Revolta de 1173-1174 - pt.LinkFang.org

Revolta de 1173-1174


A revolta de 1173-1174 foi uma rebelião contra Henrique II de Inglaterra de três dos seus filhos, da sua esposa Leonor da Aquitânia e dos barões que os apoiaram. A rebelião durou 18 meses e falhou completamente. Os membros rebeldes da família real tiveram de se resignar frente ao poder de Henrique II e reconciliaram-se com ele.

Índice

Contexto


Henrique II, muitas vezes denominado como o «maior rei medieval de Inglaterra», reinava sobre um dos mais importantes conjuntos de territórios da Europa: o império Plantageneta, composto pela Inglaterra, a Normandia, Anjou e o Maine. A esposa Leonor da Aquitânia trouxe ao seu vasto domínio a Aquitânia: Poitou, Aquitânia, Angoumois, Saintonge e Limousin.

Em 1173 o rei tinha quatro filhos (por idade decrescente): Henrique, chamado de o "rei jovem" por ter sido coroado em 1170, Ricardo (mais tarde chamado de "Coração de Leão"), Godofredo e João "Sem Terra". Todos eles esperavam herdar toda ou partes das posses do pai.

Henrique o Jovem acabara de fazer 18 anos de idade nesse ano de 1173, e era conhecido pelo seu charme e beleza. Acabara de casar com Margarida, filha de Luís VII de França. O jovem não tinha grandes recursos financeiros. Numerosos cavaleiros lhe eram fiéis, mas ele não tinha meios de os recompensar. Estava portanto impaciente em tomar conta dos territórios paternos e em governá-los.

O que despoletou essa rebelião foi a intenção anunciada pelo rei em oferecer os castelos de Chinon, Loudun e Mirebeau ao seu filho mais novo João, como parte do combinado pelo seu casamento com Alice, a filha de Humberto III, Conde de Saboia e de Maurienne. Com esse conhecimento o jovem Henrique, que havia muito procurava um motivo para enfrentar o seu pai, foi encorajado a rebelar-se por numerosos aristocratas que viam oportunidades na passagem de poder. A sua mãe Leonor, que se tinha zangado com o seu marido o Rei, juntou-se à causa. Muitos seguiram-na, descontentes com Henrique II desde que este mandara assassinar, em 1170, o arcebispo Thomas Becket.

Formação da aliança


Em março de 1173 o jovem Henrique refugiou-se na corte de seu sogro Luís VII, em França. Em breve seria seguido pelos seus irmãos Ricardo e Godofredo. A mãe tentou juntar-se-lhes, mas foi presa a caminho, ficando cativa. O jovem Henrique e o seu mentor francês criaram alianças contra Henrique II, prometendo terras e rendas em Inglaterra e Anjou aos condes de Flandre, de Bolonha, Blois e a Guilherme o Leão, Rei da Escócia.

O jovem Henrique jurou que daria a Filipe da Alsácia, conde de Flandre, 1000 libras anuais em Inglaterra, Kent e os castelos de Dover e de Rochester. A Mateus da Alsácia, conde de Bolonha, irmão do precedente, daria o condado de Mortain e as honras de Hay, Ao conde de Blois, daria 200 libras anuais em Anjou, o castelo de Amboise com todas as juridições que reclamava em Touraine, e o abandono das reivindicações dos Plantagenetas sobre Château-Renault. Ghilherme o Leão, pela sua assistência, receberia Northumberland com o rio Tyne como limite a sul. David, irmão de Guilherme, prometeu os condados de Huntingdon e Cambridge. A Hugo Bigot, primeiro conde de Norfolk, prometeu o castelo de Norwich.

A revolta


A Normandia constitui uma questão maior neste revolta. É nas fronteiras desse ducado que as hostilidades se iniciam em abril de 1173. Além de que Henrique II comanda pessoalmente o exército na Normandia, papel que abandona aos seus fiéis barões em Inglaterra. Para reduzir a rebelião, o rei utiliza uma nova arma: chama os seus mercenários brabançon, cuja mobilidade irá colocar em maus lençóis os pesados exércitos feudais.

