Tristeza - pt.LinkFang.org

Tristeza




 Nota: Se procura o bairro em Porto Alegre, veja Tristeza (Porto Alegre).

Tristeza é uma emoção e um sentimento muito típico dos seres humanos, caracterizado pela falta da alegria, ânimo, disposição e outras emoções de insatisfação.[1]

A tristeza pode se apresentar em diferentes graus de intensidade, variando desde a tristeza passageira, que normalmente dura alguns minutos ou horas, à tristeza profunda, que pode persistir por vários dias ou semanas, além de ser um sinal de problemas mais complexos, como a depressão.

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Definições no Wikcionário
Citações no Wikiquote
Categoria no Commons

Tristeza (do termo latino tristia, tristeza, aflição), é um estado afectivo duradouro caracterizado por um sentimento de insatisfação e acompanhado de uma desvalorização da existência e do real.[1]

A tristeza é uma das "oito emoções básicas " descritas por Paul Ekman, junto com felicidade, raiva, surpresa, medo, nojo e desprezo[2]

Vários podem ser os motivos que desencadeiam sentimentos de tristeza, como uma desilusão amorosa, a perda de um emprego, a morte de um amigo ou familiar e outras situações que sejam encaradas de modo negativo pela pessoa, fazendo com que ela seja afetada psicologicamente.

Entre os principais sintomas da tristeza, está o desânimo, a falta de vontade de desempenhar tarefas rotineiras e de conviver socialmente.

Em Baruch Espinoza, a tristeza é definida justamente como o ato no qual nossa potência de agir é diminuída ou contrariada.

Na infância


A tristeza é uma experiência comum na infância, e reconhecer tais emoções pode tornar mais fácil para as famílias enfrentar problemas emocionais mais graves,[3] embora algumas famílias possam ter uma regra (consciente ou inconsciente) de que a tristeza não é "permitida".[4] Robin Skynner sugeriu que isso pode causar problemas porque, com a tristeza "desativada", ficamos um pouco superficiais e maníacos.[5]:33, 36

A tristeza é parte do processo normal da criança de se separar de uma simbiose precoce com a mãe e se tornar mais independente. Toda vez que uma criança se separa um pouco mais, ele ou ela terá que lidar com uma pequena perda. Se a mãe não pode permitir o sofrimento menor envolvido, a criança nunca aprenderá a lidar com a tristeza por si mesma.[5] O pediatra T. Berry Brazelton argumenta que estimular muito a criança para que supere uma tristeza, desvaloriza a emoção para elas;[6] e Selma Fraiberg sugere que é importante respeitar o direito da criança em experimentar uma perda completa e profundamente.[7]

Margaret Mahler viu a capacidade de sentir a tristeza como uma conquista emocional, ao contrário, por exemplo, de afastar-se através de hiperatividade inquieta.[8]

Referências


  1. Hilton Japiassú, Danilo Marcondes (1993). 'Dicionário básico de filosofia , Zahar. p. 271. ISBN 978-85-378-0341-7.
  2. Daniel Goleman, Emotional Intelligence , (Londres1996) p. 271
  3. T. Berry Brazleton, To Listen to a Child , (1992) p. 46 e p. 48
  4. Karen Masman (1 March 2009). Uses of Sadness: Why Feeling Sad Is No Reason Not to Be Happy . Allen & Unwin. pp. 8–. ISBN 978-1-74176-600-4.
  5. a b A. C. Robin Skynner; John Cleese (1984). Families and how to Survive Them . Oxford University Press. pp. 158–159. ISBN 978-0-19-520466-7.
  6. Brazleton, p. 52
  7. Selma H. Fraiberg (1996). [The Magic Years: Understanding and Handling the Problems of Early Childhood . Simon and Schuster. pp. 274. ISBN 978-0-684-82550-2.
  8. M. Mahler et al, The Psychological Birth of the Human Infant (London 1975) p. 92


Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o .










Categorias: Emoções








Data da informação: 30.05.2020 10:28:21 CEST

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.