Xilogravura no Japão - pt.LinkFang.org

Xilogravura no Japão


Xilogravura no Japão (em japonês: 木版画, moku hanga) é uma técnica mais conhecida por seu uso no gênero artístico Ukiyo-e, no entanto, também foi utilizado amplamente no mesmo período para impressão de livros.[1] A xilogravura foi usado na China há séculos para imprimir livros, muito antes do advento do tipo móvel, mas só surpreendentemente tarde, durante o período Edo (1603-1867), foi amplamente adotada no Japão. Embora seja semelhante em alguns aspectos a técnica de xilogravura no ocidente, Ukiyo-e difere grandemente em que tintas à base de água são utilizadas (em oposição a xilogravura ocidental que utiliza tinta à base de óleo), permitindo uma vasta gama de cores vivas, esmaltes e transparência de cor.

Cada imagem Ukiyo-e, era criada através do esforço colaborativo de quatro indivíduos qualificados: a editora que coordenou os esforços dos artesãos especializados e comercializou as obras de arte, o artista que projetou as obras colocando-as em tinta no papel, o escultor que meticulosamente esculpiu os desenhos em um bloco de madeira e um impressor que aplicou pigmentos para as xilogravuras e imprimiu cada cor no papel artesanal. Cada membro dessa equipe era altamente qualificado e tinha responsabilidades quase iguais pelo resultado final.[1]

Índice

História


Livros impressos oriundos de templos budistas chineses foram vistos em Japão, no século VIII. Em 764 a Imperatriz Koken encomendou um milhão de pequenos pagodes de madeira, cada um contendo um pequeno pergaminho impresso com um texto budista (Hyakumanto Darani). Estes foram distribuídos aos templos em todo o país como ação de graças pela supressão da rebelião Emi de 764.[2] Estes são os primeiros exemplos de xilogravura conhecidos ou documentados do Japão.

Por volta do século XI, templos budistas no Japão estavam produzindo seus próprios livros impressos de sutras, mandalas e outros textos budistas e imagens. Durante séculos, a impressão era restrito apenas à esfera budista, porque era demasiado caro para a produção em massa, e não existia um público receptivo, e alfabetizado para que as obras pudessem ser comercializadas.

Não foi até 1590 que o primeiro trabalho secular seria impresso no Japão. Este foi o Setsuyō-Shu , um dicionário chinês-japonês em dois volumes. Embora os jesuítas operassem um móvel tipo de imprensa em Nagasaki a partir de 1590,[3] trazido por Toyotomi Hideyoshi com o retorno do exército da Coreia.

A japonesa arte do Ukiyo-e desenvolveu principalmente na cidade de Edo (atual Tóquio), durante o Período Tokugawa ou Edo (1615-1868). Estes dois nomes referem-se aos relativamente pacíficos 250 anos, durante o qual os shoguns Tokugawa governaram o Japão e fizeram de Edo a sede shogunal do poder.[1]

As primeiras obras a serem feitas retratavam aspectos dos bairros de entretenimento (eufemisticamente chamado de "mundo flutuante") de Edo e de outros centros urbanos. Os assuntos comuns incluem cortesãs famosas e prostitutas, os atores do kabuki e cenas bem conhecidas de teatro Kabuki.[4]

Referências


  1. a b c «The Floating World of Ukiyo-E: Shadows Dreams and Substance» (em inglês). Library of Congress. 27 julho de 2010. Consultado em 9 de janeiro de 2014 
  2. «INSIDE HYAKUMANTO PAGODA» (em inglês). schoyen collection. Julho de 2009. Consultado em 9 de janeiro de 2014 
  3. Fernand Braudel, "Civilization & Capitalism, 15-18th Centuries, Vol 1: The Structures of Everyday Life," William Collins & Sons, London 1981
  4. «Ukiyo-e» (em inglês). Encyclopedia Britannica. 7 de fevereiro de 2007. Consultado em 9 de janeiro de 2014 [ligação inativa]

Referência Bibliográfica


Ver também


Ligações externas


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xilogravura no Japão











Categorias: Cultura do Japão | Pintura do Japão | Gravura | Artes do Japão | Ukiyo-e




Data da informação: 17.12.2020 04:58:12 CET

Fonte: Wikipedia (Autores [História])    Licença: CC-by-sa-3.0

Mudanças: Todas as imagens e a maioria dos elementos de design relacionados a essas foram removidos. Alguns ícones foram substituídos por FontAwesome-Icons. Alguns modelos foram removidos (como "o artigo precisa de expansão) ou atribuídos (como" notas de rodapé "). As classes CSS foram removidas ou harmonizadas.
Os links específicos da Wikipedia que não levam a um artigo ou categoria (como "Redlinks", "links para a página de edição", "links para portais") foram removidos. Todo link externo possui um FontAwesome-Icon adicional. Além de algumas pequenas mudanças de design, foram removidos os contêineres de mídia, mapas, caixas de navegação, versões faladas e microformatos geográficos.

Observe: Como o conteúdo fornecido é retirado automaticamente da Wikipedia no momento especificado, uma verificação manual foi e não é possível. Portanto, o LinkFang.org não garante a precisão e a atualidade do conteúdo adquirido. Se houver uma informação incorreta no momento ou com uma exibição imprecisa, sinta-se à vontade para Contate-Nos: email.
Veja também: Cunho & Política de Privacidade.