "regra de ouro" desse Governo.
A Wikipédia possui o
Portal da Bahia
"No nosso Governo, atribuímos prioridade absoluta à educação. A nossa visão de futuro parte da constatação de que a educação está no âmago das transformações desse novo milênio: é imperativo econômico da sociedade do conhecimento e alicerce para as políticas de redução das desigualdades, constituindo-se, ainda, num importante referencial do grau de democracia e justiça de uma sociedade."

Referências


  1. a b Larissa Morais (10 de novembro de 2010). «Campanha Presidencial» . Eleições UOL. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  2. «Apuração de votos para governador na Bahia» . G1. 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de outubro de 2014 
  3. «Apuração de votos para governador na Bahia» . Exame. 4 de outubro de 2014. Consultado em 5 de outubro de 2014 
Precedido por
Antônio Carlos Magalhães
Governador da Bahia
1994
Sucedido por
Ruy Trindade
Precedido por
Antônio Imbassahy
Governador da Bahia
1995 - 1998
Sucedido por
César Borges
Precedido por
César Borges
Governador da Bahia
2003 - 2007
Sucedido por
Jaques Wagner
Precedido por
Josaphat Marinho
Senador da Bahia
1999 - 2003
Sucedido por
Rodolpho Tourinho








Categorias: Nascidos em 1943 | Governadores da Bahia | Senadores do Brasil pela Bahia | Professores da Universidade Federal da Bahia | Naturais de Caetité | Alunos da Universidade Federal da Bahia | Alunos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo | Membros do Democratas (Brasil) | Vice-governadores da Bahia








Data da informação: 31.05.2020 11:09:02 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.