Tratados de Cateau-Cambrésis - pt.LinkFang.org

Tratados de Cateau-Cambrésis


A paz de Cateau-Cambrésis designa os tratados de paz assinados a 2 e 3 de abril de 1559 que colocam termo ao conflito entre o Reino de França por um lado, e a Espanha e o Sacro Império Romano-Germânico por outro.

É considerado como o mais importante tratado europeu do século XVI e as suas disposições ficaram em vigor durante mais de um século, dando início a nova situação geopolítica internacional, marcada pelo fim da ingerência da França na Itália, e terminando definitivamente com as guerras italianas e ao início da predominância espanhola na península italiana.

Os dois tratados então celebrados devem o seu nome à comuna de Le Cateau-Cambrésis, situada a 20 km a leste de Cambrai. As negociações iniciaram-se ma Abadia de Cercamps, sendo concluídas no castelo de Cateau-Cambrésis.

Índice

Os tratados


Primeiro tratado (França/Inglaterra)

O primeiro tratado foi assinado a 2 de abril de 1559, entre os plenipotenciários do rei Henrique II da França e da rainha Isabel I de Inglaterra. A jovem Isabel I, que, em janeiro desse ano sucedera à sua meia irmã católica, Maria I de Inglaterra[1], impusera uma nova religião ao seu país e procurava afirmar-se quer a nível interno, quer internacional. Assim:

Segundo tratado (França/Espanha)

O segundo tratado, igualmente chamado paz de Cateau-Cambrésis, foi negociado na abadia de Cercamps (próxima de Arras), e assinada a 3 de abril de 1559 entre os plenipotenciários dos reis de França e de Espanha, Henrique II e Filipe II, respectivamente, colocando um fim às Guerras Italianas, e às intervenções francesas na peninsula[3]. Mas este tratado é sobretudo notável pela longevidade dos acordos ali atingidos, que previam:


Contexto político


Esta paz tornou-se essencial uma vez que todas as partes estavam financeiramente esgotadas, ao ponto de arriscarem a bancarrota: os seus financiadores (nomeadamente os banqueiros de Antuérpia) ficaram arruinados por uma crise económica (1557-1559) sem precedentes. A França, já afetada economicamente pelas derrotas de Saint-Quentin (1557) e Gravelines (1558), estava a ser afetada pelas convulsões religiosas. Henrique II esperava aproveitar a paz para acabar com a reforma protestante[5]. Após três anos, o protestantismo não cessava de se desenvolver apesar dos éditos repressivoss.

Mas o protestantismo também não deixava de crescer nos territórios espanhóis, como a Flandres. Desde Valladolid, que na altura acolhia o seu governo, Filipe II pretendia esmagar os seus opositores através da Inquisição. A Espanha viu, então, crescer a sua vocação colonial e evangelizadora no Novo Mundo, procurando fazer da França uma aliada na luta contra a Reforma, pelo que as cláusulas do tratado não foram tão desfavoráveis aos franceses como a situação militar poderia fazer crer.

Consequências do tratado


A Espanha guardará, daqui em diante, até finais do século XVII, um domínio (direta e indiretamente) sobre o mosaico dos pequenos estados da península italiana, excepto sobre as repúblicas de Génova e de Veneza, e a Saboia-Piemonte. O general das tropas espanholas, o duque de Alba chegou a obrigar o Papa Paulo IV, aliados dos franceses, a capitular formalemente em 1557; os Papas seguintes serão aliados da Espanha na luta contra a Reforma. O tratado de Cateau-Cambrésis, fez com que a Itália entrasse num longo período de estagnação económico e intelectual, que marca o fim do Renascimento italiano.

O tratado previa a consolidação da paz através de dois casamentos reais:

É durante as festividades organizadas para estes casamentos reais que o rei Henrique II viria a ser mortalmente ferido[8]. A sua morte deixará a França nas mãos da sua viúva, Catarina de Médici e dos seus numerosos filhos, envolvidos nas guerras de religião, favorecidas pela desmobilização da nobreza francesa na sequência destes tratados: as convulsões internas sucedem às guerras exteriores[9].

Notas e referências


  1. que fora casada com Filipe II de Espanha
  2. Eduardo III de Inglaterra levara onze meses para tomar a cidade em 1347
  3. fora em 1494, sessenta e cinco ano antes, que Carlos VIII de França entrara em Florença
  4. O imperador Fernando I, tio de Filipe II, não se encontrava representado nas negociações
  5. Kermina, Françoise - Jeann d'Albret, la mère passionnée d'Henri IV, Edições Perrin, 1998, pág. 118.
  6. já viúvo pela segunda vez pela morte de Maria Tudor
  7. casamento que dará origem à dinastia real da Itália no século XIX
  8. durante um torneio
  9. Claude Michaud, Entre croisade et révolutions, Publicação da Sorbonne, 2010.

Bibliografia










Categorias: 1559 | Tratados da Inglaterra | Tratados da França | Tratados da Espanha | Formação territorial da França | História da França | História da Europa | Tratados do século XVI








Data da informação: 17.12.2020 08:11:11 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.