Sistema de unidades


Um sistema de unidades é um conjunto consistente de unidades de medida que contém um conjunto de unidades fundamentais de medida das quais se derivam todas as outras unidades contidas no sistema. No passado as unidades utilizadas eram decididas pelos governantes e não necessariamente possuíam uma relação direta e até poderiam mudar de valor com o tempo e entre diferentes regiões de um mesmo país.

Índice

História


Uma das primeiras ferramentas inventadas pelo homem, devido a necessidade da construção de habitações, confeção de vestes e troca de recursos, por exemplo. Para realizar estas medidas, partes do corpo humano e elementos da natureza foram os primeiros instrumentos utilizados. Registros históricos da Babilônia e do Egito antigo descrevem a utilização da mão, braço e dedo para medidas de comprimento, e períodos solares e lunares para a medida de tempo. Para medidas de volume de recipientes, o método utilizado era colocar sementes até o recipiente estar cheio e depois contar elas. Para medir massa, eram utilizadas sementes ou pedras como padrão para a balança[1]. O quilate, por exemplo, é uma unidade de massa com valor de 200 mg até hoje utilizada e possui a sua origem na semente de Alfarrobeira.

Com o desenvolvimento das civilizações, comercio, construções, taxas e demarcação de terras necessitavam de unidades que não variassem com o tempo ou o lugar. Assim, as unidades geralmente eram definidas pelos reis, porém com base em elementos que nem sempre se relacionavam bem, e que poderiam ser modificadas pelos reis posteriores. Um exemplo disto foi que no reinado de Afonso III de Portugal, uma lei de 26 de dezembro de 1253 dava a equivalência de 11,5 onças para o arrátel, enquanto durante o reinado de João II de Portugal (1481-1495) o arrátel ficou definido como valendo 2 marcos, ou 14 onças [2]. Como os métodos de comunicação e locomoção eram limitados, e os elementos utilizados como base para medidas diferentes, diversos sistemas com as mais variadas unidades foram desenvolvidos e utilizados em diferentes partes do mundo, até podendo haver diferenças entre regiões de um mesmo país.

Com a renascença e a revolução científica, estas diferenças de unidades se mostravam cada vez mais complicadas de se lidar. No campo da ciência, Isaac Newton cita em seu livro de 1687, Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, suas medidas de comprimento de parisiense, para que fosse possível para os leitores identificarem o valor. Ao mesmo tempo, o crescente comercio internacional sofria com a disparidade de unidades. Por exemplo, a unidade de comprimento vara era bastante utilizada na Europa, porem o seu valor variava de país para país, equivalendo a 40,2 cm em algumas partes da Alemanha mas possuindo valor de 94,5 cm na Escócia. Estes casos demonstravam que era necessário se adotar um padrão internacional para as unidades.

Em 1668, no seu Essay towards a Real Character and a Philosophical Language, John Wilkins propôs a utilização do segundo como unidade básica de tempo, que o comprimento de um pendulo com período de dois segundos fosse a unidade básica de comprimento, sendo denominada "padrão" (equivalente a 994 mm) e que a base para massa seria a "centena", sendo definida como a massa de agua destilada em um recipiente de um padrão cúbico[3].

Em 1670, o astrônomo francês Gabriel Mouton, que também era vigário da igreja de São Paulo em Lyon, sugeriu a utilização de um sistema decimal semelhante a de Wilkins, porém baseado no comprimento de um segundo de arco de longitude no equador e com prefixos denominando cada potência de dez do comprimento, semelhante ao utilizado atualmente no SI. A proposta de Mouton contou com o apoio de Jean Picard e Christiaan Huygens. Neste mesmo ano Gottfried Leibniz também fez propostas semelhantes as de Mouton[4]. Embora tenham sido feitas outras propostas além destas, apenas cerca de um século mais tarde é que algo foi feito, resultando no sistema métrico.

Sistema métrico

Ver artigo principal: Sistema métrico

Em 5 de maio de 1789, Luís XVI convocou a assembleia dos estados gerais - que não ocorria desde 1614 - que desencadeou uma série de eventos que culminam na revolução francesa. Em 27 de junho do mesmo ano, a Assembleia Nacional Constituinte Francesa pediu para Academia Francesa de Ciências criar um padrão de medidas que fosse invariável, não sendo susceptível a corrupção. Em 4 de agosto, três semanas após a tomada da Bastilha, a nobreza abriu mão de seus privilégios, incluindo o direito de controlar as medidas locais[5].

Em 1790 foi formado pela assembleia o comitê responsável pela criação do novo padrão, tendo como integrantes Jean-Charles de Borda, Joseph-Louis Lagrange, Pierre-Simon Laplace, Gaspard Monge e Nicolas de Condorcet.