Em abril de 1173 os condes de Flandre e de Bolonha invadiram a Normandia pelo leste, o rei de França e o jovem Henrique pelo sul, enquanto que os bretões atacaram pelo oeste. Aumale e Gournay-en-Bray são tomadas. Verneuil-sur-Avre é incendiada. Mas no final de cada assalto, existiu uma derrota: o Conde de Bolonha é morto, Luís é derrotado e expulso da Normandia, e os bretões colocados em fuga em Dol com pesadas percas humanas. Na primavera de 1174 a Normandia fica temporariamente fora de perigo. Ao mesmo tempo, Henrique volta a tomar le Mans. Os ataques de Guilherme o Leão ao norte de Inglaterra são também repelidos. São abertas negociações entre pai e filho, mas em vão.

O conde de Leicester, Roberto III de Beaumont, chefe dos barões rebeldes normandos, portanto a favor de Henrique o Jovem, toma a rédea. Leva um exército de mercenários flamengos, atravessa o Mar da Mancha em direção à Inglaterra para ali juntar-se aos outros barões rebeldes, nomeadamente Hugo Bigot, conde de Norfolk. O conde de Leicester encontra as forças inglesas vindas do norte do reino, lideradas por Ricardo de Lucy, e é completamente derrotado. Os barões fieis a Henrique II ter-lhe-ão dito: «é um mau ano para os seus inimigos».

A rebelião não terminou, e na primavera de 1174, esta continua. David da Escócia, irmão do "Leão", regressa ao sul para tentar conquistar o norte de Inglaterra, e toma a chefia dos barões rebeldes. Guilherme de Ferrières, conde de Derby, um barão rebelde, incendeia a cidade de Nottingham enquanto que Bigot faz o mesmo na cidade de Norwich.

A 8 de julho de 1174 Henrique II de Inglaterra, que se encontrava na Normandia combatendo os seus inimigos, desembarca em Inglaterra. O seu primeiro gesto é de penitência pela morte de Thomas Becket que, assassinado por alguns de seus cavaleiros três anos antes, tinha sido canonizado. A 13 de julho de 1174, Guilherme I da Escócia e vários dos seus companheiros são surpreendidos e capturados em Alnwick. No seguimento desse acontecimento, Henrique II torna-se capaz de limpar a oposição, passando sobre cada bastião rebelde para receber a sua rendição.

Depois da Inglaterra, o rei retorna ao continente pois Luís VII de França e o conde de Flandre Filip da Alsácia, sitiam Rouen. A 11 de agosto, e depois de encerrar os seus presos em Falaise, Henrique II vai para a capital normanda. Surpreendido, o rei de França não insiste e regressa ao seu domínio. A 30 de setembro, em Montlouis, o jovem Henrique e os seus irmãos reconciliam-se com seu pai, assinam a paz, e regressam ao seu serviço, reconhecendo-o como seu senhor.


Numerosas cidades e castelos foram destruidos. Numerosas pessoas morreram. A responsabilidade recaiu nos conselheiros do jovem Henrique e nos barões rebeldes que manipularam o jovem príncipe inexperiente, em busca de fortuna. Guilherme o Marechal, fiel ao jovem Henrique durante a revolta, terá dito: «maldito seja o dia em que os traidores conspiraram para confundir o pai e o filho». Guilherme I da Escócia, capturado e preso em Falaise, não tem outra opção que assinar o tratado de Falaise em dezembro de 1174. Através desse tratado, Guilherme reconhecia o reino de Inglaterra como suserano do reino da Escócia.

Leonor ficou cativa durante quase 15 anos, primeiro em Chinon, depois em Salisbury, e em diversos castelos da Inglaterra.

Fontes











Categorias: Século XII na Inglaterra | História da Inglaterra | História da Normandia




Data da informação: 16.12.2020 09:37:59 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.