Substantivo


O substantivo ou nome é uma classe de palavras variável com que se designam ou se nomeiam os seres (pessoas, animais e coisas). O substantivo é a palavra que serve, de modo primário, de núcleo de sujeito, de objeto direto, de objeto indireto e do agente da passiva. Qualquer palavra de outra classe que desempenhe uma dessas funções equivalerá, forçosamente, a um substantivo[1] . Em português, o substantivo pode ser flexionado em gênero, número e grau.[2][3] Em outros idiomas pode haver outras flexões, como a de caso gramatical.

Índice

Substantivação


Substantivação é a atribuição de funções de substantivo a alguma outra palavra, que pode ser um verbo, um adjetivo, um numeral, ou até mesmo um advérbio.

Exemplo:

Uma palavra se torna substantivo quando toma o lugar de um e é precedida por um artigo.

Podemos substituir a palavra jantar por comida, que é um substantivo. Ficaria: "A comida estava ótima". Se trocarmos azul por cor, seria: "Era uma cor maravilhosa". Assim como, se mudássemos a estrutura da frase Ele disse um não bem grosseiro, ficaria assim: " - Não, disse ele, de forma grosseira". O não, neste segundo caso, é um advérbio de negação.

Na primeira oração do exemplo acima, a palavra olhar, que normalmente é um verbo, foi substantivada, ao ser precedida do artigo definido O. Assim acontece com as demais, só que precedidas de artigo indefinido.

Obs.: Vale lembrar que beleza, pureza, habilidade, honestidade etc, não são palavras substantivadas, pois já são substantivos por si sós.

Classificação


Os substantivos podem ser classificados em:

Comuns e próprios
Comuns são aqueles que dão nome a espécie: pessoa, rio, planeta, cidade; próprios são aqueles que designam um indivíduo da espécie: João, Amazonas, Marte.[2]
Concretos e abstratos
Concretos são aqueles que designam seres reais ou imaginários, de existência independente de outros seres: Deus, homem, cão, árvore, Brasil, caneta; abstratos são aqueles cuja existência depende de outros seres. Designam ações, estados e qualidades: divindade, beleza, colheita, doença, bondade, juventude.[3]
Coletivos
São substantivos comuns que, no singular, designam um conjunto de seres ou coisas da mesma espécie. No substantivo coletivo, trata-se de um único ser uma pluralidade de indivíduos: elenco (conjunto de atores); matilha (conjunto de cães de caça); cardume (conjunto de peixes) etc.[2]
Primitivos e derivados
Primitivos são aqueles de que não derivam de outros vocábulos: ex: casa, folha, árvore.
Os derivados são aqueles que procedem de outras palavras (guerreiro é derivado por vir de guerra, guerra + eiro, ferreiro é derivado por vir de ferro, ferro + 'eiro').[4]
Simples e composto
Simples são aqueles substantivos constituídos de um só radical: casa, casarão; compostos são aqueles formados na união de dois ou mais radicais: boca-de-leão, couve-flor, passatempo.[4]

Substantivos uniformes


  • Substantivos epicenos: denominam-se epicenos os nomes de animais que possuem um só gênero gramatical para designar um e outro sexo: a águia, a baleia, a mosca, a pulga, o besouro, o polvo, o tatu, etc.
  • Substantivos sobrecomuns: denominam-se sobrecomuns os substantivos que têm um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos: o apóstolo, o cônjuge, a criança, a testemunha, etc.
  • Substantivos comuns de dois gêneros: alguns substantivos possuem uma só forma para os dois gêneros, mas distinguem-se o masculino do feminino pelo gênero do artigo ou outro determinante: o agente, a agente; dois colegas, duas colegas; meu gerente, minha gerente; esse mártir, essa mártir; aquele lojista, aquela lojista etc.
  • Substantivos de gênero vacilante: em alguns substantivos notam-se vacilação de gênero: diabete, suéter, omoplata, etc.[3]

Flexão do substantivo


Os substantivos podem ser flexionados de três maneiras distintas: quanto ao gênero, quanto ao número e quanto ao grau.

Flexão genérica

Ver artigo principal: Flexão de gênero

O gênero gramatical é um critério puramente linguístico, convencional, que divide os substantivos em duas classes: masculino e feminino.[2] Trata-se na verdade mais de uma classificação do que uma flexão propriamente dita para a maioria dos substantivos; entretanto, os substantivos designando pessoas e animais podem assumir formas diferentes de acordo com o sexo do ser que designa, em geral com o mesmo radical; por isso diz-se tratar de uma flexão.

Flexão numérica

Quanto à flexão de número, os substantivos podem estar no singular ou plural:

Flexão gradual

Em português são três os graus dos substantivos: normal, aumentativo e diminutivo.

Flexão de caso

Em muitos idiomas existe a flexão de caso, em que o substantivo tem desinências diferentes dependendo da função sintática que exercem na oração. Essa flexão existia no latim, porém desapareceu em português e em todas as outras línguas românicas com exceção do romeno, sendo substituídas por preposições. Os casos mais comuns nos idiomas que apresentam esse tipo de flexão são:

Um exemplo de frase em latim usando casos: mater amici mei unam rosam filio meo dedit (a mãe do meu amigo deu uma rosa ao meu filho). "Mater" está no nominativo; "amici mei" está no genitivo; "unam rosam" está no acusativo, e "filio meo" está no dativo.

Função sintática


O substantivo pode figurar na oração como núcleo do sujeito, predicativo, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, adjunto adverbial, agente da passiva, aposto, vocativo e excepcionalmente como adjunto adnominal.[3] Os adjetivos referentes a cores podem ser modificados por um substantivo que melhor precise uma de suas tonalidades, um de seus matizes: amarelo-canário; verde canário, etc. Neste emprego, o substantivo equivale a um advérbio de modo.[5] As frases nominais têm o substantivo como núcleo da frase: "Ó minha amada/Que olhos os teus" (Vinícius de Moraes)[6]

Ver também


Referências


  1. Cunha, Celso; Cintra, Lindley (2008). Nova Gramática do Português Contemporâneo 5 ed. Rio de Janeiro: Lexikon  Parâmetro desconhecido |c apítulo= ignorado (ajuda)
  2. a b c d Luft, Celso Pedro (1991). Moderna Gramática Brasileira 11 ed. São Paulo: Globo 
  3. a b c d e Cunha, Celso (1978). Gramática do Português Contemporâneo 7 ed. Belo Horizonte: Bernardo Álvares 
  4. a b c d e f g Almeida, Napoleão Mendes de (1951). Gramática Metódica da Língua Portuguesa 5 ed. São Paulo: Saraiva 
  5. Barreto, Mário (1921). Novos Estudos da Língua Portuguesa 2 ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves 
  6. Vinícius de Moraes. «Poema dos olhos da amada» . Consultado em 19 de maio de 2013. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2011 









Categorias: Classes de palavras




Data da informação: 06.10.2021 12:51:57 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-BY-SA-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.