O sistema criado pela comissão foi definido utilizando a base decimal, onde os múltiplos de potencias de dez da unidade possuindo prefixos e tendo como unidades fundamentais metro, grama e segundo, onde tais quantidades foram definidas assim:

Em 7 de abril de 1795, o governo da França revolucionária decretou que estas seriam as novas unidades base do país[6].

Em 22 de junho de 1799 foi depositado, nos Arquivos da República em Paris, dois protótipos de platina iridiada, que representam o metro e o quilograma, ainda hoje conservados no Bureau International des Poids et Mesures (Escritório Internacional de Pesos e Medidas) na França.

Embora vários países tenham adotado o sistema métrico, a repetição da medição da distancia entre o polo norte e o equador se mostrava extremamente trabalhosa, e copiar o metro padrão francês também não se mostrava uma boa opção, pois embora fosse possível copiar a medida, a barra padrão e as suas cópias possuíam exatamente um metro e, sendo suscetíveis a desgaste com o uso, com o tempo começaram a mostrar valores diferentes para o metro.

Para corrigir este problema, na conferencia internacional de 1867 foi proposta a implementação de uma barra internacional de metro padrão que fosse mais fácil de se copiar para outros países, e que possuísse mais que um metro e com marcações indicando o tamanho de metro, com isso solucionando o problema do desgaste.

Em 20 de maio de 1875 foi assinado por 17 países a Convenção do Metro. Este tratado definiu as seguintes organizações para conduzirem as atividades internacionais relacionadas ao sistema uniforme de medidas[7]:

A nova barra de internacional de metro foi adotada em 1889, utilizando 90% de platina e 10% de irídio, sendo escolhido devido a sua dureza, alto coeficiente de elasticidade e baixo coeficiente de expansão. A barra foi feita possuindo uma seção reta em forma de "X" desenvolvida pelo físico Henri Tresca a fim de minimisar os efeitos de esforço torcional durante as comparações[6].

Sistema MKS


Ver artigo principal: Sistema MKS de unidades

É baseado no metro e no quilograma padrão, contidos no Arquivos da República em Paris, e é assim denominado utilizando a tipologia LMT - do inglês Lenght, Mass e Time, significando em português comprimento, massa e tempo - tendo como suas unidades básicas o metro, o quilograma e o segundo.

Até a definição do sistema internacional em 1954, dividiu com o sistema CGS o posto de principal sistema métrico, sendo mais utilizado por engenheiros e cientistas, que trabalhavam em contextos maiores, enquanto o sistema CGS era preferido por pelos cientistas teóricos.[8].

Foi o precursor do sistema internacional, e por isso muitas de suas unidades estão presentes no SI, como é possível observar na tabela abaixo.

Unidades mecânicas MKS
Grandeza Unidade Definição (Dimensional) CGS SI
comprimento metro m = 102 cm = 1 m
massa quilograma kg = 103 g = 1 kg
tempo segundo s
força newton N = 1 kg.m/s2 = 105 dyn = 1 N
energia joule J = 1 kg.m2/s2 = 107 erg = 1 J
potência watt W = 1 kg.m2/s3 = 107 erg/s = 1 W
pressão pascal Pa = 1 kg.m-1.s-2 = 10−5 bar = 1 Pa

Sistema CGS


Ver artigo principal: Sistema CGS de unidades

Também denominado utilizando a tipologia LMT, tem como suas unidades básicas o centímetro, o grama e o segundo.

Unidades mecânicas CGS
Grandeza Unidade Definição (Dimensional) SI
comprimento centímetro cm = 10–2 m
massa grama g = 10–3 kg
tempo segundo s
força dina dyn = 1 g.cm/s² = 10–5 N
energia erg erg = 1 g.cm²/s² = 10–7 J
potência erg por segundo 1 erg/s = 1 g.cm²/s³ = 10–7 W
pressão bar bar = 106 dyn/cm² = 105 Pa
viscosidade poise 1 P = 1 g/(cm.s) = 10–1 Pa.s

Sistema Internacional de Unidades


Ver artigo principal: Sistema Internacional de Unidades

Também conhecido como SI, é o sistema oficial de todos os países do mundo (exceto Estados Unidos, Birmânia e Libéria), sendo a forma moderna do sistema métrico e a evolução do sistema MKS.

Origem e desenvolvimento

Tem como base o sistema MKS, mas com a adição de mais unidades fundamentais.

