Tales de Mileto - pt.LinkFang.org

Tales de Mileto


Tales de Mileto
Pré-socráticos
Ilustração de "Illustrerad verldshistoria utgifven av E. Wallis. volume I": Thales.
Nome completo Θαλής ὁ Μιλήσιος
Escola/Tradição: Escola Jônica, Escola de Mileto, Naturalismo
Data de nascimento: c. 624 a.C./623 a.C.[1][2][3][4]
Local: Mileto, atual Turquia
Morte c. 548 a.C./546 a.C.[2][3][4]
Principais interesses: Metafísica, Ética, Matemática, Astronomia
Trabalhos notáveis Água como "physis"
Teorema de Tales (interseção)
Teorema de Tales (círculo)
considerado o pai da ciência e da filosofia ocidental
Influenciados: Pitágoras, Anaximandro, Anaxímenes

Tales de Mileto, (em grego: Θαλῆς ὁ Μιλήσιος; c.624546 a.C.[1][2][3][4]) foi um filósofo, matemático, engenheiro, homem de negócios e astrônomo da Grécia Antiga,[5] considerado, por alguns, o primeiro filósofo ocidental.[1][6] De ascendência fenícia, nasceu em Mileto, antiga colônia grega, na Ásia Menor, atual Turquia.[1][2]

Tales é apontado como um dos sete sábios da Grécia Antiga.[1] Além disso, foi o fundador da Escola Jônica.[1][2] Considerava a água como sendo a origem de todas as coisas, e seus seguidores, embora discordassem quanto à “substância primordial”, que constituía a essência do universo, concordavam com ele no que dizia respeito à existência de um “princípio único" para essa natureza primordial.[1][2] Entre os principais discípulos de Tales de Mileto merecem destaque: Anaximandro de Mileto, para quem os mundos eram infinitos em sua perpétua inter-relação;[2] e Anaxímenes de Mileto que afirmava que o "ar" era a substância primária.

No naturalismo esboçou o que podemos citar como os primeiros passos do pensamento Teórico evolucionista: "O mundo evoluiu da água por processos naturais", disse ele, aproximadamente 2460 anos antes de Charles Darwin. Sendo seguido por Empédocles de Agrigento na mesma linha de pensamento evolutivo: "Sobrevive aquele que está melhor capacitado". [carece de fontes?]

Tales foi o primeiro a explicar o eclipse solar, ao verificar que a Lua é iluminada por esse astro.[carece de fontes?] Segundo Heródoto, ele teria previsto um eclipse solar em 585 a.C..[2] Para Aristóteles, esse evento marca o início da filosofia.[carece de fontes?] Os astrônomos modernos calculam que esse eclipse se apresentou em 28 de maio do ano mencionado por Heródoto.[2]

Se Tales aparece como o iniciador da filosofia, é porque seu esforço em buscar o princípio único da explicação do mundo não só constituiu o ideal da filosofia como também forneceu impulso para o próprio desenvolvimento dela.

A tendência do filósofo em buscar a verdade da vida na natureza o levou também a algumas experiências com magnetismo que naquele tempo só existiam como curiosa atração por objetos de ferro por um tipo de rocha meteórica achado na cidade de Magnésia, de onde o nome deriva.

Índice

Cosmologia


Os fenícios – através de sua mitologia – consideravam os elementos da Natureza (o Sol, a Terra, o Céu, o Oceano, as montanhas, etc.) como forças autônomas, honrando-os como deuses, elevados pela fantasia a seres altivos, móveis, conscientes e dotados de sentimentos, vontades e desejos. Estes deuses constituíam-se na fonte e na essência de todas as coisas do universo.

Tales foi um dos primeiros pensadores a alterar esses conceitos observando mais atentamente os fenômenos da natureza, a Physis (φύσις).

O ponto de partida da teoria especulativa de Tales – como também de todos os demais filósofos da escola Jônica – foi a verificação da permanente transformação das coisas umas nas outras e sua intuição básica é de que todas as coisas são uma só coisa fundamental, ou um só princípio (arché, ἀρχή).

Dos escritos de Tales, nenhum deles sobreviveu até nossos dias. Suas ideias filosóficas são conhecidas graças aos trabalhos de doxógrafos como Diógenes Laércio e Simplício da Cilícia e de filósofos, principalmente Aristóteles.

Em sua obra Metafísica, Aristóteles nos conta:

Tales diz que o princípio de todas as coisas é a água, sendo talvez levado a formar essa opinião por ter observado que o alimento de todas as coisas é úmido e que o próprio calor é gerado e alimentado pela umidade. Ora, aquilo de que se originam todas as coisas é o princípio delas. Daí lhe veio essa opinião, e também a de que as sementes de todas as coisas são naturalmente úmidas e de ter origem na água a natureza das coisas úmidas.

