Rainha - pt.LinkFang.org

Rainha


 Nota: Para outros significados, veja Rainha (desambiguação).
Classificação da Nobreza
Imperador e Imperatriz
Rei e Rainha
Príncipe e Princesa
Infante e Infanta
Arquiduque e Arquiduquesa
Grão-duque e Grã-duquesa
Duque e Duquesa
Marquês e Marquesa
Conde e Condessa
Visconde e Viscondessa
Barão e Baronesa
Baronete e Baronetesa
Cavaleiro e Dama
Escudeiro e Escudeira
Para ver todos os títulos clique aqui

Rainha (antigo: Ray'a,[1] Reynna) é o feminino de rei - poderá corresponder directamente à monarca, como a rainha soberana, exemplo: Elizabeth II do Reino Unido, ou, simplesmente, à esposa do rei,[2] sendo assim chamada de rainha consorte, exemplo: Rainha Silvia da Suécia.

Índice

Rainha reinante


Uma rainha reinante é uma referência a uma qualificação feminina de uma monarca que tem posse e exerce todos os poderes de um governante de uma monarquia absoluta, ou constitucional, em contraste com uma rainha consorte, que é a esposa de um homem que é um monarca reinante, não exercendo ela qualquer poder de Estado, apenas detém um título de cortesia.

História


No Antigo Egito, nas culturas do Pacífico, e até mesmo na História dos países europeus, as monarcas passaram a ter o título de rei ou o seu equivalente, como faraó (como é o caso da faraó Hatchepsut), quando o género é irrelevante para o governo. Também os bizantinos, com o exemplo da Imperatriz Irene, chamavam a uma monarca de basileus (βασιλεύς), Imperador ao invés de Basilissa (βασίλισσα), Imperatriz. E Edviges da Polónia foi coroada como Rex Poloniae, Rei da Polónia.

Entre os Reis Davi de Judá e Israel, não é mencionado uma única rainha reinante; apesar de Atália, embora a Bíblia se refira negativamente como uma usurpadora. A rainha Salomé Alexandra (Shlomzion), é citada na Bíblia como Rainha de Sabá, em hebraico: 'מלכת שבא , uma rainha soberana do reino de Sabá que foi muito popular no Antigo e no Novo Testamento, no Alcorão, na história da Etiópia e do Iémen.

Tecnicamente, um rei também pode ser um rei reinante ou um rei consorte, mas esta distinção é rara e, por exemplo, foi usado apenas duas vezes na história da monarquia britânica e nas monarquias antecessoras. Em todas as monarquias atuais que permitem que uma rainha assuma o trono, o marido da rainha, como não é chamado rei, em geral é classificando como príncipe consorte. O marido da rainha Maria I de Inglaterra e os dois primeiros maridos da rainha Maria I da Escócia foram criados todos reis consorte dos reinos das suas esposas. O marido de Maria II, Rainha da Inglaterra, da Irlanda e da Escócia, foi nomeado rei co-regente soberano com ela, como Guilherme III. O último protagonizou a única ocasião de co-soberania na Grã-Bretanha.

A adesão de um regente ocorre conforme as leis de sucessão de cada nação. Entre os métodos de sucessão, a sucessão mais típica nas monarquias europeias, a partir do final da Idade Média e através da maior parte do século XX, foi a primogenitura e a preferência masculina, ou seja, na ordem de sucessão entravam os filhos varões do monarca, por ordem de nascimento, seguidos pelas filhas ou netos do monarca. Historicamente, muitos reinos proibiam a sucessão por mulheres ou por meio de uma linha feminina, em obediência à lei sálica, e alguns ainda o fazem. Uma rainha reinante nunca governou a França, por exemplo. Apenas uma mulher, Maria Teresa de Habsburgo governou o Sacro Império Romano, ela manteve o título Imperatriz, primeiro pelo casamento e depois como governante de facto durante quarenta anos. A Dinamarca proibiu até 1953 que as mulheres ascendessem ao trono, mas houve uma rainha reinante, Margarida I foi rainha da Noruega, da Dinamarca e também posteriormente regente da Suécia, e fundadora da histórica União de Kalmar, que unificou todos os reinos escandinavos num único país.

Nos dias finais do século XX, Suécia, Noruega, Bélgica, Dinamarca e os Países Baixos alteraram os seus atos de sucessão de primogenitura com nenhuma preferência quanto ao sexo. Em alguns casos, a alteração não terá efeito durante as vidas das pessoas que já estavam na linha de sucessão aquando da aprovação da lei.

Na China, Wu Zetian (武則天) tornou-se a Imperatriz reinante e estabeleceu a Dinastia Zhou, também conhecida como Wu Zhou (武周), após a destituição dos seus filhos. Embora o Trono do Crisântemo do Japão atualmente estar proibido para as mulheres, isso nem sempre tem acontecido na história do Japão, tendo já subido ao trono oito imperatrizes; um bom exemplo de imperatriz reinante do Japão é a Imperatriz Kogyoku-Saimei, que reinou por duas vezes.

Ver também


Referências


  1. Elucidario das palavras: termos e frases que em Portugal se usavam
  2. rainha in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-23 03:05:34]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/rainha

Ligações externas


Este artigo sobre títulos de nobreza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o .









Categorias: Títulos de realeza | Rainhas soberanas | Rainhas




Data da informação: 17.12.2020 06:13:04 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.