Em 1901, o engenheiro elétrico Giovanni Giorgi propôs a implementação de uma quarta unidade básica ao sistema MKS, que possuísse natureza elétrica, como o Ampère ou o Ohm. Sua proposta foi amplamente discutida pela IEC e pela IUPAC, sendo aceita pela CIPM em 1946, modificando o nome do sistema para MKSA[9].

A 10.ª CGPM, em 1954, aprovou a introdução do ampère, do kelvin e da candela como unidades básicas[9].

Na CGPM seguinte, em 1960 o nome deste sistema com seis unidades fundamentais foi definido como sistema internacional de unidades[9].

Na 14.ª CGPM, após longas discussões entre físicos e químicos, foi adicionado o mol como unidade básica de quantidade de matéria, resultando no sistema atual de sete unidades fundamentais[9].

Unidades Fundamentais

O SI possui sete unidades fundamentais, listadas a seguir.

Metro

Unidade fundamental de comprimento, o metro (m) é definido de acordo com a 17.ª CGPM (1983) como:

Quilograma

Unidade fundamental de massa, o quilograma (Kg), foi definida em 1901, pela 3.ª CGPM como:

Segundo

O segundo (s), unidade básica de tempo, foi definido na 13.ª CGPM (1968) como:

Ampère

A unidade fundamental de corrente elétrica é o ampère (A), e foi definida na 9ª CGPM (1948) como:

Kelvin

O kelvin (K) é a unidade básica de temperatura, definida em 1968, na 13ª CGPM, como:

Candela

A unidade fundamental de intensidade luminosa é a candela (cd), definida na 16.ª CGPM (1979), como:

Mol

A unidade básica de quantidade de matéria, o mol (mol), foi definida em 1971 (na 14.ª CGPM), como:

Sistemas de unidades naturais


São sistemas nos quais as unidades são escolhidas de forma que certas constantes físicas passem a valer exatamente um. Alguns exemplos de sistemas de unidades naturais são o sistema de unidades atômicas, o sistema de unidades de Planck e o sistema de unidade geometrizada.

Outros sistemas


Sistema técnico

Derivado do sistema métrico com unidades do anterior, todavia utilizado na técnica por ser unidades muito intuitivas.

Sistema inglês

Ver artigo principal: Unidade inglesa

Utilizado no passado pelos países anglo-saxões. A maioria já substituiu pelo Sistema Internacional de Unidades, exceto Libéria, Birmânia e Estados Unidos. É originário da Inglaterra, onde é conhecido como sistema imperial de unidades, e ainda muito utilizado lá, embora oficialmente o país adote o SI.

Possui unidades tradicionais, muitas com nomes de unidades utilizadas na Roma antiga, como o , a polegada, a milha e a libra, mas com valores completamente distintos.

Sistema chinês

Ver artigo principal: Unidades de medida chinesas

Utilizado ainda diariamente e no comércio tradicional por muitos chineses, apesar de a China já ter adotado oficialmente o Sistema Internacional de Unidades como o seu único padrão oficial de medidas.

Ver também


Referências


  1. «A Brief History of Measurement Systems» (PDF) (em inglês). Consultado em 24 de março de 2014. Arquivado do original (PDF) em 19 de outubro de 2013 
  2. «Quanto pesa o peso» . Consultado em 24 de março de 2014 
  3. John Wilkins (1668). «VII». An Essay towards a Real Character and a Philosophical Language (PDF) (em inglês). [S.l.]: The Royal Society. pp. 190–194  Parâmetro desconhecido |data de acesso= ignorado (ajuda)
  4. «Mouton Biographie» (em inglês). Consultado em 24 de março de 2014 
  5. Alder. The Measure of all Things – The Seven-Year-Odyssey that Transformed the World (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-349-11507-8 
  6. a b Robert A. Nelson (1981). Foundations of the international system of units (SI) (PDF). Phys. Teacher (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 597 
  7. BRASIL, Nilo Indio do. Sistema Internacional de Unidades. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2002. ISBN 85-7193-063-5.
  8. Russ Rowlett. «CGS and MKS Units» (em inglês). Consultado em 26 de março de 2014 
  9. a b c d «Brief history of the SI» (em inglês). Consultado em 26 de março de 2014 
  10. a b c d e f g Barry N. Taylor and Ambler Thompson (2008). «The International System of Units (SI)» (PDF) (em inglês) NIST Special Publication 330 ed. NIST. pp. 18–23  Parâmetro desconhecido |data de acesso= ignorado (ajuda); line feed character character in |título= at position 25 (ajuda); |capitulo= ignorado (ajuda)









Categorias: Sistemas de medidas




Data da informação: 17.12.2020 08:10:59 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.