Tratado de Orvieto - pt.LinkFang.org

Tratado de Orvieto


Tratado de Orvieto
Tratado de Orvieto
Tipo de tratado Aliança militar
Assinado 3 de julho de 1281
Local Orvieto
Ratificação 2 de agosto de 1281
Signatários Carlos I da Sicília, Felipe I de Tarento e João Dandolo

O Tratado de Orvieto foi um acordo feito em 1281 entre Carlos I da Sicília, João Dandolo, doge de Veneza e Felipe I de Tarento, titular do Império Latino, com a benção do Papado. Destinava-se a restaurar o domínio latino, tanto civil como eclesiástico, na Grécia, porém foi evitado pela Guerra das Vésperas sicilianas, que desviaram os recursos de Carlos para recuperar a Sicília.

Índice

Antecedentes


Carlos havia muito tempo aspirado montar um reino trans-mediterrâneo. Irmão mais novo do rei francês Luís IX, havia ampliado o apanágio do Condado de Provença ao concordar em agir como o campeão do papado contra a dinastia de Hohenstaufen em 1263.[1] Foi recompensado com o Reino da Sicília como feudo papal, e quase imediatamente começou a olhar para o leste em busca de outros territórios. Com a derrota de Manfredo da Sicília (r. 1258–1266) em 1266, Carlos enviou um exército para a Albânia para aproveitar o dote da esposa de Manfredo, Helena do Epiro.[2] Isto trouxe Carlos em conflito com o imperador Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1289) no teatro adriático. Balduíno II (r. 1228–1261), então titular do Império Latino, fez-se um aliado natural. Expulso de Constantinopla por Miguel VIII em 1261, Balduíno estava praticamente sem dinheiro e desesperado por ajuda para recuperar seu império. Carlos concordou, mas em um preço significativo: ambos assinaram o Tratado de Viterbo em 1267, no qual Carlos concordava em ajudar a reconquistar o Império Latino em troca da suserania de Acaia e outras concessões importantes.[3]

Contudo, a invasão da Itália por Conradino da Germânia e a Oitava Cruzada combinados atrasaram qualquer intervenção de Carlos. Sob o papa Gregório X, negociações para a união da Igreja Católica e as Igrejas Ortodoxas Gregas foram iniciadas, e qualquer movimento de Carlos contra Constantinopla foi proibido. Contudo, ele foi encorajado pelo papa à comprar a reivindicação de Maria de Antioquia para o Reino de Jerusalém em 1277, tendo ele enviado um bailio para governar em seu nome. Isto era parte de uma estratégia papal para preservar o Reino de Jerusalém integrando-o em um império trans-mediterrâneo aliado com a casa real francesa, que forneceria os recursos necessários para a defesa do reino. Em 1278, por uma disposição do Tratado de Viterbo, o Principado de Acaia também veio sob seu domínio direto.[4]

A adesão do papa Martinho IV, que estava largamente sob influência de Carlos, removeu o último obstáculo de suas ambições. O novo papa declarou a união das Igrejas uma falha, abrindo caminho para os planos de conquista de Caros. Como o Tratado de Viterbo, a nova aliança contra Constantinopla uniria os exércitos de Carlos, a dinastia do Império Latino (agora Felipe I de Tarento já que Balduíno II havia morrido em 1273) e a sansão papal. Além disso, os venezianos, que tinham desempenhado um papel chave no Império Latino, mas que haviam sido subscritos do Tratado de Viterbo, foram convocados para a aliança.[5]

Provisões


Como o Tratado de Viterbo, o novo tratado foi assinado no palácio papal, que papa Martinho IV tinha mudado para Orvieto após Viterbo ficar sob interdito para prender dois cardeais. Seu objetivo era o destonamento do imperador Miguel VIII em favor de Felipe e o estabelecimento da união das igrejas, trazendo a Igreja Ortodoxa Grega sob a autoridade do papa. Sua motivação prática, contudo, foi re-estabelecer o Império Latino, sob domínio angevino, e restaurar os privilégios comerciais venezianos em Constantinopla.[5]

Sob os termos do tratado, Felipe e Carlos tinham que fornecer 8000 soldados e cavalos, e navios suficientes para transportá-los para Constantinopla. Felipe, Dandolo e Carlos, ou o filho de Carlos, Carlos, príncipe de Salerno, tinham que acompanhar pessoal a expedição. Na prática, Carlos teria que fornecer quase todas as tropas, Felipe tinha pouco ou nenhum recurso próprio. Os venezianos supririam quarenta galeras como escolta para a frota de invasão, que navegaria a partir de Brindisi mais tarde em abril de 1283. Após a restauração de Felipe ao trono, ele confirmaria as concessões do Tratado de Viterbo e os privilégios garantidos à Veneza a fundação do Império Latino, incluindo o reconhecimento do Doge como dominador de "um quarto e um oitavo do Império Latino."[5]

Um segundo documento foi também elaborado para organizar uma vanguarda para preceder a principal expedição de 1283. Carlos e Felipe forneceriam quinze navios e dez transportes com cerca de 300 homens e cavalos. Os venezianos forneceriam quinze navios de guerra para sete meses de um ano. Estas forças fariam guerra contra Miguel III e "outros ocupantes" do Império Latino (presumivelmente os genoveses) e se encontrariam em Corfu até 1 de maio de 1282, pavimentando caminho para a invasão do ano seguinte.[5]

Ambos os tratados foram assinados por Carlos e Felipe em 3 de julho de 1281. Eles foram ratificados pelo Doge de Veneza em 2 de agosto de 1281.[5]

Consequências


Poucas semanas após a assinatura do tratado, o papa Martinho excomungou Miguel VIII. Provisões foram devidamente feitas para a expedição, e algumas poucas escaramuças ocorreram em torno da Eubeia. Nicéforo I (r. 1267/1269–1297), o governante do Epiro, também concluiu um tratado com Carlos, Felipe e Dandolo em setembro de 1281. Contudo, logo após a expedição velejar, as Vésperas sicilianas eclodiram (30 de março de 1282). A guerra civil resultante dividiu o Reino da Sicília em dois, e Carlos gastou o resto de sua vida tentando sufocá-la. Seus descendentes continuariam a manter um domínio tênue sobre partes do Império Latino, mas nenhuma grande expedição contra Constantinopla foi montada.[6]

Referências


  1. Runciman 2012, p. 75-76; 131-132.
  2. Runciman 2012, p. 136.
  3. Runciman 2012, p. 136-137.
  4. Riley-Smith 2005, p. 203.
  5. a b c d e Nicol 1988, p. 208-209.
  6. Bury 1886, p. 341.

Bibliografia


  • Bury, John B. (1886). «The Lombards and Venetians in Euboia (1205-1303)». The Journal of Hellenic Studies. 7. doi:10.2307/623649  
  • Nicol, Donald MacGillivray (1988). Byzantium and Venice . A Study in Diplomatic and Cultural Relations. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 0-521-42894-7 
  • Riley-Smith, Jonathan (2005). The Crusades. A History. New Haven, Connecticut: Yale University Press. ISBN 0-8264-7270-2 









Categorias: Século XIII no Império Bizantino | Tratados do Reino da Sicília | Tratados do século XIII




Data da informação: 16.12.2020 06:59:45 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.