Em seu livro Da Alma, Aristóteles escreve:

E afirmam alguns que ela [a alma] está misturada no todo. É por isso, talvez,[nota 1] que Tales pensou que todas as coisas estão cheias de deuses.[8]

Parece também que Tales, pelo que se conta, supôs que a alma é algo que move, se é que disse que a pedra (ímã) tem alma, porque move o ferro.[9][10][11]

Esse esforço investigativo de Tales no sentido de descobrir uma unidade, que seria a causa de todas as coisas, representa uma mudança de comportamento na atitude do homem perante o cosmos, pois abandona as explicações religiosas até então vigentes e busca, através da razão e da observação, um novo sentido para o universo.

Quando Tales disse que todas as coisas estão cheias de deuses, ou que o magnetismo se deve à existência de “almas” dentro de certos minerais, ele não estava invocando as palavras Deus e Alma, no sentido religioso como as conhecemos atualmente, mas sim adivinhando intuitivamente a presença de fenômenos naturais inerentes à própria matéria.

Embora suas conclusões cosmológicas estivessem erradas podemos dizer que a Filosofia começou então com Tales, que ao estabelecer a proposição de que a água é o absoluto, provoca como consequência o primeiro distanciamento entre o pensamento racional e as percepções sensíveis.

A vida dos antigos pensadores gregos é frequentemente conhecida apenas de maneira incompleta. Realmente, os primeiros biógrafos não achavam correto divulgar fatos menos importantes concernentes à personalidade dos sábios. Eles julgavam as descobertas destes homens mais que suficientes para que fossem considerados como seres bastante superiores aos comuns mortais. E, como tais, deveriam ter uma imagem semelhante à dos deuses, sendo desprezados os fatos mais corriqueiros de sua vida.

Segundo Kirk Raven, a evidência da cosmologia de Tales é muito fraca e imprecisa e, por isso, somente pode ser tomada como uma base para a especulação.[12]

Contos


Interpretação nietzschiana


A Filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário determo-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e, enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida (estado latente, prestes a se transformar), está contido o pensamento: “Tudo é Um”. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade com os religiosos e supersticiosos, a segunda o tira dessa sociedade e o mostra como investigador da natureza, mas, em virtude da terceira, Tales se torna o primeiro filósofo grego.

Friedrich Nietzsche, em A Filosofia na Idade Trágica dos Gregos

Descobertas geométricas


Os fatos geométricos cujas demonstrações são atribuídas a Tales são:

Ele chamou a atenção de seus conterrâneos para o fato de que se duas retas se cortam, então os ângulos opostos pelo vértice são iguais.

Ver também


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Categoria no Commons

Notas


  1. Segundo KIRK RAVEN, o "talvez" aplica-se a "por isso" e não à afirmação de Tales.[7]

Referências


  1. a b c d e f g «Tales de Mileto» . Toda Matéria. 4 de julho de 2016. Consultado em 1 de junho de 2018 
  2. a b c d e f g h i Silva, Gil Alves. «De Tales a Ptolomeu: um breve panorama histórico dos principais sistemas cosmológicos gregos» (PDF). HCTE-UFRJ. Consultado em 1 de junho de 2018 
  3. a b c «História da Astronomia» . IF-UFRGS. Consultado em 1 de junho de 2018 
  4. a b c «Thales of Miletus» . Philosophers.co.uk. Consultado em 1 de junho de 2018 
  5. Thomas Little Heath, A Manual of Greek Mathematics, pg. 81.
  6. Chaui, Marilena (2014). André Albert, ed. Iniciação à Filosofia 2 ed. São Paulo: Ática. p. 3. 376 páginas. ISBN 978 85 08 16343-4 
  7. KIRK RAVEN (1977), p. 94
  8. Aristóteles. Da alma, I, 5.
  9. Aristóteles. Da alma, I, 2
  10. KIRK RAVEN (1977), p. 92−96
  11. GUTHRIE (1962), p. 65−67.
  12. KIRK RAVEN (1977), p. 98.
  13. PLATÃO. Teeteto - Crátilo. In: Diálogos de Platão. Tradução do grego por Carlos Alberto Nunes. 3a. ed., Belém: Universidade Federal do Pará, 2001, p. 45.

Bibliografia


  • DIELS, Hermann; KRANZ, Walther (1960). Die Fragmente der Vorsokratiker (em grego e alemão). I 9a. ed. Berlin: Weidmannsche Verlagsbuchhandlung 
  • GUTHRIE, W.K.C. (1962). History of Greek Philosophy. Volume I. The Earlier Presocratics and the Pythagoreans (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press 
  • KIRK, G.S.; RAVEN, J.S (1977). The Presocratic Philosophers (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press 









Categorias: Pré-socráticos | Matemáticos da Grécia Antiga | Geómetras | Filósofos pagãos | Filósofos da antiga Jónia | Gregos do século VII a.C. | Gregos do século VI a.C. | Sete Sábios da Grécia




Data da informação: 16.12.2020 06:36:02 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.